As muitas facetas da omissão de socorro do São Vicente | Fábio Campana

As muitas facetas da omissão de socorro do São Vicente

Na foto da esquerda, Saul Raiz. Na da direita, o Hospital São Vicente.

Do Aroldo Murá, IC News:

A notícia direta, curta e grossa, fria e impressionante, foi dada no sábado, ao final da tarde, em primeira mão, pelo blog de Fábio Campana: o ex-prefeito Saul Raiz, 83 anos, ferido numa tentativa de assalto na Visconde de Nácar, foi, dirigindo seu próprio carro ao Hospital São Vicente, em busca de socorro.

Lá foi rejeitado, nenhum médico sequer colocou a mão nele, recusado ali porque – alegou o pessoal do hospital – esse tipo de atendimento não é de sua competência…

Além da notícia, é preciso lembrar: a) a omissão de socorro (e no caso, agravada por tratar-se de um hospital, a um ferido idoso) caracteriza crime, conforme a lei prevê; b) o Hospital Santa São Vicente é mantido por uma fundação (Fundação de Doenças do Fígado), instituição tida como de utilidade pública. É beneficiária de diversas isenções fiscais e apoios financeiros públicos, em função de sua natureza especial (mantendo o hospital geral e serviço de pronto atendimento); c) os médicos que estavam no Hospital na hora da ocorrência, “sequer encostaram a mão nele”, como disse depois o ‘anjo’ salvador de Raiz, um simples manobrista de estacionamento. De nome Gerson Lima, esse homem simples foi o exemplo de generosidade que faltou aos que vivem sob juramento de Hipócrates: ele colocou o ex-prefeito no carro de Saul e o levou ao Hospital Evangélico, onde o atendimento foi exemplar.

O curioso é que um dos profissionais médicos que teriam atendido a Saul Raiz, na sua entrada no Evangélico, teria proferido uma exclamação impressionante: “ Acontecendo de novo, no São Vicente?”…

Ontem, depois do almoço, Saul foi transferido do Evangélico – onde chegou a ficar em UTI, por medida de precaução – para o Hospital Pilar.

É bom, no geral, o estado de saúde do notável homem público, para alívio da multidão de amigos e admiradores que ele cultiva.


36 comentários

  1. Jorge
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 21:29 hs

    Que o próprio Saul Raiz não esqueça de ser generoso com o manobrista Gerson Lima. Que tal um emprego de gerente em suas edificações??? Dar valor a quem merece… Veja lá Saul Raiz… Dê valor a quem de direito.

  2. ANDRÉ
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 21:31 hs

    ESTES MÉDICOS, E SÃO MUITOS, PERDERAM
    O SENTIMENTO DE HUMANISMO E NO CASO
    DO SAUL RAIZ ATÉ O SENTIMENTO DE CIDADANIA.
    SINTO MUITO PELO QUERIDO SAUL MAS, COM CERTEZA,
    O FATO ACONTECIDO AJUDARÁ A EVITAR A REPETIÇÃO
    DE FATOS TAIS.
    ACÃO CIVIL PÚBLICA NESTES MAUS CIDADÃOS

  3. bico doce
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 21:53 hs

    Neste caso os homens da toga branca fizeram o Juramento de Hipócritas.
    Os dois crimes devem ser apurados e seguidos de punição exemplar. Tantos os delinquentes como os responsáveis pelo não socorro devem responder com duras penas.

  4. segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 21:56 hs

    Ao ler esta notícia nos jornais ” exclamei que brincadeira de mal gosto ” estão fazendo piada com a vida de um cidadão idoneo de 83 anos que muito contribuio com a nossa cidade. Quem tem acima de 45 anos sabe muito bem quem foi o senhor Saul Raiz.Ora esse comentário é dispensável trata -se de um ser humano, esse hospital merecer ser julgado com o rigor da lei.

  5. Escritor
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 22:22 hs

    Total repúdio a esses “médicos” e a esse hospital.

    Governador, BETO RICHA – PARA CIMA DELES……………

  6. REGINA FARIA GOMES
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 22:34 hs

    fico triste em saber que o ser humano não significa mais nada. as pessoas so fazem e atendem se for sua area pediatra, cardiologista mas eu entendo que um medico antes de tudo faz um juramento vou fazer o que puder para salvar o ser humano.e principalmente um hospital seja qual for a enfermidade não poderia se recusar a atender mas infelizmente e Brasil . senhores familiares do ex prefeito Sr Saul Raiz eu faria ate o fim pela reparaçao em que passou seu familiar assim evitaria mais disabores para outras familias mas infelizmente acontece todos os dias. desejo saude e breve recuperação.

