Gilbertinho dá pitaco na eleição do Papa | Fábio Campana

Gilbertinho dá pitaco na eleição do Papa

De Evandro Éboli, O Globo:

BRASÍLIA – O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou nesta quarta-feira que seria muito bom para o país se o novo Papa fosse brasileiro. Após o lançamento da Campanha da Fraternidade deste ano, na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ele afirmou que como representante do governo não pode se pronunciar pela expectativa de que um brasileiro suceda Bento XVI, mas que como cidadão e católico, considera que isso seria positivo para o país. De um total de 119 cardeais aptos a votar no conclave, cinco são brasileiros, segundo a última lista do Vaticano atualizada há duas semanas. Todos os que participam da eleição podem ser, teoricamente, indicados a suceder Bento XVI.

– Qual país que não gostaria de ter um dos seus em um cargo tão importante quanto esse? – disse o ministro.

Carvalho minimizou o fato de a presidente Dilma Rousseff não ter se pronunciado sobre a renúncia do Papa Bento XVI, anunciada na segunda-feira. Ele negou que haja qualquer mal estar na relação com a Igreja e disse que o governo entendeu que não era necessária a divulgação de uma posição oficial. O ministro negou ainda que existam diferenças entre a Igreja e o governo do PT, em função das críticas do Papa a políticos que apoiassem o aborto durante a campanha de 2010.

– Não houve desconforto com a CNBB. O governo tem uma relação muito profunda e importante com a Igreja e respeitou a decisão do Papa Bento XVI. Foi uma decisão de foro intimo. A minha presença aqui hoje é também um gesto de solidariedade à Igreja Católica neste momento. Não há demora (em se pronunciar). Não tínhamos que falar, mas respeitar – disse Carvalho, no final da abertura do lançamento da campanha.

Gilberto Carvalho disse ainda que a renúncia não ira atrapalhar os preparativos da Jornada Mundial da Juventude, que acontece em julho no Brasil, e que o evento pode ser a ser a primeira viagem internacional do novo Papa. A juventude é o tema da Campanha da Fraternidade este ano.


13 comentários

  1. Marcio Sardi
    quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 – 21:08 hs

    Ué, Campana, porque o artigo do Gaspari sobre o mesmo tema não era “pitaco” e a opinião do Gilberto Carvalho é?

    Oi, Márcio. O Élio deu sua opinião como articulista, em sua função, já o ministro Gilberto Carvalho falou sem assumir a responsabilidade do cargo que ocupa, de alta relevância, para afirmar que gostaria de um Papa brasileiro. Ora, um ministro quando tem de descer do cargo para dizer alguma coisa sobre um assunto tão relevante e diz que não fala como tal, mas como simples fiel, em meu entender dá um pitaco, nada mais do que isso. Aliás, não acrescentou uma vírgula ao assunto, apenas surfou. Essa foi a minha compreensão. Agradeço pela observação.

    Um abraço

    Fábio

  2. carlinhos noute
    quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 – 21:49 hs

    O Gilbertinho da pitaco e o PMDB aceita o cargo de vice e se possível alguns carguinhos no Vaticano.
    O Pessuti seria uma boa opção para a guarda particular do novo papa. Ele iria fazer um expediente de um mês e depois pediria remoção para algum órgão que não precisasse cumprir expediente.
    O Requião poderia ter um cargo comissionado com a função de ser o conselheiro-mor do novo papa. Certamente a Carta de Puebla passaria a ser a cartilha oficial da Igreja Católica, mas sem a necessidade de colocá-la em prática, como já aconteceu aqui no Paraná.
    O Rafael Greca seria um excelente “bobo” da corte, digo, da Basílica de São Pedro. Com suas tiradas filosóficas certamente ele daria as pistas ao santo padre para que se encontrasse o santo graal. Aliás, o Greca já sabe onde está o santo graal. Esse é o trunfo que ele carrega.
    Na caravana peemedebista ainda poderiam integrar-se novos aspirantes aos cargos da Santa Sé,tais como o Roubanelli, o Stefannes Jr, entre outras celebridades do partido.
    Para o Valdir Pugliesi ficaria a função de clone do ex-papa. Como o Josef Ratzinguer está muito debilitado, quando ele precisasse participar de algum evento público, mandaria o Pugliesi em seu lugar. Perfeito.
    O PMDB que parecia não encontrar o seu rumo, parece que agora pode aproveitar essa oportunidade com as suas maiores estrelas. É só tomar algum cuidado para que eles não acabem com a milenar Igreja Católica.

