Médica do Evangélico é indiciada por homicídio qualificado na UTI | Fábio Campana

Médica do Evangélico é indiciada por homicídio qualificado na UTI

Segundo a delegada Paula Brisola, do Nucrisa, a polícia investiga que as mortes ocorridas na UTI do Hospital Evangélico configuram homicídio qualificado (Thais Kaniak/G1).

Da Thais Kaniak, G1 PR:

A delegada do Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Nucrisa) de Curitiba, Paula Brisola, indiciou a médica Virgínia Soares de Souza pelas mortes ocorridas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Evangélico de Curitiba. Para a polícia, se trata de homicídio qualificado, porque as pessoas não tinham chance de se defender.

A médica Virgínia Soares de Souza, que dirigia o setor de UTI do hospital, foi presa na manhã de terça-feira (19) em uma operação que investiga uma série de mortes na UTI do segundo maior hospital da cidade. A médica prestou depoimento na tarde de terça-feira, mas o conteúdo não foi divulgado em virtude do sigilo.

“Se havia consentimento das vítimas ou dos parentes faz parte da investigação. Ainda não está descartado”, explicou a delegada. Ela disse que todas as denúncias serão investigadas, e caso seja constatada a indução à morte com o consentimento dos pacientes ficará configurada a prática de eutanásia. De acordo com o Código Penal Brasileiro, eutanásia se enquadra no artigo 121, homicídio, com pena entre 6 e 20 anos de prisão.

A delegada afirmou que a prisão temporária da médica foi para a segurança dos pacientes da UTI e também para o prosseguimento da investigação, que foi iniciada há um ano com um dossiê da Ouvidoria Geral do Estado entregue ao Ministério Público e, posteriormente, ao Nucrisa. Porém, segundo a delegada, os casos podem ter começado ainda antes, mas, por enquanto, não há como precisar quando nem quantificá-los.
O sigilo do caso foi solicitado pela delegada devido à gravidade do caso e à comoção pública que o assunto provoca. A delegada também disse que há indícios suficientes para o inquérito policial, mas que eles ainda não podem ser revelados em razão ao sigilo de Justiça. De acordo com a delegada, toda a equipe está sendo ouvida pela polícia.

O delegado-chefe da Polícia Civil, Marcus Micheloto, afirmou que outras pessoas – que trabalharam e trabalham na UTI – estão sendo investigadas e que se for confirmada a participação de outras pessoas, poderá ser considerada formação de quadrilha. “Ainda não sei dizer quantos envolvidos ou quantos óbitos”, relatou Micheloto.

Conforme a delegada, todos os “meios de prova serão feitos”, como, por exemplo, a exumação de corpos. Ela pede para que as pessoas contribuam com a investigação e denunciem pelos telefones 3883-7120 / 3883-7116 / 3883-7125 ou pelo e-mail nucrisa@pc.pr.gov.br.


8 comentários

  1. BOZO
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 8:16 hs

    RIDÍCULA A PRISÃO DA MÉDICA EM QUESTÃO. TOTALMENTE DESNECESSÁRIA E COM CERTEZA A JUSTIÇA DEVERÁ REPARAR TAMANHA INSENSATEZ.

  2. luiz*
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 9:12 hs

    Será mesmo gente? Já vi com os meus olhos, delegado fazer relatório para o MP, este fazer relatório para o Juiz e prenderem um cidadão totalmente inocente.
    Temos que ter cuidado, com a manifestação de leigos, órgãos de controle que não conhecem o dialeto de certas profissões e embarcam no canto de sereia da mídia.
    Não duvido que muitos médicos numa situação de emergência já não tenha decidido entre a vida de um ou do outro. São coisas inerentes a essa profissão, eles devem ter regras, protocolos e em última instância a própria consciência.
    Será que essa médica iria cometer essas barbaridades diante de outros profissionais da área de saúde?
    Não quero julgar, só conclamo a todos a terem cautela!

