MP denuncia oito por mortes suspeitas em UTI | Fábio Campana

MP denuncia oito por mortes suspeitas em UTI

De Estelita Hass Carazzai, Folha de S.Paulo:

O Ministério Público do Paraná denunciou oito pessoas na tarde desta segunda-feira (11) sob a acusação de anteciparem mortes de pacientes para liberar leitos na UTI do Hospital Evangélico de Curitiba.

Entre os acusados, quatro há médicos, três enfermeiros e um fisioterapeuta. Seis deles devem responder pelo crime de homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem chance de defesa, e formação de quadrilha. Outros dois devem responder apenas pelo crime de formação de quadrilha.

Virgínia Soares de Souza, que chefiava a UTI do Evangélico, foi denunciada sob acusação de ter antecipado sete mortes. Ela está presa desde o dia 19 de fevereiro e nega os crimes.

Ainda não há informações sobre os demais acusados. Na denúncia, o Ministério Público os descreve como “possuidores do poder de decretar o momento da morte”.

Ainda segundo o MP, medicamentos foram ministrados mesmo quando não havia justificativa terapêutica registrada no prontuário.

INVESTIGAÇÕES

Ontem, a médica Virgínia Soares de Souza, 56, defendeu-se das acusações por meio de uma gravação divulgada no “Fantástico”, da TV Globo.

“Nunca fui negligente, nunca fui imprudente, nunca tive uma infração ética registrada e exerci a medicina de forma consciente, correta. Não sou Deus. não sou perfeita, erros podem ter acontecido, jamais de forma intencional”, afirmou.

O inquérito policial se baseia em denúncias de ex-funcionários e escutas telefônicas em que a médica afirma, entre outras coisas, que quer “desentulhar” a UTI e fala em “desligar” pacientes.


12 comentários

  1. Pedro
    segunda-feira, 11 de março de 2013 – 19:35 hs

    Parabéns ao MP por essa denuncia, esse advogadinho ta só querendo tumultuar esse processo sem fundamentos quer acusar a policia e o MP que estão errados. Quem faz nesse mundo tem que pagar senão pagar agora pode ter certeza que ira pagar um dia e irao encontar o IVO lá no céu. Que Deus o tenha.

  2. E O SÃO VICENTE QUE NEGOU....
    segunda-feira, 11 de março de 2013 – 21:15 hs

    Já fui salvo no São Vicente uma vez.
    Era um bom hospital
    Mas depois que NEGARAM atendimento ao Saul eu me pergunto o que faz tanta FUNDAÇÃO ligada à aquela instituição?
    Quem dirigi as tais FUNDAÇÕES e quanto de DINHEIRO passa por elas.
    O HOSPITAL DEVERIA TORNAR TUDO PÚBLICO pelo bem dos bons profissionais de área médica que lá trabalham e dos pacientes.

  3. Ana
    segunda-feira, 11 de março de 2013 – 23:37 hs

    ENGRAÇADO, NINGUÉM DIZ QUE A DR° VIRGÍNIA QUE ASSINOU O PRONTUÁRIO MÉDICO DO SENHOR CARLI FILHO, DIZENDO QUE ELE ESTAVA ALCOOLIZADO! COINCIDÊNCIA? NÃO

    E o que mais me prova que isso é armação, pq esta sendo investigado há 1 ano e SÓ AGORA VAMOS PRENDER?????

    Quem é o advogado dela? O mesmo que acusa Carli filho

    PENSEM, NÃO SEJAM MANIPULADOS POR ESSA MÍDIA PARANAENSE

  4. Marcos Souza
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 6:11 hs

    Sra. Ana que vergonha vc falar isso, por que vc não deixa sua mãe ou seu pai nas mãos dela pra ser tratada, duvido que vc deixaria, as gravações são contundentes ela e o medico falaram claramente por telefone que não gostaram do Ivo e ele pagou com a vida dele.

  5. Filipe Neto
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 6:13 hs

    Com a denuncia do MP, o Advogado de defesa da Medica, que matou mais que a PM e PC de todo Brasil, agora tem como alvo o MP, logo o alvo será o Judiciário e, quando a assassina for a Júri Popular, o Advogado ira apontar seu arsenal contra o povo, será que vai ter fôlego, acorda Dr, vc ta indo na contra mão, adote outra linha!

