As estatais não têm jeito | Fábio Campana

As estatais não têm jeito

De Carlos Alberto Sardenberg, O Globo:

Não é por nada, não, mas se a gente pensar seriamente na história recente da Petrobras, sem paixões e sem provocações, vai acabar caindo na hipótese maldita, a privatização.

A estatal teve bons momentos, colecionou êxitos, acumulou tecnologias e formou quadros. Mas, sempre que isso aconteceu, não foi porque se tratava de uma estatal. A companhia foi bem sempre que agiu como petrolífera, digamos, normal, quase independente.

Já quando foi mal, como vai hoje, a causa é evidente: a condição de estatal.

Radicalizando, poderia se dizer que, quando a Petrobras funciona, consegue isso apesar de ser estatal. Mas todos sabemos que há petrolíferas estatais muito bem-sucedidas pelo mundo afora.

Como também há outras simplesmente desastrosas, e, como a própria Petrobras alternou períodos positivos e negativos, a questão é: como uma estatal pode fracassar?

A resposta está diante de nossos olhos. Trata-se do pecado mortal da politização, que se manifesta de duas maneiras complementares: a nomeação de diretores e chefes não por sua competência e sua história na empresa, mas pela filiação política ou sindical; e a definição dos objetivos e meios da empresa não por análises econômicas, e sim pela vontade dos governantes e das forças políticas no poder.

Não é preciso pesquisar nada para se verificar que a Petrobras caiu nesses dois buracos nos governos Lula e Dilma. A disputa pelos diversos cargos da companhia tornou-se pública, com os partidos e grupos reclamando abertamente as posições de que se julgavam merecedores. Lula, em entrevista formal, contou o quanto interferiu no comando da estatal, levando-a a ampliar projetos de investimentos claramente incompatíveis com as possibilidades da empresa e as condições do mercado.

Foi a atual presidente da Petrobras, Graça Foster, quem admitiu o irrealismo daqueles planos. E também o ex-presidente da Agência Nacional de Petróleo, Haroldo Lima, reconheceu que a vontade de Lula prevaleceu sobre os argumentos técnicos na definição das regras para a exploração do pré-sal.


17 comentários

  1. Silvajr
    quinta-feira, 14 de março de 2013 – 23:50 hs

    Esse não tem jeito mesmo, fazendo lobby pela,privatização, na Argentina o governo neoliberal do Menen privatizouna YPF e a empresa,privatizada nao investiu um mísero níquel em exploração, não investiu em pesquisa, aumentou o preço da gasosa e sucateou a empresa. É isso o que o neoliberal do Sardenberg quer, saudades do FHC que quase vendeu a empresa, por isso o povo expulsou os tucanos do governo. Agora tentam voltarbpregando a mesma ladainha, vão perder mais uma, pois nao,pensam no povo, só pensam nos endinheirados acionistas. Obrigado Sardenberg!

  2. valdir bassai
    quinta-feira, 14 de março de 2013 – 23:50 hs

    Não vejo a hora de privatizarem a Petrobras. Pode até não privatizar mais teria q

  3. valdir bassai
    quinta-feira, 14 de março de 2013 – 23:55 hs

    Não vejo a hora de privatizarem a Petrobras. Pode até não privatizar mais teria que abrir a exploração e refino para outras companhias.
    Uma empresa do porte da Petrobras apresentar um lucro de pouco mais de 20 bilhões/2012 é uma vergonha, ja que ela mantem o monopólio
    quase que total de todos os derivados produzidos e comercializados no Brasil.

    A Petrobrás só é boa a seus funcionários, porque nós consumidores não temos nenhum benefício.

  4. Vigilante do Portão
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 2:37 hs

    Enquanto isso,

    A REDE GLOBO ESCONDE o escândalo da compra da Refinaria nos EUA.

    Claro,

    A Petrobras patrocina o Campenato de Futebol e a Fórmula 1.

  5. Luiz Carlos
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 7:56 hs

    É o retrato em preto e branco da SERCOMTEL, empresa de telefonia de Londrina….

  6. Gilmar
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 8:06 hs

    E o cara diz “sem paixões”, só queria saber o quento ele esta levando pra escrever esse texto privatista…

  7. Antonio Carlos
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 8:14 hs

    O Sardenberg é mais um chacrinha da economia como tantos outros.
    Pensa que entende de alguma coisa.
    Não entende que a vantagem da petrobras ser estatal reside no fato dela ser agente economico-politico,ou seja ela age politicamente quando necessário.
    Muitas vezes ela deve atuar de forma a não somente visar o lucro,caso das empresas privadas.
    Não por outro motivo ela não subiu a gasolina por tanto tempo.
    Se fosse privada,ela teria subido seus preços no mesmo instante que o petróleo saltou de patamar no exterio no mercado spot.
    Ele esqaueceu de dizer nesse corolário de imbecilidades que redigiu,que com Lula e Dilma a empresa multiplicou de valor 10 vezes em relação ao governo FHC , que dava-se por satisfeito por entraga-la por míseros R$12 bilhões.
    Hoje se ela perde 25% bilhões de valor na bolsa,já pode-se até dar risada.
    Só perde e valoriza quem pode.Muitos sabemos que bolsa é jogo,nada tem de relação com o valor real da companhia.
    O resto é a turma que está desepareda e tenta a todo momento achar crises e escândalos.
    O povo votará na Dilma pq sua parte mas sensível do corpo(O bolso) ,manda faze-lo.
    De resto esses chacrinhas economicos que proliferam nos jornalões apenas vociferam vontades políticas e de verdade ,deverdade, els pensam que pensam.

