Clay­ton Ca­mar­go to­ma pos­se no TJ e faz crí­ti­cas à Assembleia | Fábio Campana

Clay­ton Ca­mar­go to­ma pos­se no TJ e faz crí­ti­cas
à Assembleia

Logo após ser empossado como o novo presidente do Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná, Clayton Camargo mirou os canhões do Judiciário para a Assembleia Legislativa (AL) do Paraná. Ele classificou de ”lamentável” o atraso na votação do Funjus (Fundo da Justiça) e do Funrejus (Fundo de Reequipamento do Poder Judiciário), pois seria proveniente dessas fontes que viriam ”os recursos para a modernização do Judiciário”.

”Não se olvide que cabe exclusivamente ao Judiciário julgar, interpretar as leis e aplicá-las”, disse Camargo em tom firme, após defender a separação entre os poderes.

Sentado ao lado do presidente da AL, deputado estadual Valdir Rossoni (PSDB), Camargo repetidamente dirigiu o olhar ao político enquanto discursava, que evitou o olhar cruzado. Desconforto semelhante foi visto no governador Beto Richa (PSDB), à direita de Camargo na cerimônia, quando esse reclamou que o aumento do número de ações judiciais é culpa da ”falta de políticas sociais dos governos”. Em 2012 Rossoni recusou-se a por os temas do Funjus e do Funrejus em pauta ”no afogadilho”, sem uma discussão mais demorada.

”Estudamos o assunto e percebemos que o aumento não sai dos cartórios, mas da população”, disse o presidente da AL o ano passado, após uma reunião com o então presidente do TJ, Miguel Kfouri Neto. A proposta de aumento do Funrejus foi enviada para a AL na última semana de sessões plenárias e aumentava em 50% a tarifa. Ela subiria de 0,2% para 0,3% de todos os documentos em cartórios que tratam de dinheiro (registro de imóveis e protesto de títulos, por exemplo). O valor é pago por quem solicita, até o limite de R$ 817. O aumento resultaria em mais R$ 24 milhões para o Judiciário, além dos R$ 60 milhões que o Funrejus já deve recolher em 2013.

Foi com R$ 343 milhões recolhidos dessa forma que o antecessor de Camargo, Kfouri Neto, fez as obras que inaugurou rapidamente em janeiro, antes de deixar o cargo. A última foi na quarta-feira, véspera da passagem de cargo, quando ele reinaugurou o prédio Essenfelder, em Curitiba, desapropriado para uso do TJ. O local vai receber departamentos administrativos e gabinetes de magistrados, mas não está pronto para uso imediato. O evento, segundo Kfouri, serviu ”apenas para assinalar a ocupação plena da sede Mauá. É um ato simbólico”, disse o magistrado. Durante a cerimônia de posse, Kfouri e Camargo se trataram com respeito, mas sem esconder a rivalidade.

Em sua despedida da presidência, Kfouri apresentou um vídeo institucional com imagem de fóruns novos e depoimentos de colegas elogiando a sua gestão. A tentativa de ”roubar a cena” foi eclipsada por Camargo, que prometeu ajuste de salários para os servidores, passarelas interligando os prédios do TJ e a construção de garagem subterrâna no tribunal, para atender advogados e magistrados. O novo presidente disse que vai aumentar o número de servidores efetivos e comissionados e ”antecipar” com ”sobras” do orçamento o pagamento das Parcelas Autônomas de Equivalência (PAEs) aos magistrados. Em 2013, o TJ tem um orçamento estimado em R$ 1,29 bilhão.


5 comentários

  1. sergio silvestre
    terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 – 11:47 hs

