Chefe de UTI é presa em investigação sobre mortes no Evangélico | Fábio Campana

Chefe de UTI é presa em investigação sobre mortes no Evangélico

Ação policial investiga crimes contra a saúde pública e internação de pacientes (Henry Milleo/Agência de Notícias Gazeta do Povo).

Da Gazeta do Povo:

O Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Nucrisa), da Polícia Civil do Paraná, realizou na manhã desta terça-feira (19) uma operação no Hospital Evangélico, em Curitiba, parte de uma investigação sobre crimes contra a saúde pública e internação de pacientes. Durante a ação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão. Uma médica – chefe geral da Unidade Terapia Intensiva (UTI) do hospital – teve a prisão temporária decretada e ficará detida durante parte das investigações.

O Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção à Saúde Pública – divisão do Ministério Público do Paraná – acompanha o caso.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que vai participar de uma sindicância para investigar os casos de morte na UTI do hospital. De acordo com o órgão, uma médica foi presa sob suspeita de ser responsável por mortes de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva do Evangélico. A médica é a chefe-geral da UTI do hospital, a intensivista Virginia Soares de Souza.

Pela manhã, funcionários do Hospital Evangélico – que não quiseram se identificar – relataram que cerca de dez policiais estiveram no estabelecimento de saúde. Eles entraram pela portaria do setor de Nutrição e foram para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no quarto andar, segundo os empregados.

Alguns funcionários do hospital foram levados para a delegacia para prestar esclarecimentos. Dois policiais também saíram do hospital com envelopes de documentos, acompanhados de um médico – que não estava algemado.

A delegada titular do Nucrisa, Paula Christiane Brisola, afirmou que a investigação começou há um ano. Segundo ela, aproximadamente 30 funcionários da UTI do Hospital Evangélico serão ouvidos nesta terça-feira. A delegada disse ainda que a médica trabalha na instituição há 20 anos. Paula não deu detalhes sobre o caso, que corre em segredo de Justiça.

O Hospital Evangélico também relatou, via assessoria de imprensa, que foi instaurada uma comissão de sindicância interna para apurar os fatos denunciados e que não comentariam a ação policial porque não tem conhecimento adequado dos fatos para emitir qualquer parecer. Em relação à profissional detida, o hospital diz reconhecer sua competência profissional e afirma que, até o momento, desconhece qualquer ato técnico que tenha ferido a ética médica e foi cometido pela profissional

A Polícia Civil, por meio da assessoria de imprensa, disse que o caso é sigiloso e que as investigações ainda estão em curso. Uma coletiva de imprensa foi marcada para o final desta tarde, devido à repercussão do caso.


8 comentários

  1. JULIO CESAR DE SISTI
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 20:49 hs

    Pessoal….vão com calma ai….se começar a prender todo mundo por crimes contra a saúde pública, os hospitais, postos de saúde e muitos consultórios médicos serão fechados. Não vai sobrar ninguém!!!

  2. sheila
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 20:55 hs

    minha foi atendida por essa medica e no domingo ela acordou bem,e na segunda ela ja estava sedada e na terça ela morreu,quero justiça

  3. Pedro
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 6:41 hs

    Kd a vigilância sanitária para fiscalizar os hospitais? A saude esta uma vergonha.

  4. MArcelo
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 9:34 hs

    Nap é de hoje que essa mulher faz isso !! agora vai vim a tona tudo que essa bruxa fezz…JUSTIÇAA

  5. Marco
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 10:55 hs

    Mafia este Hospital!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. julio maitto lima
    quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 – 16:21 hs

    marco,voce deve ser um imbecil completo,o hospital não é acusado de nada.
    o atendimento dos postos de saúde é uma lastima
    o hospital envamgelico atende os piores casos de todos
    minha mãe chegou prsticamente morta lá e sobreviveu
    estava com 80% do corpo queimado
    foi tratada pela dra virginia
    casos que ninguem quer vão lá
    o hospital são vicente é mafia,controlado por uma mafioso
    se não fosse um manobrista santo o saul teria morrido
    de novo, você é um imbecil
    parabens campana

  7. Ricardo
    quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013 – 12:46 hs

    A médica, suposta assassina, admitiu que fumava muito e foram encontradas bitucas de cigarro na UTI. Ora, se o hospital não tomou nenhuma providência é culpado sim. Além disso testemunhas afirmam que essa prática de desligar os aparelhos também envolvia outros dois médicos. Ou seja, tudo acontecia e o hospital não está nem ai?

  8. PAULO
    domingo, 24 de fevereiro de 2013 – 19:50 hs

    TEM MUITA AGUA DEBAIXO DESSAS PEDRAS…..ESSA PSICOPATA TEM IR PARA UM MANICOMIO…ABRACAR O CAPETA…FDP

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*