  6. indominado
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 9:38 hs

    parabéns a ministério duplico.

    .

  7. Analista de Bagé
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 9:49 hs

    Ninguém, entre aqueles de bom senso “jurídico” (mesmo não sendo especificamente da área), esperava conduta diferente do Ministério Público Paranaense.

    Minha esperança, além de acompanhar atentamente o deslinde deste caso, é que ” choramingos midiáticos “, que parecem estar virando moda com algumas figuras conhecidas em Curitiba, parem totalmente.

    O tabuleiro de xadrez jurisdicional tem regras e peças próprias. A batalha está travada.

    Nunca se imaginou, no cenário mais negativo possível da saúde pública em Curitiba, que se encontrariam profissionais de saúde suspeitos de tamanhas atrocidades…com tamanha “desenvoltura” para lidar com a interrupção da vida de seus pacientes, como se estivessem tratando da “poda de ervas daninhas” no “jardim da vida”…

    Não vai ser eventual tentativa de ridicularizar uma das mais antigas instituições do Estado do Paraná, que alguém vai adquirir alguma vantagem no caso. Pelo contrário… Neste campo midiático do “diz que diz”, “língua solta” é a inimiga da credibilidade…

    Não será algum provável uso de influência no “mercado jurídico, da saúde ou da política” para gerar matérias que compararem este caso ao da Escola Base, que esta “estratégia minimalista” irá ganhar ” SOBREVIDA ” nos tribunais…

    Talvez uma boa discussão, entre especialistas médicos obviamente, seria a avaliação de cada caso, se cada paciente já estaria numa condição de “SOBREVIDA” com ajuda dos aparelhos e medicação, antes dos procedimentos alegados pelos réus, da “suspensão das medidas de suporte”…

    Lendo nas entrelinhas, as defesas dos profissionais de saúde acusados neste caso parecem querer prevalecer a opinião de médicos intensivistas em pareceres sobre as condutas dos réus… Uma faca de dois gumes… Seriam eles “coorporativistas” a ponto de “maquiar suavemente” os eventuais crimes bárbaros cometidos pelos acusados?

    Ainda continuo achando que, como no caso da Boate Kiss, deveríamos exigir das autoridades inspeção detalhada nas demais UTIs do Estado, buscando avaliar as condições atuais e estabelecer procedimentos que impeçam a criminalidade a tal ponto de que tais condutas descritas pela investigação e pela denúncia neste caso possam perdurar por tanto tempo sem que fossem denunciadas ou notadas por algum controle externo.

  8. Cleópatra
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 12:27 hs

    Parabéns ao MP e a Polícia Civil. Ana, porque vc não pega a médica e leva pra sua casa, já que tá com dó!!!e esse advogado está perdendo o prestígio, já que vc citou e disse que a médica atestou o teor alcóolico no caso do Carli Filho já justifica o porque do advogado defende ela dessa forma, ela é testemunha de acusação de outro caso polêmico o qual o advogado não quer perder. Teoria da Conspiração.

  9. marcelo
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 13:13 hs

    Sra ana, importante esse informação, ás vesperas do julgamento do deputado ,surge toda essa investigação contra uma testemunha de acusação do deputado…….

  10. ernesto
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 13:39 hs

    A Mídia já julgou, condenou e executou a médica no caso da UTI do Hospital Evangélico de Curitiba, assim como fez no caso da Escola Base em São Paulo.
    Já vi o MP fazer inúmeras lambanças e depois os acusados, mesmo inocentes, não tem a quem recorrer.

    Ninguém consegue esperar o fim das investigações e a devida instrução do processo.

  11. Lori
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 14:40 hs

    menos seu Filipe Neto, não dá confiar em tudo o que a imprensa “diz”.

    Se fosse na época da Escola Base vc já estaria blasfemando, pedindo pena de morte para os acusados inocentes

  12. cesar - eu mesmo
    terça-feira, 12 de março de 2013 – 16:55 hs

    Uma perguntinha, quantos morrem por falta de atendimento dos médicos dos dedos de cilicones em Ferraz de Vasconcelos. Mais triste é ver uma jovem, com tudo pela frente, e com a desculpa, ou fazia ou era demitida. Oras tantos municipios precisando de Médicos.
    Quanto a este caso em especial, creio que tem muito angu….gente realmente que só pensa em vigança.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*