  7. BOZO
    segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 – 23:31 hs

    PRA MIM É SIMPLES – CRIME DE OMISSÃO DE SOCORRO, PORTANTO, O RIGOR DA LEI A ESSES MERCENÁRIOS DA SAÚDE !!!

  8. Ricardo
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 0:17 hs

    Tenho certeza, que estando agora sob os cuidados do Hospital Pilar, o ex prefeito ira melhor!!
    Vale lembrar que o hospital pilar hj, é o melhor da cidade

  9. Trabalhador
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 5:21 hs

    Parabéns ao Gerson de Lima, essa grande e humano cidadão de nossa cidade, fico feliz porque temos pessoas como ele em Curitiba. Os médicos, provenientes em sua grande maioria, de famílias abastadas, tem como único valor o ‘DINHEIRO’, são em grande maioria ex-crianças mimadas que tiveram tudo, menos respeito pelo próximo e pela vida. Cadeia nessa gente e vamos aproveitar e criar mais cotas sociais no curso de medicina das nossas universidades públicas, levando gente do povo, que conhece a realidade do país, para atender o cidadão com dignidade. Boa parte da falência de nosso sistema de saúde, deve-se aos médicos eletizados, que não fazem a sua parte…

  10. Amauri
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 7:52 hs

    A Prefeitura deve cancelar o alvara de HOSPITAL.

  11. Gilberto Honda
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:02 hs

    O Hospital São Vicente é useiro e vezeiro neste tipo de atitude. Já ocorreu comigo algo parecido, e não é somente este hospital. Isto é prática corrente.
    O diferencial no caso do Prefeito Saul Raiz é que a imprensa, que também é hipócrita, neste se interessou, pelo peso que representa o cidadão, vítima do caso. Daí que o assunto ganhou espaço. O cidadão comum é, para o hospital, para os médicos (existem excessões) e para os jornalistas um ZÉ NINGUÉM. Como dizia o Velho Brizola, “São Interésses…..”!
    Lembro da campanha eleitoral de 2012, e quanta bordoada em cima dos Postos de Saúde da Prefeitura por problemas parecidos. Será que a culpa desta vez também é do Luciano Ducci? Fala aí Seu Gustavo Fruet? Viva o povo brasileiro!!!!!

  12. Ermenegildo Zegna
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:15 hs

    Cadê o CRM – Conselho Regional de Medicina ????????? Não irão se pronunciar ???????????????????????

  13. Gabriela
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:24 hs

    Sinceramente, acho deplorável o que aconteceu com o sr. Saul Raiz, mas, não foi diferente do que acontece diariamente com pessoas anônimas. Não apenas em instiuições como este hospital, como em todos os postos de saúde desta dita ‘capital de 1º mundo’ (kkkkkk), desta concorrente a melhor cidade do mundo. (kkkkk) Acho muito produtivo este debate, mas, precisamos deixar a hipocrisia de lado e inserir nesta pendenga, os pobres coitados que diariamente morrem por falta de atendimento, sob as mais diversas alegações.
    No sábado uma médica do hospital Pequeno Principe deixou de atender uma criança de 3 anos que teve um corte longitudinal no braço, que sangrava ininterrupta e significativamente, porque ele vinha encaminhado, devido a gravidade da lesão, pelo hospital das Nações (o mais próximo da casa da criança) àquele hospital. Após a negligência e falta de profissionalismo e humanidade da pseudo-médica, num ato de desespero, o pai, implorando atendimeno ao filho conseguiu que uma outra médica atendesse o menino e fizesse o que a infeliz de plantão se recusou a fazer: atender a criancinha sangrante com mais de 50 pontos em seu pequeno bracinho. É pena que isso não vire notícia, porque foi tão grave quanto, visto que há um estatuto da criança e do adolescente, o que agrava a negligência daquela monstra que estava no plantão do hospital Pequeno Principe. Neste caso o hospial não teve culpa, porque foi feita a triagem, o crime foi da pseudo médica que se recusou a atender a criança que se esvaia em sangue.

  14. Rodrigo
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:37 hs

    Saul Raiz era da ARENA, por isto os médicos de esquerda, queriam a morte dele.

  15. AnominoII
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:48 hs

    Queria ver se fosse a Dilma!!!

