Médica acusada de matar pacientes em UTI se apresenta à Justiça | Fábio Campana

Médica acusada de matar pacientes em UTI se apresenta à Justiça

Do G1 PR:

A médica Virgínia Soares de Souza, acusada pelo Ministério Público (MP) de ter antecipado as mortes de pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico de Curitibax, se apresentou à Justiça na tarde desta quarta-feira (27). Apesar de ter recebido o direito de responder ao processo em liberdade, mensalmente ela deverá ir até a 2ª Vara do Tribunal do Júri da capital paranaense, para se apresentar ao juiz.

Virgínia chegou ao prédio em um carro e foi recebida pelo advogado de defesa, Elias Mattar Assad. Ela não conversou com a imprensa. Na saída, Assad comentou brevemente a ida da médica até o Fórum. “Nós acabamos de apresentar a doutora Virgínia, aqui na 2ª Vara do Júri. É uma obrigação imposta a ela pelo próprio juiz, de se apresentar periodicamente. Então, está se apresentando e está voltando para exercitar o seu direito de responder em liberdade”, disse.

As imagens da ida de Virgínia ao Fórum foram cedidas pelo escritório do advogado dela.
Em nota, Assad afirmou ainda que a decisão de antecipar a ida de Virgínia ao Fórum se deu em função do feriado de Páscoa, já que o Judiciário paranaense entrará em recesso a partir de quinta-feira (28).


6 comentários

  1. antonio jose
    quarta-feira, 27 de março de 2013 – 18:58 hs

    Esse advogado não perde a chance de aparecer ( juntamente com aquele papagaio de pirata ao fundo), se a imprensa não está lá para filma-lo, ele mesmo cede as gravações como foi o caso.

  2. Carlos
    quinta-feira, 28 de março de 2013 – 1:06 hs

    O dr Pavão irrita muito

  3. Observador
    quinta-feira, 28 de março de 2013 – 7:06 hs

    Acredito na culpabilidade dela e alguns ex-colegas, ex-auxiliares e ex-diretores do hospital. Tenho convicção de que serão condenados.

    Agora, voltar para a prisão apenas para satisfazer a mídia e a opinião pública, sendo que não representa risco à coleta de novas provas, não tem nenhum contato com testemunhas de acusação, está comparecendo a todos os atos do processo… É muito diferente de ser presa em razão de futura condenação com trânsito em julgado.

    Existe um hábito perverso de que a prisão temporária e a preventiva “acalmam” a sociedade, “restabelecem” a confiança no Judiciário, quando na verdade este “costume carcereiro” se trata de pura e odiosa antecipação de pena condenatória, impossível de encontrar respaldo em uma Constituição Cidadã… E mesmo assim esta “praxe” é colocada em prática diuturnamente na maioria dos processos penais…

    Pelo que li sobre este caso, não tenho dúvidas da reponsabilidade da médica e de terceiros envolvidos.

    Porém, mesmo que um Juiz tenha certeza, em seu íntimo, da futura condenação dos réus pelo Júri, em nada é permissível recolher ao cárcere réus que ainda tem direito à defesa e recursos.

    Pergunto: porque ainda existe esta “consciência” da prisão como regra e a liberdade como exceção, grandes motivadores da superlotação carcerária e da ampliação de “mão de obra” e por conseguinte do poderio das facções do crime organizado?

    Ora se determinado réu não for primário, aí sim que se aplique preventivamente, antes do trânsito em julgado, as mazelas do sistema prisional para aquele reincidente que não aprendeu na primeira e única oportunidade libertária!

  4. GRANDE MESTRE...
    quinta-feira, 28 de março de 2013 – 14:33 hs

    Mantenham esse ser exdrúxulo na jaula….

  5. Luciano
    quinta-feira, 28 de março de 2013 – 14:39 hs

    Se fosse pobre estaria morrendo na cadeia, mas como tem dinheiro vai responder em liberdade, depois tem gente que fala que nossa justiça é igual para todos! Vergonha. Pelas acusações que tem contra ela deveria sim responder dentro da cadeia.

  6. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 28 de março de 2013 – 15:47 hs

    Acusada de Matar é um bom título de filme e um excelente cacófato.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*