Maduro agradece boa vontade da oposição e pede união na Venezuela | Fábio Campana

Maduro agradece boa vontade da oposição e pede união na Venezuela

Em comunicado, Capriles lamenta morte de Chávez e diz que presidente era adversário e não inimigo.

Do Estadão:

CARACAS – O vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, elogiou na madrugada desta quarta-feira, 6, a “boa vontade” da oposição venezuelana diante da morte do presidente Hugo Chávez, que não resistiu a dois anos de luta contra um câncer, na tarde de ontem.

“Acolhemos sus expressões respeitosas de condolência e as respondemos com boa vontade”, disse Maduro, na Telesur, sobre e o comunicado da coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD), lido pelo governador de Miranda, Henrique Capriles, o principal líder antichavista. “Espero que essas expressões se mantenham para que nossa Venezuela possa transitar por esses dias tão difíceis.”

“Sempre fomos adversários do presidente Chávez, nunca enemigos. Essa é uma mensagem de respeito e solidariedade a todos os venezuelanos, sem discriminações ou exceções”, disse Capriles. “Esperamos que o povo venezuelano esteja a altura das circunstância. Os líderes da oposição assumem o compromisso de estender a mão às autoridades do governo e esperam que ele atue no estrito apego às regras constitucionais.”

Maduro e Capriles devem disputar uma nova eleição em 30 dias para definir o novo presidente do país. Em outubro, o governador foi derrotado por Chávez nas eleições presidenciais. Na ocasião, teve 45% dos votos. /EFE


4 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 6 de março de 2013 – 11:59 hs

    Maduro parece uma mistura do seu Barriga com o professor Girafales. Afinal, são todos participantes do programa Chaves.

  2. "Vá chafurdar no lixo"
    quarta-feira, 6 de março de 2013 – 12:44 hs

    Da mesma forma que lutou para ver sua pátria livre de governos saqueadores, que a destinavam a uma realidade de elites enriquecidas pelo petróleo e uma população majoritariamente miserável, o comandante Chávez enfrentou a doença para continuar a liderar seu povo.

    Seu legado e o recado de que é possível acreditar num mundo justo e igualitário permanecem. Certamente, a América Latina que queremos, socialista, solidária, integrada, não avançaria como avançou nos últimos anos não fosse a contribuição do homem que sempre teve como referência Simón Bolívar, responsável por expulsar os espanhóis da Venezuela.

    Em seu governo, Chávez demonstrou que é possível crescer combatendo a miséria e privilegiando o povo: os venezuelanos abaixo da linha da pobreza eram quase metade da população e passaram para 27,8% durante seu governo. A taxa de mortalidade infantil diminuiu de 27 por mil para 14 por mil. O acesso à água potável subiu de 80% a 92% da população e o consumo de alimentos cresceu 170%.

    A taxa de escolaridade cresceu de 40% para 60% e, de acordo com a Unesco, o país também ficou livre do analfabetismo.

    Como em qualquer revolução, o comandante bolivariano colecionou desafetos conservadores, especialmente a velha mídia, inclusive brasileira, que sempre o considerava um ditador. Os meios de comunicação não citavam, contudo, que Chávez participou de 14 eleições e referendos, saindo vencedor em todas elas.

    A última, em outubro de 2012, com 54,42% dos votos. Mas, dessa vez, o líder bolivariano sequer pode ascender ao cargo que ocupava desde 1999 e assumiria pela terceira vez.

    A morte de Hugo Chávez nos deixa mais carentes de líderes que sonham e praticam o que pregam. Acreditamos, porém, que sua jornada inspirará muitos outros sonhadores.

    Obrigado, comandante!

    “Por Cristo, o maior socialista da história, por todos os feridos, por todo o amor, por todas as esperanças que serão realizadas por essa maravilhosa Constituição, mesmo que custe minha vida. Pátria, socialismo ou morte!” (Chávez, ao iniciar novo mandato presidencial, em 2007)

  3. Gardel
    quarta-feira, 6 de março de 2013 – 13:15 hs

    Marionete do chaves, fazia parte da massa de manobra do ditador.

  4. Parreiras Rodrigues
    quarta-feira, 6 de março de 2013 – 18:49 hs

    Maduro disse ontem ainda logo após a oficializaçao da morte de HC que agentes imperialistas inocularam nele o câncer que o vitimou. Eita pêga….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*