  16. Nobre Cristão
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 8:53 hs

    Aviso aos que aqui estão postando sua indignação: Nada, absolutamente nada, vai acontecer ao Hospital São Vicente e aos Médicos “juradores hipócritas” como, aliás, é regra neste país. Caso alguém discorde do que digo, estou aceitando apostas.

  17. Thiago Hart
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 9:09 hs

    Meu pai frequentou a emergência do Hospital São Vicente duas vezes no ano passado. Não temos queixa, fomos muito bem atendidos.

    No entanto, em uma das vezes que lá estávamos, de madrugada, ficamos conversando com a médica plantonista enquanto esperávamos o resultado de um exame. Ela relatou a situação de um cidadão que chegou baleado no hospital. Ela não podia fazer nada, pois a emergência do São Vicente não é uma emergência de trauma, mas apenas para casos clínicos e cirúrgicos que não envolvam trauma. Lá não há ortopedistas, técnicos de raio-x, buco-maxilos, etc de plantão.

    Segundo a médica, ela fez apenas o básico dos básicos, tampou o ferimento, ficou segurando enquanto pedia para que o SUS viesse, via Samu, buscar o paciente para levá-lo a um hospital que tivesse condições de atendê-lo. Pelo relato, isto foi dificílimo, pois o Samu se recusava a buscar o paciente uma vez que ele estava em um hospital. A médica, aflita, explicava que ela não tinha equipamentos e nem equipe para aquele tipo de atendimento, nem teria quando passasse a madrugada e o hospital estivesse a todo vapor.

    Segundo ela, o hospital informa que não atende traumas na emergência, que todos os planos de saúde sabem disso, bem como o SUS.

    Enfim, penso que o hospital deveria ser mais claro e de fato informar que não atende a todos os tipos de caso. Creio que também cabe ao SUS ser mais simpático e prestativo com estes hospitais – e o São Vicente não é o único a sofrer com isso – ao criar dificuldades e forçar que os hospitais façam o atendimento que eles não estão preparados para fazer. São hospitais particulares, privados, que têm o direito de limitar – dentro da regulamentação – seus atendimentos.

    No caso relatado pela plantonista não houve omissão de socorro. Agora, se é verdade esta omissão desde último caso, sequer dando os primeiríssimos cuidados, aí sim o hospital deveria tomar providências drásticas.

  18. Júnior
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 9:40 hs

    Aonde e quando, um médico que fez o juramento de “Hipócrates”, dá exclusividade ao atendimento de um gripado ou outra pequenez clínica, simplesmente não se importando com a morte de um ser humano, logo a seu lado?

    CHEGA DE TANTA HIPOCRISIA dos nosocômios e profissionais da saúde!

  19. Celso Rocha
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 9:55 hs

    O HOSPITAL SÃO VICENTE DE CURITIBA, ATRAVÉS DA SUA DIRETORIA COM SUAS DECISÕES ADMINISTRATIVA, DEVE SER MAIS INVESTIGADA DO QUE QUALQUER FUNCIONÁRIO NA PORTARIA OU MÉDICO DE PLANTÃO!

    Fábio e demais, segundo o Artigo 135 do nosso Código Penal Brasileiro estará caracterizado o crime de omissão de socorro quando o agente: “Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública.” Dessa forma, repetindo, a lei obriga a todo e qualquer indivíduo indiferente das circunstâncias, desde que não corra risco de vida, que vive em sociedade o dever de, em certos casos, desde que não ponha o indivíduo sob risco pessoal, prestar assistência ás pessoas que dela necessitam através do dever de solidariedade imposto a todos. O Art. 135 traduz uma norma de solidariedade humana, sob o imperativo legal. Já não se trata de simples dever moral, mas de uma imposição da lei. De acordo com esse entendimento percebe-se que o socorro ao ser humano é, na verdade um dever predominantemente moral, mas imposto a todos por força da lei. O sujeito ativo deve estar no lugar e no momento em que o ser humano necessitado precisa de socorro; caso contrário, se estiver ausente, embora saiba do perigo e não vá ao seu encontro para salvá-lo, não haverá crime, pois o crime é omissivo, e não comissivo.
    RESUMINDO: além disso, a omissão de socorro se caracteriza pela conjugação de duas condutas: o agente não prestar socorro à vítima (O HOSPITAL COM SEUS FUNCIONÁRIOS FORAM OMISSOS); e não solicitar o socorro à autoridade pública responsável (QUE SERIA O SIATE OU SAMU, POIS, QUEM TRANSPORTOU O (CIDADÃO) EX-PREFEITO DE CURITIBA SAUL RAIZ PARA OUTRO HOSPITAL FOI UM MANOBRISTA QUE ESTAVA NA GUARITA DA ENTRADA DO ESTACIONAMENTO QUE TRABALHA NUMA EMPRESA TERCEIRIZADA).
    “Pisaram na bola feio!”
    Isto, sem contar da indenização por danos morais que terão que pagar ao ser humano e cidadão Saul Raiz!

