Greve no Porto de Paranaguá | Fábio Campana

Greve no Porto de Paranaguá

Os nove sindicatos ligados ao setor portuário vão paralisar as atividades no Porto de Paranaguá na próxima sexta-feira, 22. Das 7h às 13h, haverá manifestação contra a ministra Gleisi Hoffmann, que estabelece o novo marco regulatório do setor, por meio da MP 595. A bronca dos portuários é que o Porto vai perder competitividade e também desempregar diversos trabalhadores. Estima-se que 10 mil trabalhadores parem nesta sexta-feira.


4 comentários

  1. Trabalhador
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 20:58 hs

    Esse movimento comprova mais uma vez o que os portos brasileiros se tornaram grandes cabides de emprego, depósito de gente encostada que não gosta de trabalhar, e os sangue-sugas dos sindicalistas encostaram-se nos encostados. O porto não vai perder competitividade, porque não se perde o que não tem. Os portos brasileiros não sabem o que é competitividade, aliás com execeção das empresas que vem de fora, ninguém sabe…O porto de Paranaguá não tem jeito, só devolvendo pro governo federal privatizar, com esssa gente que se infiltrou lá, nada de bom será posssível…Eles destruíram nosso porto…

  2. Deutsch
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 21:32 hs

    Na verdade os portos não vão perder competitividade, o que vai acontecer é que essa corja de vagabundos vai ter que trabalhar, e aí é que a coisa pega.

  3. CARMINHA
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 13:18 hs

    COITADO DEUTSCH, VC ESTA LOUCO PARA TRABALHAR E NÃO CONSEGUE, E FICA DIZENDO BESTEIRA, SE NÃO TEM O QUE COMENTAR, FECHA A BOCA.

  4. reginaldo narciso
    sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013 – 7:27 hs

    vcs falan dos trabalhadores e dessa rassa de politico sem vergonha que nos temos no pais que so queren ganhar em casa vagabundos e mais ainda esses que queren prevatisar nossos portos esse e um meio de desviar dinheiro para eles vcs sim que tinha que trabalhar pegar nopesado pilantras

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*