MST desanca André Vargas | Fábio Campana

MST desanca
André Vargas

É impossível agradar a todos o tempo todo. O deputado André Vargas, do PT, e portanto afinado com o Movimento dos Sem Terra, pensou que não chamaria a atenção da esquerda agrária o seu projeto de lei que dá nome ao trecho da BR-277 entre as cidades de Paranaguá e Curitiba. O nome? Ora, pois, Rodovia Cecílio do Rego Almeida, que a esquerda brasileira costuma apresentar como “o maior grileiro do mundo”. Diz o MST que na década de 1990, o empreiteiro Cecílio do Rego Almeida grilou duas fazendas no Pará, uma de 1,2 milhão de hectares e outra de 4,77 milhões de hectares. Somadas, dão uma área maior que a do Estado da Paraíba.

André Vargas teve a ajuda de outros petista, o deputado José Mentor, para aprovar o projeto. E para defender-se usa um argumento que irrita ainda mais o MST. Diz Vargas “foi ele que construiu a estrada”.


13 comentários

  1. DEIXAR AS HIENAS ENTRAR...
    domingo, 17 de março de 2013 – 11:37 hs

    Por Carlos Chagas

    Assim estamos, numa hora em que a presidente parece indignada com as pressões e disposta a esperar alguns dias para desencadear a reforma. Só que não terá saída senão deixar entrar as hienas e ouvir os vaticínios de Jorge Gerdau a respeito da impossibilidade de continuar governando desse jeito…

    http://www.claudiohumberto.com.br/artigos/?id=351614

  2. carlosrochapedracc
    domingo, 17 de março de 2013 – 12:06 hs

    É A MEDIOCRIDA TOTAL, UM PARLAMENTAR QUE DEVERIR DISCUTIR OS PROBLEMA DO PAÍS VEM COM ESSA PALHAÇADA ISSO MOSTRO O NIVEL DO NOSSO PARLAMENTO.

  3. HENRY
    domingo, 17 de março de 2013 – 13:33 hs

    JUSTA HOMENAGEM. AFINAL, O HOMENAGEADO SEMPRE FOI O MAIOR DOADOR NAS CAMPANHAS DO “lula 51” E DO pt “partido do trambique”. A PROVA MAIOR FOI NA PRIMEIRA ELEIÇÃO, ONDE SEU FILHO O “cabeção careca” MARCELO ALMEIDA, FOI PREMIADO COM UM MANDATO, MESMO NÃO TENDO SIDO ELEITO. ERA PRIMEIRO SUPLENTE E lula 51 NOMEOU O DEP REINOLD STHEPHANES COMO MINISTRO PARA ABRIR A VAGA PARA O FILHO DO SEU MAIOR FINANCIADOR.

  4. Previsão
    domingo, 17 de março de 2013 – 14:47 hs

    SAFADO! INERGUMENO E VENDIDO! É o fim da picada mesmo! Rodovia do CAPETA!

  5. NARIZ DE FOLHA
    domingo, 17 de março de 2013 – 15:25 hs

    ESSE VARGAS ESTÁ PAGANDO VALE AO MARCELO ALMEIDA E FAMÍLIA, PELO MARCELO TER APOIADO O FRUET, EMBORA ESTIVESSE NO COMANDO DA CAMPANHA RATINHO JUNIOR.

    ESTE FOI O PREÇO EXTRA DO APOIO AO ADVERSÁRIO DO RATINHO JUNIOR, POIS O VARGAS DEVE TER FEITO MAIS FAVORES IMPRTANTES AO MARCELO ALMEIDA E A CONSTRUTORA DA FAMÍLIA C.R.ALMEIDA.

    ESTE FOI O FATO MAIS IMPORTANTE NA ELEIÇÃO PARA PREFEITO NO SEGUNDO TURNO EM CURITIBA.

