Investigação aponta uso de anestésico nas mortes em UTI do Evangélico | Fábio Campana

Investigação aponta uso de anestésico nas mortes em UTI do Evangélico

A médica Virginia Helena Soares de Souza, medica chefe da UTI do hospital Evangélico, escoltada por policiais (Henry Milleo/Gazeta do Povo/Folhapress).

De Estelita Hass Carazzai, Folha de S.Paulo:

A investigação que resultou na prisão de quatro médicos em Curitiba, suspeitos de provocar a morte de pacientes, trabalha com a hipótese de que as vítimas tenham morrido pelo uso de anestésicos, combinado com a diminuição da quantidade de oxigênio nos respiradores.

Segundo a Folha apurou, as denúncias que deram origem ao inquérito, feitas por funcionários e ex-funcionários do Hospital Universitário Evangélico, relatam que médicos injetavam pavulon, um relaxante muscular utilizado para entubar pacientes.

Esse medicamento paralisa os músculos e, quando associado à baixa ventilação dos pulmões, pode provocar parada respiratória.

Os advogados dos profissionais negam as acusações e afirmam que não há provas da materialidade do crime.O advogado Elias Mattar Assad –que defende a chefe da UTI geral, Virgínia Helena Soares de Souza, e outros dois presos– disse que todos os medicamentos usados no hospital precisam ser prescritos por um médico, controlados pela farmácia do hospital e registrados no prontuário.

Já o diretor técnico do hospital, Luiz Felipe Natel Mendes, afirmou que o pavulon é pouco utilizado atualmente.

Ontem, uma enfermeira cujo mandado de prisão temporária havia sido emitido na sexta-feira se apresentou à polícia. O nome dela não foi revelado. Agora, cinco pessoas estão presas pelo caso.

Assad fez um pedido de assistência à OAB para que entre com medidas contra a delegada do caso, Paula Brisola.

O defensor disse que ela negou acesso à totalidade dos autos. A Polícia Civil nega que isso tenha ocorrido.


20 comentários

  1. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 12:23 hs

    Como estão os outros hospitais?
    Medo!

  2. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 12:25 hs

    E o que o SÃO VICENTE vai receber de PUNIÇÃO por não ter atendido UMA VÍTIMA?
    Engraçado que nos mesmos dias em que o EVANGÉLICO atende uma vítima rejeitada pelo SÃO VICENTE tenha seus crimes DELATADOS tão veementemente!
    Fale do São Vicente Fábio!
    Tem gente lá ganhando MILHÕES DAS TAIS FUNDAÇÕES!!!

  3. Paulo
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 12:41 hs

    Um caso que vai ainda ser muito debatido pela sociedade curitibana, somente como cidadão eu gostaria de ver a JUSTIÇA SER FEITA e os culpados pelas mortes de pessoas inocentes, tenham suas penas justas, para que outros açougueiros não venham mais a exercer está profissão. Falo açouguerios, pois não consigo considerá-los médicos. E que o Conselho Regional de Medicina, não passe a mão na cabeça destes assassinos. Pois seria muito sério se somente a enfermeira pagar pelos crimes cometidos. E deixem a polícia trabalhar, pois como bem disse o Ministro da Saúde este é um caso policial. E que seja realmente feito uma investigação apurada, porque pessoalmente eu não acredito que somente estes açougueiros agiam sozinhos. Tem gente do alto escalão envolvido nisso também os acobertando. Apertar um deles direitinho e a coisa vaza rapidinho dando o nome dos outros envolvidos nesta triste história.

  4. Traficantes de órgãos
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 12:47 hs

    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/02/26/interna_gerais,352976/traficantes-de-orgaos-torturavam-vitimas-no-sul-de-minas.shtml

    Traficantes de Órgãos em Minas Gerais

  5. Jonas B. S.
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 13:11 hs

    Estava assistindo no celular o programa policial 190 urgente, quando vi um advogado calvo e de óculos que sequer recordo o nome, chamando adolescentes em conflito com a lei de vagabundos, covardes, “buscando” a simpatia do apresentador, muito embora “rasgando” a constituição federal e algumas leis complementares…

    Quando de repente, tal advogado pede a palavra para solicitar respeito ao advogado da médica Virgínia, a principal suspeita das atrocidades ocorridas em uma das UTIs do Hospital Evangélico…

    O entrevistado escolheu a pior forma para tal, pois demonstrando o maior desapego aos direitos humanos, xingando em coro com o apresentador um menor que se entregou para ser processado pela Justiça, logo em seguida pede respeito a um colega para que consiga exercer plenamente sua profissão.

