Entre Dilma e o presidente | Fábio Campana

Entre Dilma e o presidente

Do Lauro Jardim:

Risco de debandada
O paranaense André Vargas não aguenta mais receber telefonemas de deputados conterrâneos pedindo socorro. Dilma Rousseff vai a Cascavel na segunda-feira, dia de eleição para a presidência da Câmara. Está feito o impasse.

Obviamente, boa parte dos 23 paranaenses integrantes da base aliada daria um dedo para receber e ciceronear Dilma em Cascavel, sobretudo os quatro deputados da região.

Sem uma solução à vista, Henrique Eduardo Alves, candidato a presidente, e o próprio André Vargas, postulante a vice, estão apavorados com a possibilidade de a quantidade de ausências ameaçar o favoritismo.

Vargas não sabe o que vai fazer, mas tentará encontrar um coelho na cartola até segunda-feira para levar os conterrâneos de volta a Brasília antes do início da votação.

Enquanto isso, Júlio Delgado é só felicidade.


4 comentários

  1. Helena
    sábado, 2 de fevereiro de 2013 – 9:40 hs

    Pois é, “né,” o coelho mais utilizados pelo pt e seus aliados não é coelho, são garoupas e onças pintadas, para comprarem os traidores do povo..

  2. antonio carlos indignado
    sábado, 2 de fevereiro de 2013 – 17:47 hs

    Vou dar-lhe um conselho deputado, diga para a companheirada deputada que a cada voto recebido pela dupla, cabe uma nomeação. Aí tem o quorum e a eleição garantidos. Mas não diga que cruzou os dedos enquanto contava a mentira. ACarlos

  3. Décio Guatambu
    domingo, 3 de fevereiro de 2013 – 12:12 hs

    Tomara que não encontre coelho algum.
    Já votei nessa “coisa”, e me arrependi amargamente.
    De PT e de Vargas, ele parece não ter muito…

  4. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013 – 8:50 hs

    -Este senhor deputado parece o personagem da Praça É Nossa…João do Plenário…..

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*