  3. valdinei fernandes feliciano
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 14:04 hs

    A paciente disse que, após fazer uma cirurgia grande e levar vários pontos, a médica ordenou que a colocassem em uma cadeira, onde ficou sentada o dia inteiro. “Por causa disso, fiquei com hérnia, estava com a barriga cheia de ponto, eu não podia ficar sentada”.
    Ela ainda disse que em um outro dia, escutou um rapaz dizendo para ver se ela iria aguentar ficar o dia todo fora do respirador. “Eu estava com a traqueo [traqueostomia] e chorava cada vez que ele mexia nos aparelhos. Eu falava que não queria morrer porque tenho filhos para cuidar”. Fonte:http://g1.globo.com/parana/noticia/2013/02/paciente-escreve-bilhete-e-diz-que-houve-tentativa-de-morte-em-uti.html.

    Gente de Deus!!! Me lembrei daquele filme a lista de Schindler. Pelo geito é a lista do Evangélico.

  4. Gleice
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 15:38 hs

    Não duvido muito que ela não fez isso , e se ela fez tem que paga muito .

  5. CURTA E FINA
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 23:30 hs

    COMO NO BRASIL, QUEM MERECE NÃO VAI PRESO……

    ATÉ JÁ SEI O QUE VÃO ALEGAR….SINDROME DE BURNOUT…..

    ESGOTAMENTO

    CRISE FINANCEIRA E DISPUTA DE PODER……

    E EU PERGUNTO: E OS PACIENTES QUE POR ALI PASSARAM, E TIVERAM SUAS VIDAS ABREVIADAS, PORQUE “ENTULHAVAM A UTI”?

    TEM MUITO MÉDICO POR AÍ, QUE FAZ ISSO…..SÓ QUE NINGUÉM DENUNCIA, E O MEDO DE PRECISAR DE NOVO E NÃO SER ATENDIDO??????

    E O DIRETOR CLÍNICO QUE NUNCA SABE DE NADA????

    ENGRAÇADO, COMO ELES SE DEFENDEM……

    E O FUNCIONÁRIO, QUE POR ERRO, DESLIGOU O RESPIRADOR, SERÁ QUE NÃO FOI ORDEM DE ALGUÉM??????

    QUEM TRABALHA EM UTI, SABE CUIDAR DE APARELHO….NÃO É EQUIPE INEXPERIENTE…..

    ENTÃO, NOS RESTA REZAR PARA NÃO PRECISAR DE UMA UTI NO MOMENTO…..

    DESCONFIO ATÉ DA MINHA SOMBRA…..

  6. Fragoso
    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013 – 7:56 hs

    Tema delicado.

    Sou contra a prisão desnecessária de quem for. Não me parece que, diante da possibilidade de uma decisão judicial afastá-lá totalmente do Hospital e também dos familiares de vítimas (em tese), funcionários e outros cidadãos que estão testemunhando contra ela, fosse necessária a prisão.

    De outra banda, o número de denúncias só esteja elevado em razão da “segurança” que algumas pessoas sentem haja vista a restrição de liberdade da médica…

    Difícil um juiz ter tranqüilidade em sua consciência para manter alguém segregado, pelo menos eu imagino que isso perturbe a todos os magistrados…

    Enfim, ela está bem representada, só não entendo a demora para seu pedido de liberdade, a demora para se ter acesso ao inquérito, pois não são discussões de mérito que prevalecem nos pedidos libertários…

    Só espero que não haja receio de “perder” ou seja, aguardar os 30 dias da temporária para não arriscar uma negativa do pedido de liberdade…

    Acredito que o HOSPITAL EVANGÉLICO e o governo (SUS) irão enfrentar inúmeras ações indenizatórias para quem sabe atenuar o sofrimento destes familiares, que deve ter repercussão até mesmo no sustento familiar, perdendo um ente querido que ajudava na subsistência e (em tese) teve sua vida abreviada por alguém querendo brincar de Deus…

  7. ANDRE LUIS
    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013 – 13:15 hs

    ESSA MULHER E UMA PSICOPATA…..LUGAR DE LOUCOS COMO ELA ,E NO MANICOMIO JUDICIAL..

  8. FRANCISCO CARLOS
    sábado, 23 de fevereiro de 2013 – 0:55 hs

    quem obedece ordem absurda tambem tem que ir preso! esta suposta médica(ja viram se ela não falsificou o diploma) só pode ser uma psicopata, cheiro de cigarro eu senti na uti do evangélico , se eu indo poucas vezes lá senti e vi ela fumando, será que ninguem da diretoria do hospital viu, todo mundo lá foi conivente com ela em seus erros!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*