Médicos param contra planos de saúde | Fábio Campana

Médicos param contra planos de saúde

Em protesto contra os planos de saúde, médicos de todo o Paraná deixarão de atender por 15 dias, a partir desta segunda-feira. A paralisação atinge apenas as consultas eletivas. O atendimento de emergência não será alterado. O médicos reivindicam reajuste do valor da consulta e regularização dos contratos, entre outras medidas. A Associação Médica do Paraná informa os planos de saúde que ficarão sem atendimento. Veja no Leia Mais.

Allianz, Amil, Associação Evangélica Beneficente de Londrina, Bacen, BB Seguros Saúde, Bradesco Saúde, Caixa Economica, CAPE Sesp, Cassi, Clinipan, Conab, ECT, Embrapa, Evangélico Saúde, Fassincra, Fundação Acefaz, Fundação Saúde Itaú, Fups, Geep, Golden Cross, Sempre Vida, Itaipu Binacional, Itau SegSaúde, JudiciMed, Maritma, Medial Saúde, Municipais de Londrina, Nossa Saúde, ConSaude, Ourodont Proclin, Paraná Assistência Média, Paraná Clinicas, Petróleo Brasileiro, Plan-Assist, Polisaúde, Porto Seguro Saúde, Pro Asa, Santa Casa de Misericórdia de Maringá, Santa Rita Saúde, Saúde ideal, Sesef, Sulamerica Saúde, Uniclínicas.


4 comentários

  1. Luiz Alberto Pereira Chaves
    quinta-feira, 8 de novembro de 2012 – 14:19 hs

    SOU FAVORAVEL QUE PAREM, SALÃO PARA FAZER MÃO E PÉ DE UMA SENHORA COBRA 55,00, O PLANO DE SAUDE QUER PAGAR 30,00, PARA UM PROFISSIONAL QUE ESTUDOU 15 ANOS PARA SALVAR VIDAS, ISSO É UM DESRRESPEITO COM A CLASSE MÉDICA DO BRASIL.

  2. Reinoldo Hey
    quinta-feira, 8 de novembro de 2012 – 20:19 hs

    Estão de parabéns!!!!

  3. Tisa Kastrup
    quinta-feira, 8 de novembro de 2012 – 21:25 hs

    Um obstetra que faz o parto de trigêmeos tem em suas mãos as vidas de 4 – QUATRO – pessoas pela ridícula e indecente soma de R$ 165,00. E não é “por cabeça”, é para a turma toda. Alguém em sã consciência considera isso justo?

  4. Carlos Gomes de Souza
    sexta-feira, 9 de novembro de 2012 – 15:24 hs

    Os médicos podem até viver sem planos de saúde, mas nós não. Cria-se um impasse pois ao adoecermos temos que procurá-los ou irmos para o atendimento público, o SUS. Sabemos da precariedade deste atendimento. Como é que fica? Golias contra David! Reconhecemos que os médicos, muitos formados em universidades públicas, devem ganhar bem mas não tripudiando sobre os nossos cadáveres. Mas ganhar bem, viver dignamente não deve ser somente um privilégio dos médicos e, sim, de todos os brasileiros. Não é a questão de ficar rico, é a questão de viver com dignidade. Se os 100 bilhões anuais da corrupção fosse destinados a saúde, educação e segurança, nem os médicos, nem nós, estaríamos nesta miséria. Iluminados os juízes do STF que lutam para mostrar aos brasileiros que a corrupção, pelo menos nestes patamares, pode ter um fim.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*