  20. Celso Rocha
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 9:56 hs

    AO MÉDICO QUE ESTAVA DE PLANTÃO, POR GENTILEZA, TERÁ QUE REVER SEUS ESTUDOS DE ÉTICA MÉDICA NA FACULDADE E LER UMAS 1.000 VEZES E EM VOZ ALTA EM PRAÇA PÚBLICA O TÃO DECANTADO JURAMENTO DE HIPÓCRATES!

    Fábio o Juramento de Hipócrates foi atualizado em 1948 pela Declaração de Genebra, a qual vem sendo utilizada em vários países por se mostrar social e cientificamente mais próxima da atual realidade. Sendo que há uma versão mais atualizada que é atualmente utilizada no Brasil na formatura dos futuros médicos, sendo a mais difundida que seria a seguinte:
    “Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência. Penetrando no interior dos lares, meus olhos serão cegos, minha língua calará os segredos que me forem revelados, o que terei como preceito de honra. Nunca me servirei da minha profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime. Se eu cumprir este juramento com fidelidade, goze eu para sempre a minha vida e a minha arte com boa reputação entre os homens; se o infringir ou dele afastar-me, suceda-me o contrário”

  21. Tisa Kastrup
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:00 hs

    Minha mãe é médica, fez o Juramento de Hipócrates e para HONRÁ-LO, já atendeu até no chão no Hospital de Clínicas e no do Trabalhador, em plantões atribulados. Já os hipócritas do Hospital São Vicente, não passam de covardes de plantão.

  22. debora
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:12 hs

    ABSURDO E INACEITAVEL!

  23. cleide
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:15 hs

    Amigo.. eu conheço um caso de uma senhora que faleceu lá á espera de um atendimento com dor no peito , á espera durou duas horas, nesse hospital da morte, ai veio a falecer de parada cardiáca, as autoridades devem tomar uma medida contra esses matadouro, quantos SAUL , foram rejeitados e estão em outro plano, cade os profissionais da medicina que juaram salvar vidas kkk o dinheiro fala mais alto , na hora da morte não tem pobre nem rico somos todos iguais, mais e preciso acontecer com um rico, para alertar que os pobres se calam diante do descaso do atendimento,Õ VAMOS CONTRUIR UM PRONTO SOCORRO AI…para atender os Sauls da vida….

  24. zangado
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:29 hs

    Está se falando muito no hospital que negou socorro, mas, e os criminais?
    E a falta de segurança?
    E as armas?
    Geralmente, ficamos nas consequências (quase sempre fatais para a sociedade) enquanto as causas ficam relegadas a segundo plano.
    Jovens perigosamente armados no centro da cidade e o que dizem as “autoridades”?
    Nada ou quando muito “foi um caso isolado” – vamos à maratona das próximas eleições !!!

  25. Edson
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:30 hs

    Amigo, se fazem isso com o Saul Raiz, imaginem o que fazem com as pessoas simples e desconhecidas que procuram atendimento nos postos e casas de saúde.

    É o tal de empurra-empurra que estamos acostumados a ter notícia..

    IMAGINA NA COPA!

  26. Franco
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:33 hs

    Gente, é simples entender: o Hospital São Vicente quer mesmo o público “classe A” de Curitiba, quer concorrer com o Vita, o Marcelino Champagnat…Mas não quer abrir mão dos consistentes recursos do SUS, porque dinheiro (ao contrário de paciente pobre) não fede, como diziam os romanos. Quantos e quantos já não foram dispensados desse mesmo jeito ? É claro, que se alguém desconfiasse que se tratava de uma pessoa “importante” (todas as pessoas são importantes né?), o ex-Prefeito seria tratado com honras dignas de um chefe de estado. Mas gostei que ele está bem e de o fato ter sido propalado aos quatro ventos…

