Investigação acha grupo que ganhou R$ 20 mil com golpes em políticos | Fábio Campana

Investigação acha grupo que ganhou R$ 20 mil com golpes em políticos

Do Uol:

As polícias do Senado e da Câmara identificaram quatro golpistas que, nos últimos dois meses, aplicaram golpes por telefone em pelo menos dez parlamentares. Os criminosos identificados já admitiram a prática em depoimentos prestados às polícias legislativas e civis de Alagoas e Sergipe, de onde partiam as ligações telefônicas para parlamentares de diversas regiões.

Entre os lesados, estão os deputados Givaldo Carimbão (PSB-SE) e a senadora Ana Amélia (PP-RS) – no caso da parlamentar gaúcha, uma ligação foi feita em nome do colega Benedito de Lira (PP-AL) pedindo ajuda. A senadora acreditou na história e depositou R$ 1,2 mil em uma conta bancária de terceiros.

Os golpes, segundos investigações preliminares, totalizaram R$ 20 mil. Nesta quarta-feira (6), a Polícia do Senado anunciou que vai indiciar o grupo por formação de quadrilha e estelionato – penas de um a três anos e de um a cinco anos de prisão, respectivamente. Mas, uma vez condenados, eles podem ser obrigados a prestar serviços comunitários, uma vez que os crimes são considerados de baixo potencial ofensivo. Os integrantes da quadrilha não foram presos, segundo a polícia, porque não foram pegos em flagrante.

O modus operandi do grupo já é velho conhecido de investigadores e agentes de segurança. Dizendo estar a serviço de um colega do senador ou deputado em questão, eles relatavam situações de emergência em busca de ajuda financeira, como carros com problemas mecânicos no interior do Brasil. Sensibilizado, o gabinete ou o parlamentar acionado fazia a transferência de dinheiro na conta fornecida pelos golpistas. Depois de detectado o golpe, agentes das polícias legislativas passaram a alertar, por e-mail e telefone, todo os parlamentares.

As investigações estão quase concluídas. O inquérito tramita sigilosamente. As polícias querem descobrir agora como os fraudadores conseguiram os números dos telefones dos parlamentares, entre outros detalhes da prática criminosa. O caso deverá ser remetido à Justiça de Sergipe ou Alagoas. Lá, o Ministério Público estadual poderá oferecer denúncia contra os suspeitos. Se a denúncia for aceita pela Justiça, eles se tornarão réus em processo criminal.

“Eles serão indiciados por formação de quadrilha e estelionato”, disse o diretor da Polícia Legislativa do Senado, Pedro Carvalho, ao Congresso em Foco. O golpe não é novo. Na Câmara, ao menos um deputado de oposição pagou R$ 1 mil, há alguns meses, a uma pessoa que se apresentava como prestador de serviços de um aliado político.


8 comentários

  1. AnominoII
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 8:47 hs

    Ladrão que rouba ladrão…… vocês sabem o resto!!

  2. quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 10:06 hs

    Crimes de baixo potencial ofensivo !

  3. carlos rocha
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 10:07 hs

    NESSA HISTORIA QUEM ERAM OS GOLPISTAS?

  4. TRABALHADOR
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 10:44 hs

    Não tem um ditado que diz: “ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão”. IHHHHH!!!! É melhor ficar quietinho, se não os deputados transformam em projeto de lei, aí que tudo, tudo, vai acabar em pizza mesmo….

  5. Anônimo
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 12:11 hs

    Bandido roubando bandido, é o fim da picada, eles que se entendam,

  6. Deutsch
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 13:49 hs

    E ninguem vai prender os parlamentares que aplicam golpes todos os dias contra o povo brasileiro? Hein?

  7. Flávius
    quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 – 17:32 hs

    Qual o problema? Afinal é malandro dando golpe em malandro! Ou não?

  8. Lee
    sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013 – 13:02 hs

    Baixo potencial ofensivo!
    Espero, sinceramente, que quem disse isso tenha um filho ou neto assassinado por um dos delinquentes de baixo potencial ofensivo.
    Tá demais. A burrice tomou conta.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*