    Eu só não vou te processar,porque tenho a quase vinte anos um processo contra uma construtora,que até ja abandonei,já que trabalho desde os 11 anos de idade.Não vou polemizar com voce porque nem sei qual cegonha o cagou sr josé com letra minuscula.
    Se voce esta acostumado a ler alguma coisa que eu escrevo,até com certa discordancia,não é somente eu que penso isso.É toda massa espoliada quando adentra num cartorio e paga caro por um carimbo.
    Quando o processo deita e dorme por anos engavetados,até por descaso.Voces são confessos,pois se ler os comentarios acima,nota se que são totalitarios,e confessam que quando querem,sai em uma hora qualquer ação da justiça.
    Talvez não tenha mesmo cultura para polemizar com pessoas tão cultasmas dotadas de falta de humildade para receber criticas.
    Eu sei que se um juiz quizer acabar com a vida de alguem ou de alguma familia numa simples canetada,acaba.
    Mas neste meio,tem os probos magistrados,aqueles que tem ideal
    e julgam pobres e ricos com a mesma coerencia.
    Não somos nós que dissemos,a dr Eliana Calmon disse a mesma coisa,que o judiciario está mal .
    Mesmo tendo estudado só 4 anos,não vou te chamar de idiota,vou só discordar do seu arrebatamento e vassalagem que tem com o desembargador.
    Aquilo que voces escreveram acima,eu acho que ele não concorda com isso.A justiça totalitaria e propria da idade media não dos tempos modernos,onde o magistrado é tambem olhado com olhos criticos do povo que os rodeia e deve tirar proveito das criticas e procurar corrigir,principalmente dos que os cercam,alguns até mal educados.
    VOU PEDIR TAMBEM PARA O CAMPANA POSTAR,SEM MEDO DE NADA.,POIS QUE EU VI ACIMA DOS MEUS COLEGAS SÓ
    FORAM CRITICAS DE UMA DEMOCRACIA PLENA.

  2. José
    terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 – 19:41 hs

    O fato de ser analfabeto não tira o mérito da educação. Não saber escrever, não dá o direito de ser chulo. Quando escreveu qual cegonha te “c”, mostra o nível baixo que ostenta em seu pequeno ser.
    Lembro a você silvestrinho, que quem processa é o Estado (veja a diferença de estado com Estado), no direito hodierno não existe mais a autotutela.
    Ta bom, isso é muito pra sua cabecinha.
    Antes de latir aqui, seja de caráter e procure o Desembargador Corregedor e abra uma sindicância contra quem você ataca. Papo, até pagaio tem, e português sofrível também.

  3. Zeca Caco
    terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 – 22:14 hs

    Sr. José, sabes aquele ditado em que diz, “não dê pérolas aos porcos?”
    Ignore o Silvestre, eu também já fui vitima das baixarias desse senhor, cujo tempo de vida não lhe ensinou boas maneiras.
    Infelizmente ele não sabe o que é um país liberal e democrático, pra ele a agressão verbal é arma de combate, as diferenças de opiniões não podem existir.
    Até com relação ao meu nome ele já mexeu.
    Não dê ouvidos a ele!!!

  4. Carol
    quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 – 13:48 hs

    Quem lê o post do Silvestre percebe sempre o rancor e ódio cravados em um peito frustrado, de um senhor que não chegou a lugar algum…
    Tudo ele critica, de todos ele fala e, o certo sempre é ele.
    Abrir discussão com uma pessoa que carrega o recalque do sonho perdido, é abrir espaço pra baixarias.

  5. sergio silvestre
    quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 – 23:11 hs

    Então CAROL,vivo muitos anos em Londrina,tenho filhos maravilhossos que sempre me beijam e pede bençãos a mim quando vão dormir.Não tenho sonhos megalomaniacos,nem intenção de ofender a quem que seja.
    Mas penso as vezes diferente de voces,tambem não podemos ser unaminidade senão fica chato.
    Já pensou,sessenta comentarios no blog do Campana dizendo,parabens comendador.Até ele vai achar estranho tanta gente o bajulando.
    Acho até,que do alto dos seus conhecimentos,já leu alguma coisa aqui do semi analfabeto Silvestre.Se voce pegar lá atraz todos comentarios que fiz no Campana,vai ver que minha rusga é sempre com o Parreiras,e ele me respeita eu eu tambem.
    Não quero aqui polemizar com voce sra ou srta,tambem não tenho medo de comentar o que penso,e se um dia voce vir aqui na melhor cidade do parana,e me investigar,verá o tanto de amigos novos e pioneiros que eu tenho.
    Nunca comentei aqui baixarias,e sim criticas minhas pessoais,por que não devemos arrolar alguem e mexericos e calunias.
    Voces com suas bandeiras eu respeito,.Gostam do desembargador eu respeito,mas aceitem quem discorda..
    Se nos nos calcamos na meimice,o mundo ficará muito chato Carol,e voce não vai ter mais a curiosidade de ler alguma besteira que eu escrever.
    Tambem tenho certesa que o desembargador deve até rir desta escaramuça com seus pupilos,quanto a me processar.
    Prá que e por que garota,quanto ao josé,me desculpe que eu disse sobre a cegonha.Ela não o cagou,foi uma simples flatulencia.Tchau.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*