  8. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 8:19 hs

    Usada na campanha, Lula e Dilma, useiros dos macacões, capacetes e mãos sujas de óleo e dê-lhe decantar um Brasil auto-suficiente (?) do petróleo e do milagre do pré-sal. (eu, hein?.

    E agora, o povo quer saber do rolo da compra da destilaria de Pasadena – Texas. A diferença da compra e venda de 42,5 milhões de dólares para 1.2 bi deve ter lotado algumas contas em alguns paraísos fiscais. (eu, hein? II )

  9. Fui II
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 8:54 hs

    A regra é clara, não temos mais Petrobras, temos PTbras

  10. Confiança no Brasil
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 9:11 hs

    Taí o óbvio. Coerente análise. Pública ou Privada não importa, desde que tenha gestores competentes. O PT carece de profissionais….ele tem bastante políticos…por isso esse desastre.

  11. OCIMAR
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 9:16 hs

    SE TIVESSEM PRIVATIZADO,HOJE ELA SERIA A MAIOR DO MUNDO,VEJAM O CASO DA VALE DO RIO DOCE,ERA A SÉTIMA HOJE É A SEGUNDA MAIOR MINERADORA DO PLANETA,VIVA AS PRIVATIZAÇÕES,VIVA FHC,O GÊNIO,FORA CORRÚ–PT–OS.

  12. QUESTIONADOR
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 9:32 hs

    -O ex-presidente molusco acabou com a primeira missão da Petrobrás que é a exploração de petróleo e derivados e sua comercializão ao indicar a “nata” do partido para comandar uma empresa estratégica na área crucial e importante como a da energia de um país.
    -Resumo da ópera, não há as mínimas condições para que os funcionários de carreira desenvolvam um trabalho competente sem a interferência de políticos apedeutas e irresponsáveis!!!
    -A Petrobrás e outras estatais, assim como boa parte dos órgãos públicos federais viraram um cabide de empregos para os afiliados do PT, tornando a máquina pública “engessada” e politizada ao extremo!

  13. Constanza Del Piero
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 11:30 hs

    O petê é um desastre! – É um Midas às avessas. Onde o petê enfia suas mãos imundas, só sai desgraça.
    A petezada conseguiu quebrar uma das cinco empresas mais sólidas do mundo, da história, cobrando o comustível mais caro do mundo.
    O petê é um erro, pelo qual pagaremos muito caro, e muito em breve!.

  14. Cajucy Cajuman
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 13:01 hs

    A Petrobras caiu no fosso da corrupção, dos desmandos e do peleguismo petista. Deu no que deu. Vai de mal a pior. Uma empresa com cincoenta anos está sendo destruída em dez…

  15. João
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 15:31 hs

    A Petrobrás, assim como algumas outras estatais pelo Brasil afora, tiveram um papel importantíssimo no desenvolvimento do país, num momento em que faltou a iniciativa privada. Enquanto foram geridas por técnicos escolhidos por sua competência cresceram e chegaram a patamares comparáveis às melhores empresas do mundo.
    Entretanto quando o olho grande dos políticos, atrás de conchavos e empregos de apaniguados, começou a tomar conta das mesmas o desastre está delineado. Alguém falou que enquanto o petróleo subia a nivel mundial subia o “governo” não repassou os aumentos. Manobra política para segurar artificialmente a inflação e assim manter cativos os eleitgores. Pois estive no Canadá entre outubro de 2012 e janeiro de 2013. Nos postos a gasolina baixou, nesse período de CAN 1,43 para CAN 1,28 fruto da variação do preço internacional do petróleo. No Brasil subiu…

  16. TROLL
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 16:07 hs

    O Estado empresário é trágico! Não há como negar.
    Em vez dos xenófobos ficarem vomitando velhas teorias,talvez gastassem melhor seu tempo cobrando do Estado a competência de bem legislar, bem regulamentar e fiscalizar com firmeza e excelência a passagem do bastão
    Aliás, o governo dos PTralhas está neste caminho não é?( aeroportos, estradas etc…)
    Vamos ver se cobrem todo o espectro com competência!( coisa que nem o governo da Tucanalha conseguiu).
    Até lá, o Estado empresário será sinônimo de incompetência, de sinecuras e o maior cabidão de emprego e interesses “nunca dantes” visto neste País.
    E todos , inclusive os xenófobos, pagando a conta ( uns rindo e outros chorando).

  17. salete cesconento de arruda
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 21:04 hs

    Rsrsrsrsrs
    Essa PETROBRAX dos tucanos vai ser a bala de prata?
    Coitados!
    Tiro no pé até de quem aluga barriga?
    Pois é.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*