    E O MST ? QUE FIQUE QUIETINHO ONDE ESTÁ. SERVE PARA SER USADO NOS MOMENTOS NECESSÁRIOS.

  6. LUIZ
    domingo, 17 de março de 2013 – 15:43 hs

    É VAGABA COMENDO VAGABA.

  7. fano poli
    domingo, 17 de março de 2013 – 17:59 hs

    Trata-se de um equívoco e uma desinformação do referido deputado, pois na época a firma Lyzimaco da Costa S. A
    foi quem construiu a estrada e era de propriedade do engenheiro Dr. Lyzimaco Franco Ferreira da Costa e do seu irmão Dr. Alberto que futuramente seria deputado federal. O Dr. Lyzimaco de forma inteligente desenhou todo o projeto e enfrentou a pé a mata virgem o que acabou proporcionando a maravilhosa estrada que hoje deve ter o seu nome. Na época o Dr. Cecilio era estagiário da referida firma e no futuro acabou sendo o seu proprietário, sendo válido pela sua atividade que tenha também uma homenagem, porém seria a maior injustiça a ser cometida pelo Estado do Paraná se a estrada não tiver o nome de quem realmente a construiu, que foi o Dr. Lyzimaco Franco Ferreira da Costa. Com a palavra o Governador Beto Richa, deputados, e judiciário pois o Dezembargador Antonio Franco Ferreira da Costa foi irmão do verdadeiro construtor da estrada para que não permitam que se cometa um erro histórico.

  8. Caça Corruptos
    domingo, 17 de março de 2013 – 21:56 hs

    André Vargas é do PT?????
    Nem cara de petista ele tem.

  9. luiz
    segunda-feira, 18 de março de 2013 – 9:08 hs

    Essas confusões são comuns, ele estava querendo homenagear o DONO da BR277 e não o construtor.
    O Construtor já colocou uma plaquinha em algum lugar, mas tornar-se dono isso sim é um grande feito.
    Até os garçons do Maxímis lembram das gorgetas verde azuladas…

  10. paulo saldanha almeida
    segunda-feira, 18 de março de 2013 – 14:24 hs

    Falar do \dr Cecilio deste jeito é facil,esqueceram os milhares
    de empregos que ele propiciou em nosso estado, os milhões
    de reais que ele recolheu de impostos, e todas as pessoas
    que ele ajudou ao longo de sua vida algumas ate que foram
    deixadas de lado por familiares que agora querem falar contra
    ele. Tenho orgulho dele e nosso estado estaria melhor se
    muitos CECILIOS estivesem trabalhando para o bem estar
    de todos como ele.

