Na aba do tribunal | Fábio Campana

Na aba do tribunal

Da Dora Kramer, O Estado de S.Paulo:

Os partidos representados no Congresso e os políticos que vivem reclamando de interferência por parte do Supremo Tribunal Federal em seus assuntos precisam escolher: ou param de recorrer à Corte por qualquer motivo ou param de falar em judicialização da política.

O STF faz o que lhe cabe: provocado, interpreta a Constituição e determina o cumpra-se. O mundo político é que banaliza esse recurso. A ponto de agora o PT e o PSOL pedirem aos ministros que anulem a sessão que elegeu presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara o deputado e autoproclamado pastor e, ao que se sabe por sua atuação na igreja fundada por ele, bem-sucedido vendedor de indulgências.

A julgar por declarações anteriores, Marco Feliciano exibe pendores ao racismo e à homofobia. Evidente que faltou bom senso ao partido dele, o PSC, na escolha do nome, assim como falta sensibilidade na decisão de fazer de sua permanência quase que uma questão de honra (?).

Mas, daí a considerar que seja um assunto a ser resolvido pela instância maior de Justiça, vai uma distância enorme. O tribunal terá apenas o trabalho de dizer que não tem nada com isso, o problema é interno do Congresso.


Um comentário

  1. Adalberto Gelbecke
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 16:04 hs

    Todo tirano um dia cai.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*