  27. dibel
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:50 hs

    É por essa e outras que ainda boto fé em médico das antigas. Que resolviam desde unha encravada, parto e até machadada no crâneo.
    Hoje o camarada é tão especialista que se recusa a prestar socorro alegando não saber o que fazer; que não é especialista em emergências.Ora, mas médico é médico em qualquer situação! Tem a obrigação moral e legal de não se omitir! Ou então é necessário reciclar o curso de medicina, regredindo-o uns quarenta anos e voltar à época quando realmente quem se propunha a ser médico tinha vocação para tal e não apenas pensava em contar moedas como é o caso da maioria hoje. Se não tiver dinheiro morre! Por óbvio que minha observação não se aplica aos médicos (antigos e novos!) de verdade que, apesar de poucos, ainda existem e por certo orgulham suas famílias, seus clientes e a sociedade que sabe que pode contar com eles em qualquer momento.

  28. Leika
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 10:56 hs

    Como assim, um hospital do porte do São Vicente, não tem ambulância?????

  29. PAULO MATTOS
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 11:43 hs

    Todos os dias nos hospitais, negam-se atendimento á população… Eu mesmo passei já por isto algumas vezes e ninguem publicou nada, pois sou um simples mortal. Mas quando se prejudica um figurão como estes, a coisa muda de figura.
    Quem não concorda, que fique quieto.

  30. JULIO CESAR DE SISTI
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 12:13 hs

    Só está se dando publicidade ao ocorrido, porque foi com um homem de status. Se tivesse ocorrido com outro qualquer – e acontece todos os dias no país inteiro – a publicidade não ia ser a mesma!!! Vamos tomar vergonha na cara e ter sentimentos humanos para todos e não para só para os endinheirados e políticos!!! Saul Raiz foi uma vítima como muitos outros!!!!

  31. QUESTIONADOR
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 12:18 hs

    -A saúde no Brasil é caso de polícia, acho que nem polícia mais, já extrapolou…
    -Nem uma ex-autoridade, homem público que contribuiu para a população de Curitiba, escapou de ato covarde. Sim, digo covarde, pois uma pessoa ferida à bala e ainda mais sendo idosa, não mereceu sequer um atendimento no primeiro hospital que apareceu.
    -Digo mais, deveria ser feita uma auditoria pelo TCE e da Ministério Público Estadual se este hospital, realmente, preenche os requisitos de utilidade pública, caso contrário, deverá sofrer os rigores da lei.

  32. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 12:52 hs

    Meu Deus!
    Eu não sabia que o Hospital São Vicente está sem ambulância.
    E pensar que já foi ótimo em tempos passados.
    Quem administra o hospital hoje?
    Como chegou a isso?

  33. PAULO MATTOS
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 15:19 hs

    AOS HIPÓCRITAS QUE AQUI ESTÃO DE PLANTÃO:
    Por que ficam indgnados? Isto acontece todos os dias no país inteiro.
    Estão indignados por que aconteceu com um figurão? Por que voces não tem tambem os mesmos sentimentos com pessoas “normais“?
    Parem de falar besteira. O Saul tem dinheiro para pagar os médicos.
    Aposto que nenhum de voces vão á um hospital ajudar qualquer pessoa que seja. Mas quando acontece com um homem público, ficam aos berros.
    BAHH CHEGA DE VOCES.

  34. Thiago
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 16:54 hs

    Esse hospital SEGURA os pacientes que tem plano de saúde na UTI para ganharem diárias dos planos de saúde, fizeram isso com meu pai. Já se for paciente do SUS, sai antes mesmo do necessário.

  35. Allexia
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 19:52 hs

    E até agora não vi, nem ouvi nada, nenhuma manifestação do prefeito Gustavo Fruet em relação ao fato. Que tal o prefeito se manifestar e de forma exemplar tirar o hospital do credenciamento? E que tal o ministério público agir de forma exemplar também? Uma vez na vida por favor!

  36. De olho nas notícias!
    terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 – 20:05 hs

    Acima de tudo desrespeitaram o Estatuto do Idoso. O fato ocorrido com uma pessoa notória, que garanto, não chegou lá com arrogância e prepotência pois não é do feitio do Sr. Saul, serviu para mostrar a real situação do atendimento nos hospitais… Na minha opinião: primeiro erro – não atender,lógico. Segundo: deveriam ter acionado a polícia. Terceiro: se não tem ambulância, chama o SIATE, que prontamente atenderia…. Será que eles pensaram que seriam lesados por falta de plano de saúde ou pagamento de honorários?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*