  11. Confirma aí
    sexta-feira, 22 de março de 2013 – 9:04 hs

    O cheiro da morte e o cheiro da vida
    Por Edmar Macedo*

    Naquela tarde de 11 de dezembro de 1992, no Teatro Guaíra, no centro de Curitiba, eram diplomados os vereadores da cidade. Aquela eleição tinha sido marcada pelas denúncias (com gravação de imagens inclusive) de que uma parte dos vereadores (o chamado “grupo pró-cidade”) teria sido financiada pela máfia do transporte coletivo. Pois bem, com denúncia e tudo, a maioria deles foi eleita.
    Naquela tarde da diplomação lá estavam representantes de vários movimentos sociais, militantes de partidos de esquerda. Quando subiam ao palco os acusados de receber a “caixinha” do transporte coletivo, lá estava a maré de vaias e apupos. Até que um dos líderes da quadrilha, digo, do “grupo pró-cidade”, fica irritado com aquilo tudo e, acompanhado de seguranças, se mete no meio da plateia distribuindo sopapos. Quem se junta a ele, com uma tropa maior ainda de seguranças particulares, é o empreiteiro e grileiro de terras Cecílio do Rego Almeida. A pancadaria foi generalizada; apanharam todos: jovens, mulheres, líderes comunitários, membros das pastorais sociais da Igreja e quem mais estivesse pela frente.
    Já na saída, os seguranças de Cecilio cercam um militante do PT, Oscar Fachini. Apanhou muito, do próprio Cecílio, que gritava histérico que ia “matar esses comunistas”. O então vereador Angelo Vanhoni era um dos que tentavam defender os manifestantes daquelas bandos de seguranças. E não acabou aí. Todos foram para a delegacia (antes passaram no hospital) prestar queixa contra os que haviam promovido aquela selvageria. No caminho entre a delegacia e o IML para os exames de praxe, Cafu, militante da APP-Sindicato e do PT, e mais uns são cercados pelo próprio Cecílio e seus seguranças, que agora não espancavam, mas ameaçam de morte se houvesse o prosseguimento da queixa.
    Terminada a noite, estávamos todos exaustos, amedrontados, mas com um sentido de dever cumprido. Afinal estava tudo mais ou menos no seu lugar: nós protestávamos contra a corrupção e a máfia que dominava a política da cidade. Cumpríamos nosso papel de militantes do maior partido de esquerda brasileiro, o PT. E a direita raivosa e truculenta reagira com violência digna do fascismo. Mas estava tudo mais ou menos dentro do esperado.
    O que não era esperado é que depois daquilo o PT, partido que capitaneava aquele sentimento de protesto, fosse se integrando cada vez mais à ordem, fosse se transformando paulatinamente em um sustentáculo desta mesma ordem e por fim morresse como partido operário capaz de fazer mudar esta ordem de coisas. Mas, enfim, morreu.
    E como todo corpo morto e insepulto, o PT exala cada vez pior cheiro. Todas as barbaridades cometidas nestes anos de governo federal, com Sarney’s, Collor’s, Renan’s, Osmar’s e Fruet’s, e seus séquitos sedentos por cargos e benesses à custa do povo, seja em Brasília ou em Curitiba. Reforma da Previdência e caixa dois. As elites satisfeitas. O povo anestesiado, é bem verdade. Mas ainda assim o defunto cheira mal… A mais recente golfada deste cheiro de morte foi quando, recentemente, o deputado federal André Vargas do PT resolveu dar o nome de Cecílio do Rego Almeida a uma rodovia. O Oscar Fachini, que faleceu anos depois em uma emboscada no interior do estado, onde estava morando (provavelmente por conta de sua atuação junto aos movimentos sociais) não é nome de nada, nem de rua. Apanhou naquela tarde do Cecílio, e sua camiseta que tinha o símbolo do PT desenhado na frente ficou manchada de sangue.
    Estive no velório do Oscar. Tinha uma bandeira do PT no seu caixão. Queria muito o Oscar aqui ainda, entre nós. Mas nem imagino o desgosto dele ao sentir o cheiro de podre que exala o PT que ele tanto defendeu.
    Talvez fizesse como eu, saísse à rua para um ar melhor. Hoje me filio ao PSOL. Quero o cheiro da vida!

    *Edmar Macedo foi membro do Diretório Municipal do PT-Curitiba. Militou neste partido de 1989 a 2012. Foi diretor de várias entidades estudantis, entre elas a UBES e a UPE. Foi sindicalista e chefe de gabinete parlamentar. É formado em História e mestre em Sociologia. Hoje é técnico-administrativo em educação da UFPR. E agora é militante do PSOL!

  12. Confirma aí
    segunda-feira, 1 de abril de 2013 – 7:41 hs

    A verdade para André Vargas:
    http://claudiawas.blogspot.com.br/2013/03/cecilio-do-rego-almeida-esclarece-quem.html

  13. Micropolítico polinésio
    terça-feira, 23 de abril de 2013 – 14:03 hs

    Aí vai a execução de sentença contra o homenageado

    http://terradedireitos.org.br/biblioteca/noticias/mpf-pede-execucao-de-sentenca-que-cancelou-a-maior-grilagem-do-mundo/

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*