Lamentável truculência | Fábio Campana

Lamentável truculência

Editorial de O Estado de S. Paulo

É profundamente lamentável que, por causa de um temperamento muitas vezes descontrolado, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, coloque em risco a admiração e a credibilidade que conquistou – não apenas para si, mas, com a colaboração de seus pares, principalmente para o Poder republicano que hoje comanda – por ocasião do histórico julgamento da Ação Penal 470, que, ao mandar para a cadeia uma quadrilha de criminosos de colarinho-branco, sinalizou o fim da impunidade para os poderosos da política brasileira.

Joaquim Barbosa, cuja história de vida é um exemplo e um estímulo para todos os seus compatriotas, está hoje empenhado, na presidência do STF e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), numa luta muito mais ampla e renhida do que a que enfrentou no julgamento do mensalão, que teve a espinhosa responsabilidade de relatar. Profundo conhecedor das mazelas da Justiça brasileira, Barbosa está firmemente determinado a dar a contribuição de seus mandatos à frente do STF e do CNJ para que o aparato Judiciário se torne verdadeiramente capaz de fazer justiça a partir do princípio fundamental de que todos os cidadãos são iguais perante a lei.

Contudo, diante do peso do desafio que se coloca diante do ministro, as reiteradas manifestações de descontrole emocional de Barbosa tornam-se muito preocupantes. Já durante o julgamento do mensalão, transmitido ao vivo e acompanhado por um enorme contingente de brasileiros, em várias ocasiões o então ministro relator tratou com impaciência e descortesia os pares que se opunham a suas ponderações. Mais de uma vez, viu-se obrigado a se desculpar. E a maior parte do público sempre assimilou esses deslizes com alguma tolerância, até porque era testemunha do padecimento físico que um problema crônico de coluna impunha ao ministro.


9 comentários

  1. carlosrochapedracc
    sexta-feira, 8 de março de 2013 – 21:16 hs

    Todos raconhcemos que é fundamental a liberdade da imprensa, mas o vemos hoje é uma imprensa agressiva nameneira como aborda o entrevistado e isso tem que acabar.

  2. cesar - umuarama
    sexta-feira, 8 de março de 2013 – 22:08 hs

    Em breve, diria os Tupis, teremos topogigio…ou….

  3. Helena
    sexta-feira, 8 de março de 2013 – 22:10 hs

    Édo feitio do pt, a “esperteza ” pois, esse projeto também foi do PSDB aprovado no ano passado pelo Congresso Nacional e vetado pela Dilma, agora já sabemos o porquê do veto, “sequestraram a criança” e adotaram-na porque ela é linda e vai dar “lucros” em 2014…

  4. Antonio Carlos
    sexta-feira, 8 de março de 2013 – 22:15 hs

    Não acredito em salvador da patria. Ele chegou onde chegou aproveitando-se das mazelas do poder.
    Ninguém cospe no prato em que comeu. É um enganador, um Lula do Judiciario. Como falava Lincoln “…alguém pode enganar poucos por muito tempo, muitos por pouco tempo, mas não todos por todo o tempo..”

  5. VISIONÁRIO
    sábado, 9 de março de 2013 – 5:23 hs

    O que temos que entender é que perfeito É SÓ DEUS…
    Apesar deste pequeno deslize é um cidadão brasileiro que faz acon-
    tecer. Fim de papo !!!

  6. Parreiras Rodrigues
    sábado, 9 de março de 2013 – 8:53 hs

    Mas que caca, hein? Aforante a atuação do ministro Joaquim Barbosa no caso Mensalão, o homem é mesmo meio complicado.

    Poderia, como se diz, aposentar-se gozando da gratidão, admiração e respeito da grande maioria da população.

    Poderia, o Padilha, ir prá casa, onde o espera linda jovenzinha para massagear-lhe as costas.

  7. Luiz Simões
    sábado, 9 de março de 2013 – 9:33 hs

    Acho sinceramente que as vezes a imprensa peca pela insistência e sensacionalismo.

    Temos que levar em consideração que todos temos nossos dias bons e dias ruins, principalmente em se tratando e uma pessoa que padece de problemas físicos horrorosos que é a coluna, quem tem sabe das dificuldades e das dores que isso provoca.

    Portanto, não se pode tirar conclusões apressadas como faz o editorial. Como em toda profissão há profissionais bons e outros que não sabem esperar o momento certo para fazer perguntas, principalmente em se tratando de um Ministro da Corte Máxima do país.

  8. PLUTÃO
    sábado, 9 de março de 2013 – 17:19 hs

    Agora ninguem pode ficar de saco cheio. O que tem de jornalista pentelho, ninguem fala.

  9. salete cesconeto de arruda
    sábado, 9 de março de 2013 – 20:22 hs

    Só?
    Pensei que ia MOVER PROCESSO CRIMINAL?
    Afinal: ATACAR JORNALISTAS daquele forma não é CRIME e incentivo à morte de jornalistas?
    Se Joaquim pode…
    Na verdade o Joaquim só perdeu a primeiro máscara. Aquela feita pelo tal instituto milleniunzinho da multidinha.
    A globo vendo o velório de Chaves deve ter entendido finalmente que a passeata do 31 de julho só junta par ao chopp uma multidinha mesmo. Como diz o Paulo do Conversa.
    Mas voltando ao Estadão que se não MOVER PROCESSO vira estadinho e perde tudo o que conquistou na mídia…. fica a impressão de que amarelou diante do Joaquim raivoso!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*