Delegada que investiga mortes em UTI diz que sigilo garante 'ordem' | Fábio Campana

Delegada que investiga mortes em UTI diz que sigilo garante ‘ordem’

Médica presa é suspeita de eutanásia. Advogado dela classificou prisão como ‘precipitada’ e acredita em ‘equívoco’.

Do G1 PR:

A delegada do Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde de Curitiba, Paula Christiane Brisola, falou sobre a investigação de mortes ocorridas na UTI do Hospital Evangélico da cidade. Ela evitou comentar detalhes do inquérito, que segue sob sigilo de Justiça, mas garantiu que os esforços da polícia estão voltados para o levantamento de provas sobre os casos.

A médica Virgínia Soares de Souza, que dirigia o setor de UTI do hospital, foi presa na manhã desta terça-feira (19) em uma operação para investigar uma série de mortes na UTI do segundo maior hospital da cidade. Ela é suspeita da prática de eutanásia, que é a indução à morte com consentimento do paciente, além de maus tratos aos internados.

“O inquérito policial é acobertado por sigilo para resguardo da intimidade das pessoas envolvidas e também para garantia da ordem pública”, afirmou Brisola. A investigação policial começou há cerca de um ano, após denúncias que partiram de funcionários do próprio hospital. “As famílias podem procurar a delegacia para fazer denúncia por telefone, pessoalmente. Nós estamos recebendo denúncias de situações, e inclusive ex-profissionais que atuaram no hospital”, disse ainda a delegada, que começou a ouvir 30 funcionários do Evangélico.

A médica prestou depoimento na tarde desta terça, mas o conteúdo não foi divulgado em virtude do sigilo. Porém, o advogado de defesa da médica, Elias Mattar Assad, conversou com o G1 na tarde desta terça-feira. Ele afirmou que ainda não teve acesso ao inquérito contra a cliente, mas que irá pedir cópias dos procedimentos, inclusive mídias que foram incluídas no processo. Ainda assim, ele classificou a prisão de Souza como “precipitada”.

“Vou entrar com um pedido de revogação dessa prisão precipitada. Ela reside há mais de 20 anos no mesmo endereço, desde 1988 é médica no Evangélico e nunca teve nada contra ela, nenhum registro no Conselho Regional de Medicina. É uma pessoa de bem”, disse o advogado. Assad se disse convicto da inocência da cliente, que, segundo ele, foi vítima de equívoco de companheiros de trabalho que não compreendiam o jargão da medicina intensiva.

“Foram interpretações equivocadas que deram. Por exemplo, quando o médico fala em reduzir os parâmetros do respirador, não quer dizer que vai matar o paciente. Significa que para cada paciente tem um nível que precisa ser modulado. Há uma série de equívocos”, apontou Assad, com referência aos questionamentos feitos durante o depoimento.


18 comentários

  1. Aliomar
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 19:06 hs

    Só falta agora (queira Deus que não) aparecer alguma suspeita sobre extração irregular de órgãos.

  2. laisa lopes
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 20:06 hs

    A final de conta, aqui no Brasil, a quem a lei da direito de investigar, ao promotor ou ao delegado de policia?

  3. FRANCISCO CARLOS
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 21:08 hs

    isto esta parecendo filme de terror ! um dia hospital nega atendimento, no outro dia medica presa suspeita de matar pacientes!

  4. terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 22:46 hs

    Q barbaridade, espero que a Policia esteja certa e a Justiça mantenha esta mulher presa. O que devem estar pensando os familiares que tiveram um ente querido, morto, na UTI.

  5. NARIZ DE FOLHA
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 23:06 hs

    FOI NESTE HOSPITAL QUE O EDSON FELTRIN FALECEU ?

    QUANDO O FELTRIN FALECEU, ELE TAMBÉM ESTAVA EM UTI.

  6. Pedro
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 6:36 hs

    O que falta e uma vigilância sanitária mais atuante pois essa que esta aí, espera acontecer a desgraça do povo para tomar atitudes, olha quantos casos de dengue , uma epidemia fora de controle, a infeccao hospitalar altíssimas, leis que não sao cumpridas, e o chefe da vigilância fala que esta tudo certo sob controle.Até quando eles irão brincar com a saude do povo. Ministerio publico deveria apurar esses fatos. Aposto que essas mortes no hospital evangélico sera atribuída a infeccao hospitalar.