    Gostaria de traçar um paralelo aqui sobre a postura dos dois advogados, pois ambos primeiro ofendem alguém, arrogantemente, para depois clamar por respeito e liberdade do exercício desta nobre profissão, onde muitos católicos, honrosamente, dizem de Jesus nosso grande advogado, pois sempre intercedeu por nós.

    O advogado da entrevista ofende menores que considera bandidos (os quais também dependem do devido processo legal em um Estado Democrático de Direito – até então, mesmo “confessos” como no caso do time paulista, são inocentes até decisão final transitada em julgado).

    O advogado da médica, de forma que considero desnecessária e arrogante, adverte categoricamente que todos irão pedir desculpas à cliente, “inocente” de todas as acusações…

    Parece haver um preconceito social nestas falas, aonde um pobre adolecente suspeito da prática de uma grave infração, é considerado bandido e covarde. Já uma médica suspeita da prática de delitos extremamente graves, esta sim deve ser digna do respeito alheio.

    Resumindo, um verdadeiro “tiro no pé”.

    Quanto à direção do Hospital Evangélico, que enfatiza de nada saber sobre o caso da médica e das inúmeras eutanásias investigadas em uma UTI daquele estabelecimento, que reafirmam não serem parte investigada pela polícia, tão somente funcionários seus, pretende a manutenção do sigilo e o afastamento da delegada que se dedica a investigar o caso por quase um ano.

    Primeiro, já que se não são alvo da investigação, qual a legitimidade e interesse da diretoria em contrariar o próprio advogado da médica (este favorável à quebra do sigilo) ao pedirem em nome da instituição a volta do sigilo da investigação?

    Muito estranho, não?

    Concluindo, outro absurdo “tiro no pé”.

  6. marcelo
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 13:26 hs

    Infelizmente, a cada dia que passa a policia está perdendo crédito nessa investigação.Se provado a inocência dessas pessoas presas a delegada vai ser presa ?

  7. tadeu rocha
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 13:28 hs

    DESCULPE NAO ME RECORDO O NOME DA MAE DAS VITIMAS DO ACIDENTE COM EX DEP. CARELLI, SENHORA ESTAVA COM UM BOM ADVOGADO, DEPOIS QUE ELE PERDEU PARA O EX DEP. CARLLI, AUDIENÇIA FICOU PARA 6MESES, ELE É ADVOGADO DA MEDICA, SENHORA PODE PROCURAR OUTRO, ESSE JA ERA.

  8. Ricardo Almeida
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 13:37 hs

    Será possível, que horror!? Esperemos mais um pouco, é cedo para julgar, estas pessoas precisam se defender.

  9. terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 13:38 hs

    Até ter um maluco no hospital, tudo bem. Isso ocorre até nas melhores familias. Agora dizer que quase todos qua trabalhavam
    na referida UTI eram cumplices…. é pra repensar ….

  10. Carol
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 14:21 hs

    Admiro muito o trabalho do advogado Assad, e compreendo que ele está fazendo seu trabalho. Mas é no mínimo estranho ameaçar a delegada por cumprir seu trabalho de forma objetiva e radical.

  11. Policial atento
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 17:05 hs

    Qual a motivação desses crimes? se é que ocorreram, é primordial que a policia aponte isso.

  12. Sergio R.
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 17:33 hs

    O que significa “pouco utilizado atualmente”? Significa que anteriormente era bastante utilizado?

  13. Rodrigo
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 17:35 hs

    o Hospital que se o jornalista lembra em 2010 fez uma matéria aqui sobre o deputado Dr André Zacharow, foi colocado muitas críticas ou melhor muitas e muitos comentários dizendo o que o hospital evangélico fez, pelo que o deputado fez e prestou, eu sei muito bem, e isso dá pra notar pelos problemas inclusive de salários atrasados de funcionários entre outros problemas que o hospital começou a enfrentar de um tempo pra cá.ele tirou muito dinheiro e desviou muito dinheiro daquele hospital, tudo isso ele sabia concerteza, acho que deveria ter um empenho maior e ter uma cpi, uma investigação pra raspar o fundo da panela, dali vai sair muita sujeira, e muito neguinho e branquinho que tá fazendo de tudo pra que o assunto fique por isso mesmo caia no chão e venha a tona o que está acontecendo e o que aconteceu com milhões e milhões desviados. eu tenho medo de cair nesse hospital, a crise lá dentro tá feia, quem trabalha lá sabe o que estou dizendo.

