Elias Mattar Assad deixa a defesa de Furiatti | Fábio Campana

Elias Mattar Assad deixa a defesa de Furiatti

O ex-prefeito da Lapa, Paulo Furiatti, preso sob acusação de fraude em licitação pelo Gaeco, terá de mudar de advogado. Elias Mattar Assad decidiu deixar sua defesa. A seguir, a nota de Assad enviada à imprensa:

“A partir de hoje, não prossigo na defesa de Paulo Furiatti, ex-prefeito da Lapa. Há muitos advogados (dos demais acusados) com abordagens e métodos de trabalho diferentes dos meus. Desejo ao Paulo pleno sucesso e que a Justiça seja feita.”
Curitiba, 17.1.2013 –
Elias Mattar Assad


6 comentários

  1. TROLL
    sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 – 9:07 hs

    È a tipica declaração “políticamente correta “e sem nenhum fundo de verdade. Estaria querendo unanimidade de procedimentos? Então para que tantos advogados?
    Cuide do teu cliente e os outros que façam o mesmo com os seus, não é?
    Tenho certeza que caiu a ficha da “banana” que iria enfrentar e aí saiu de fininho. Tem podreira a dar com o pau neste caso.

  2. sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 – 10:49 hs

    O advogado tem o livre arbítrio de defender ou não uma causa, mas quando ele a abraça deve seguí-la até o final. Discordar de defensores de outros acusados, por abordagens e métodos de trabalho diferentes dos seus não é desculpa suficiente para deixar a defesa de Paulo Furiatti. É simples deixar que os outros façam o que bem entendem e o nobre advogado faça a sua defesa sem se imortar com os outros. Me admira muito tal procedimento, ainda mais de quem foi Presidente de órgão importante da OAB-PR. A desculpa é esfarrapada e a meu ver sem sentido plausível para tal atitude. Aí tem boi na linha!

  3. sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 – 10:51 hs

    O advogado tem o livre arbítrio de defender ou não uma causa, mas quando ele a abraça deve seguí-la até o final. Discordar de defensores de outros acusados, por abordagens e métodos de trabalho diferentes dos seus não é desculpa suficiente para deixar a defesa de Paulo Furiatti. É simples deixar que os outros façam o que bem entendem e o nobre advogado faça a sua defesa sem se importar com os outros. Me admira muito tal procedimento, ainda mais de quem foi Presidente de órgão importante da OAB-PR. A desculpa é esfarrapada e a meu ver sem sentido plausível para tal atitude. Aí tem boi na linha!

  4. Divanir
    sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 – 12:27 hs

    Se os demais advogados e ou acusados falam outra língua, pra alguém vai sobrar, como está sobrando. Acho que cada um quer tirar o seu da reta, aí fica complicado advogar, ou ajudar a contar aborinhas.

  5. Zé do povo
    sábado, 19 de janeiro de 2013 – 8:45 hs

    O Furiatti já se envolveu me outras pendengas. Conab, escândalo Banestado, praça de pedágio da Lapa, etc..

  6. Anônimo
    segunda-feira, 21 de janeiro de 2013 – 15:00 hs

    E os bandidos continuam soltos. E a sujeirada dos que não foram presos tbm continuam …. Etá Brasil! Que tal uma visao mais contextualizada, e deixar de se importar com pequenos.
    Vara pequena pesca apenas peixe pequeno.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*