O comissariado não toma jeito, por Elio Gaspari | Fábio Campana

O comissariado não toma jeito, por Elio Gaspari

Do Elio Gaspari, O Globo:

O PT tem dois ex-presidentes e um ex-tesoureiro condenados a penas em regime fechado e quer mudar o sistema eleitoral brasileiro para pior. A saber: José Dirceu deve dez anos e dez meses, José Genoino, seis anos e onze meses, e Delúbio Soares, oito anos e onze meses. Todos condenados por corrupção pelo Supremo Tribunal Federal. Todos continuam no partido e Genoino, protegido pelo manto das prerrogativas do Legislativo, ocupa uma cadeira de deputado federal.

Quando o ex-governador Olivio Dutra teve a coragem de dizer que Genoino deveria renunciar, o deputado André Vargas (PT-PR) lembrou que quando ele “passou pelos problemas da CPI do Jogo do Bicho, teve a compreensão de todo mundo”. Pela vontade de seu partido e a compreensão de seus pares, Vargas é o primeiro vice-presidente da Câmara.

Os comissários blindaram-se na defesa de seus companheiros, todos condenados por práticas confessas. É direito deles. Quem esperava um sopro de interesse pela moralidade, perdeu seu tempo. Deu-se o contrário. Na melhor prática petista, decidiram “partir para cima”. Em vez de discutir a conduta de seus dirigentes, querem mudar de assunto.

A proposta vem do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. Ele sugere um “revide”. Levanta de novo a bandeira de uma reforma política que crie o financiamento público para as campanhas eleitorais e estabeleça o voto de lista para a escolha dos deputados e vereadores.

Pelo voto de lista os eleitores perdem o direito de escolher o candidato em quem votam. Pelo sistema atual, um cidadão de São Paulo votou em Delfim Netto e elegeu Michel Temer. É um sistema meio girafa, mas o eleitor sempre poderá lembrar que votou em Delfim.

Pelo voto de lista, os partidos organizam as listas, o cidadão vota na sigla e serão eleitos os primeiros nomes da preferência das caciquias. Se os companheiros do PMDB colocarem Temer em primeiro lugar e Delfim em 20º, não haverá força humana capaz de levá-lo à Câmara. A escolha deixa de ser do eleitor, que a vê transferida para partidos, por cujas direções passaram Genoino, Dirceu, Delúbio. Ou ainda Valdemar Costa Neto, presidente do PL, condenado a sete anos e dez meses de prisão, e Roberto Jefferson, do PTB, com sete anos e catorze dias.

O segundo pilar do “revide” é o financiamento público de campanha. Acaba-se com um sistema no qual os diretores de empresas usam dinheiro dos acionistas para investir em políticos e transfere-se a conta para a patuleia. Nesse sistema, por baixo, a Viúva gastaria R$ 1 bilhão para financiar candidatos.

Todas as maracutaias interpartidárias do mensalão deram-se ludibriando-se leis vigentes. Ganha uma passagem de ida a Cuba quem acredita que esse tipo de financiamento acabará com o caixa dois. Se o PT quer falar sério, pode defender uma drástica limitação das doações de pessoas jurídicas, deixando a Viúva em paz.

A proposta do “revide” é a síntese ideológica e fisiológica da mensalagem. Você paga e eles decidem quem irá para a Câmara. Eles, quem? José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Valdemar Costa Neto e Roberto Jefferson, com um patrimônio de 41 anos e seis meses de cadeia, ou seus dignos sucessores.


6 comentários

  1. Escritor
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 11:45 hs

    O mundo se divide em dois tipos de pessoas
    os idiotas que defendem até corruptos por pura ideologia sadomasoquista, adoram sofrer e se ver envolvidos em escândalos.
    E aqueles que também defendem tudo isos, mas com a diferença que se alimental dele,s as custas da miséria e da corrupção.

    Ah, mas e o terceiro tipo, aqueles que sabem de tudo, denunciam e são contra?

    Bem,, estes estão por um fio, cansados de tantos idiotas, estão querendo mesmo é ficar o mais longe possível da carniça para não se contaminar com o mau cheiro.

    E depois, alguém conhece alguém que ganhou uma briga perdendo tempo discutindo com idiotas? Eles certamente vão ganhar de você por ter mais tempo de estupidez e idiotice em seu currículo…

  2. quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 12:00 hs

    A “familia” defendo os “irmãos”…corruptos ou não…são companheiros…filosofia do PT…

  3. TRABALHADOR
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 12:13 hs

    Que diferença faz qual bandido vai pra câmara? De qualquer maneira quem vai é um bandido; bandido do PT, bandido do PSDB, etc…Pode ser o “Zé Bandido”, “Paulo Bandido”; “Fernando Bandido”, Bandido Genuíno, Bandido Falsificado, Bandido Condenado, Bandido Sem Condenação, etc…O fato é que lá todos fazem parte da mesma família: A FAMÍLIA BANDIDO…E nós o povo, aqui representando a FAMÍLIA TROUXA…

  4. sergio silvestre
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 12:23 hs

    Para se pensar né seu Gaspari.Nós dependemos de formadores de opinião como voces,colunistas e o que aprendemos lendo jornais.
    uando o politico com mais de 40 anos de profisão diz que o pais vai mal,e parte de sua imcompetencia.
    Porisso credito ao distinto,parte de nossas manias,uma delas essa de prender alguns e os mais perigosos deixar a solta.

  5. Carlos Nascimento
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 14:53 hs

    André Vargas: o símbolo do fisiologismo na Câmara Federal. Acima dele, somente Renan Calheiros.

  6. Constanza Del Piero
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 23:57 hs

    O cara que quiser botar ordem nessa casa de tolerância chamada Brasil, é só LIMITAR OS GASTOS DE CAMPANHA!
    O cara quer ser político? – Tem muito grana? e daí? – Ele só vai poder gastar, aquilo que o Zé Arruela também gastar!
    Tipo, limite máximo de R$ 50mil por candidato. Que vá a pé, de porta em, porta, como fazem os honoráveis políticos ingleses.
    Sobre o voto de lista? Essa sacanagem só podia mesmo vir do petê, do Lulla, e desse Tarso Genro, uma das piores coisas existentes nesse país.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*