  3. Constanza Del Piero
    quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 – 21:50 hs

    Só nos falta agora, um papa petista! – Aliás a CNBB, com seus bispos vermelhos, foi quem chocou o ovo da serpente Lulla.
    Portanto, Gilbertinho não tá tão errado assim, não!

  4. Max
    quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 – 22:59 hs

    Dizem que Lula e Sarney estão no páreo para concorrer ao papado mas só tem um problema , a igreja exige celibato mas lula já está forjando documentos com ajuda da Rosegate

  5. pt
    quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 – 23:19 hs

    Era so o que faltava, o petralinha querer lancar o chefe candidato a papa, pois eles sempre acharam que o chefe do mensalao esta apto a todos os cargos, no Brasil e no mundo

  6. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 2:05 hs

    Vai indicar o LULA?

  7. OCIMAR
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 9:50 hs

    O ÚNICO PROBLEMA,MAS MUITO GRAVE,É SE ESSE BRASILEIRO FOR ELEITO E O SUJEITO FOR petista,AÍ O BANCO DO VATICANO VAI A FALÊNCIA,VAI FALTAR DINHEIRO PRA TANTO LADRÃO.

  8. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 10:08 hs

    PeTisa Faz Média, deveria ser o título do pitaco.

    E eu já sou mais afoito: Gostaria que o papa fosse um paranaense. Se, de Santa Izabel do Ivai, melhor ainda.

  9. Adalberto Jardim
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 10:29 hs

    Quem sabe o Lulla poderia se candidatar e ser eleito????????? Bora fazer esta campanha. Só assim ficaríamos livre…

  10. salete cesconeto de arruda
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 12:00 hs

    Rsrsrsrsrsrsrs
    Como pode o Carvalho querer dar palpite se o Serra sempre foi o candidato?
    Sei.
    Serra se eleito terá que EXCOMUNGAR a sí e a própria esposa.
    Dessa forma e, considerando que estamos numa democracia
    CADA UM PODE DIZER O QUE QUISER!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Desde que responda pelos seus atos.
    O resto é inveja que leva a malta ao rebostejo.

  11. Marcio Sardi
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 15:46 hs

    Realmente, Fábio, ele não falou como ministro, mas como “simples fiel”. Mas então o problema, a meu ver, está na imprensa, que correu atrás de sua opinião mesmo assim. O lead da matéria deveria ser “o fiel católico Gilberto Carvalho” e não, como saiu, “O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho…” E se o ministro “desceu do cargo” para falar sobre a sucessão do Bento XVI, e, ainda assim, a imprensa noticiou – e você repercutiu -, obviamente ele não está sendo tratado como “um simples fiel” mas sim como o ministro que efetivamente é. Pois então, concordo com você. Ele falou como “simples fiel”. A imprensa é que não o tratou como tal.

  12. BRANCO
    quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013 – 20:40 hs

    SE FOR INDICADO UM ””””””’PAPA PETISTA”””””””””daqui a um ano sera aberta a sindicância do “”””””MENSALÃO PAPAL””’

  13. salete cesconeto de arruda
    sábado, 16 de fevereiro de 2013 – 19:30 hs

    Tem gente que ainda não se deu conta de que a vaga de PAPA é do Serra. Desde pequeninho.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*