  7. Pedro
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 6:43 hs

    Os parentes das vitimas deveriam cobrar atitudes da vigilância sanitária. E como no caso da boate kiss depois da morte tentam arranjar uma explicação.

  8. Batista da Luz
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 8:08 hs

    ESTIVE lá e senti o despreparo dos atendentes e das enfermeiras. Uma dos momentos mais tristes que enfentei. Falta comando. Falta preparo. Lamento que só agora – 1 ano de investigações – e o caso vem à tona depois da falha grave do Hospital São Vicente em relação ao não atendimento do cidadão Saul Raiz que foi salvo pelo Evangélico… Pensem bem.

  9. MArcelo
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 9:38 hs

    ASSAD não se suje com essa médica voce esta fazendo um belo trabalho no caso carli filho, nao jogue tudo fora, essa mulher é bruxa, ela tem que pagar pelo que fez pessoas tem provas…Eutanasia é crime Cadeia nela!!

  10. tadeu rocha
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 10:02 hs

    essa mulher vai levar uma sorte muito grande, primeiro ela esta no brasil, segundo ela pegou um advogado bom, é assim que procede.

  11. MAIS UMA
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 10:27 hs

    Um amigo meu que morava em Guarapuava foi morto por esta distinta senhora. A família já está providenciando junto o Ministério Público o devido processo. Todos ficaram chocados com a imagem dela na TV e estão revoltados. Tem documentos que comprovam o crime. Cadeia Nela Urgente!!

  12. tucano
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 11:26 hs

    QUE NOVIDADE!! VÃO DAR UMA OLHADA NO PS DO TRABALHADOR

  13. sergio silvestre
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 12:37 hs

    Impressionante,só falta a lua cheia.
    Muitos se foram só de susto.

  14. Raul Maleatto
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 13:11 hs

    Bom, sou a favor da regulamentação da ortotanásia, eutanásia e até mesmo da dinastásia. Contudo, tudo deve ficar muito bem documentado: declaração prévia em cartório, diagnóstico de 2 médicos, consentimento da família etc.
    O que está médica aí fez certamente não é legal, nem com a atual regulamentação, e nem com a ideal. Cadeia nela!

  15. sergio silvestre
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 19:51 hs

    Nome do advogado é bem sugestivo.

  16. LEO
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 12:43 hs

    NOSSAAAAAAAAAAAAA… …PARECE UM FILME DE TERROR…ESSA MULHER E UM DEMONIO QUE ENTROU NA UTI DO HOSPITAL…PARECE COISA SOBRENATURAL..OLHA A CARA DELA…SO FALTA A LUA CHEIA… SERGIO SILWESTRE…..UIIIIIII QUE MEDO….SAI SATANAS……DOUTOR ASSAD ..SAI FORA DISSO,AFINAL O SENHOR E UM GRANDE PROFISSIONAL,,

  17. terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 – 21:08 hs

    Existem mais dessa raça em outros hospitais eu perdi meus pais com suspeita de assassinato aqui no Rio de Janeiro e com a certeza de DESCASO da Saúde da Família, minha mãe morreu de uma hora para outra, falava comigo normal e de repente ela morre!! sabendo de seu fim falaram para ela que teria seu nome na geladeira e documentação pronta, eu, não acreditei e paguei um preço inestimável e nem avaliável eu vi minha mãe pedir pela MISERICÓRDIA DIVINA ´´FILHO“ ME TIRE DAQUI ´´VÃO ME MATAR“. MALDITA ASSASSINA esses malditos devem ter pena de morte

  18. ALDO SILVA
    sexta-feira, 1 de março de 2013 – 13:58 hs

    DEPOIS DO JULGAMENTO DE PIMENTA NEVES E GIL RUGAI NÃO HAVERÁ CONDENAÇÃO PRA QUEM TEM DINHEIRO VAI ACONTECER COM ESSA MEDICA SER CONDENADA E FICAR LIVRE ATÉ TEM QUEM SABE CLINICANDO EM SEU CONSULTÓRIO ACREDITA EU PAGO APOSTA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*