  14. Gilberto Jakubiu
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 19:36 hs

    A investigação não aponta nada. A investigação se baseia em relatos, denúncias, boatos, enfim, nada comprovado. Tem gente falando e espalhando informação que nem sabe a origem e se é verdade ou não. Primeira crucificam, detonam a credibilidade, imagem pessoal e profissional das pessoas, afinal vender notícia interessa mais do que a veracidade da informação, vale o sensacionalismo. E depois quando nada for comprovado? Farão o mesmo alarde e sensacionalismo para limpar toda a lama que jogaram em cima de todos?

  15. Gilberto Jakubiu
    terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 19:40 hs

    A investigação não aponta nada. A investigação se basea em relatos, denúncias, boatos, enfim, nada comprovado. Tem gente falando e espalhando informação que nem sabe a origem e se é verdade ou não. Primeira crucificam, detonam a credibilidade, imagem pessoal e profissional das pessoas, afinal vender notícia interessa mais do que a veracidade da informação, vale o sensacionalismo. E depois quando nada for comprovado? Farão o mesmo alarde e sensacionalismo para limpar toda a lama que jogaram em cima de todos?

  16. Ana
    quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 – 1:09 hs

    Polícia e defesa estão desempenhando os papéis que lhe competem, ao fim e ao cabo, quem decidirá será a justiça, serena e imparcial, não a turba cujo “conhecimento de causa” se limita ao ôba-ôba midiático.

  17. Eu li
    quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 – 10:01 hs

    No Brasil é assim, pinta e borda e não é culpado.

  18. TRABALHADOR
    quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 – 21:17 hs

    Não tinha dado a devida atenção à esta notícia. Meu pai morreu de parada respiratória em uma UTI em 2011, em outro hospital, ele estava internado pelo SUS. Ficou vários meses internado. Será que é só no Evangélico que aconteceram esses casos? De repente existe uma máfia da morte nos hospitais brasileiros para desonerar os custos do sistema…Meu Deus, o pior que a justiça não vai conseguir provar nada contra essa gente, é muito difícil que alguém vá pegar condenação, ainda são capazes de processar o estado e a imprensa por perdas e danos. Vamos acompanhar de perto esse e talvez outros casos que possam vir aparecer.

  19. rita 28de fevereiro de 2013
    quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 – 11:52 hs

    Estou acompanhando , as noticias sobre ,denuncias em UTI Hospital Evangelico,Curitiba,PR, e me pergunto- Aonde foi parar o juramento dos médicos?enfim ,devemos deixar a cargo da POLICIA verificar.Já que pelos jornais ,já vinha investigandohá um ano , a mesma ,deve ter subsidiois o suficiente para mandar prendê-los.Custo a acreditar que esses jovens ,em inicio de carreira médica ,tao bonita, e que nosso Pais ,precisa tanto deles, tenham se envolvido , em algo tao errado,tirar a vida de um ser humano.

  20. Mari
    segunda-feira, 4 de março de 2013 – 14:31 hs

    A explicação destas mortes infelizmente são simples: Uma diária de UTI custa 5 mil. O SUS repassa paga diária de 500 reais. Quem é que cobre a diferença de 4500 reais?? Tem paciente que fica até 2 anos numa UTI. Imaginem o custo disso? Por isso acho que o SUS tem que além de rever seus valores, tem que fiscalizar os pacientes dele em cada UTI, ver os medicamentos etc e quanto tempo ele deverá ficar ali para ter um repasse justo para o hospital. Não é simplesmente largar como esta acontecendo porque vão acontecer desvios, irregularidades e até assassinatos pra abreviar a estada destes pacientes do SU.
    Outro ponto importante: O Evangélico faz um importante trabalho de transplante de órgãos que não pode parar! Os funcionários ESTÃO SEM RECEBER DESDE OUTUBRO. Estão trabalhando VOLUNTARIAMENTE. Cade o Estado e a Prefeitura para tomarem providências. Que poder público OMISSO e inútil e este!!!! Vistoriaram todas a boates de Curitiba e não fazem nada por um hospital!!!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*