Produção industrial cai 2,7% em 2012 e tem pior resultado desde 2009 | Fábio Campana

Produção industrial cai 2,7% em 2012 e tem pior resultado desde 2009

De Pedro Soares, Folha de S.Paulo:

Afetada pela crise externa e a consequente dificuldade em exportar seus produtos e a redução dos investimentos diante do cenário turbulento, a indústria brasileira fechou o ano de 2012 com queda de produção de 2,7%, a maior retração desde 2009, quando recuou 7,4%. Em 2011, o setor havia registrado expansão de 0,3%.

Em 2009, o país ainda vivia sob os efeitos da crise global detonada em 2008 com os problemas das hipotecas nos EUA e a quebra de instituições financeiras. Em 2010, a economia se recuperou na esteira de medidas de expansão de crédito e desonerações tributárias, o que fez a indústria crescer 10,5%.

A indústria teve um fraco desempenho no ano passado apesar das medidas de estímulo do governo, como desoneração de IPI para veículos e máquinas e equipamento e da folha de pagamento para ramos como calçados e vestuário.

Para André Macedo, técnico do IBGE, a indústria teve um “perfil bastante disseminado de queda, com todas as categorias e a maioria dos setores” em retração.

Entre os fatores que puxaram a indústria para baixo, o economista citou o maior comprometimento da renda das famílias inclusive para o pagamento de dívidas, a inadimplência alta, a entrada de produtos importados (muitos vindos com baixos preços de países europeus em crise) e a confiança menor de empresários.

Segundo Macedo, os estoques elevados também inibiram a produção, mas tal fator se mostrou mais presente no primeiro semestre.

Em 2012, caiu a produção de todas as categorias. Tiveram resultados negativos bens de consumo duráveis (veículos, móveis e eletrodomésticos), com -3,4%, bens intermediários (matérias-primas e insumos para a produção de bens de consumo final), queda de 1,7%, e bens de capital (máquinas e equipamentos), retração de 11,8%. Este último, que sofre a contração mais intensa, sinaliza o ritmo dos investimentos na economia.

A queda menos intensa foi de semi e não duráveis (-0,3%), categoria que inclui roupas, alimentos, farmacêuticos e outros e é mais dependente da renda (que cresceu 4,1% em 2012) e do consumo interno.

No ano passado, os setores com melhores desempenhos foram refino de petróleo e álcool (4,1%), outros produtos químicos (3,4%) e outros equipamentos de transporte (8,5%).

Já os piores resultados ficaram com veículos automotores (-13,5%), material elétrico e equipamento de comunicação (-13,5%), máquinas e equipamentos (-3,6%), alimentos (-2,1%) e máquinas e equipamentos de informática (-13,5%). De todos os setores pesquisados, 17 tiveram queda e apenas dez registraram crescimento no ano.

DEZEMBRO

Em dezembro, a produção industrial ficou estável na comparação livre de influências sazonais com novembro. Em relação a dezembro de 2011, a queda foi de 3,6%.

Os ramos com as altas mais expressivas foram as indústrias extrativas (2,8%), farmacêutica (3,7%), outros equipamentos de transporte (4,2%).

Por seu turno, as quedas de maior peso ficaram com máquinas e equipamentos de informática (-13,1%), máquinas e equipamentos (-4,5%) e veículos (-1%).


Um comentário

  1. Vigilante do Portão
    sábado, 2 de fevereiro de 2013 – 0:35 hs

    E o Mantega é o Ministro da Fazenda.

    Melhor,

    “AINDA” é.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*