Íris Simões assume vaga na Câmara de Curitiba e anuncia fim da carreira | Fábio Campana

Íris Simões assume vaga na Câmara de Curitiba e anuncia fim da carreira

Do G1 PR:

O ex-deputado federal e ex-vereador de Curitiba Íris Simões (PR) assumiu novamente uma vaga na Câmara Municipal da capital na manhã desta segunda-feira (5). Durante o discurso de posse, Simões aproveitou para anunciar o fim da carreira política dele e do irmão, Carlos Simões, ex-deputado estadual.

Íris herdou a vaga deixada pela ex-vereadora Nely Almeida (PSDB), que morreu na última segunda-feira (29), por ser o primeiro suplente não empossado da coligação firmada entre os dois partidos para a disputa da eleição em 2008. Ele foi presidente do Legislativo Municipal entre os anos de 1995 e 1996, durante o segundo mandato como vereador. Ele se elegeu deputado federal em 1998, tendo renovado o mandato em 2002. Em 2006 foi suplente de deputado federal e em 2010 teve o registro de candidatura negado.

De acordo com Íris, foi justamente a negativa do pedido de registro que o levou a ponderar pela aposentadoria da vida pública. “Já fizemos nossa parte na política, agora vem o basta. Vamos ficar na nossa vida particular, cuidar das nossas coisas, da nossa família”, afirmou o vereador, que fica no cargo até o fim da legislatura atual. Ele desejou sorte aos novos parlamentares que entram na Casa a partir de 2013. “Tem muita gente nova chegando aí, que façam um bom trabalho”, afirmou.

Íris Simões foi considerado inelegível em 2010 após ter sido condenado em 2006 junto de Carlos Simões, então deputado estadual, por abuso de poder econômico e uso indevido de meios de comunicação na campanha eleitoral.

De acordo com o Ministério Público Eleitoral, os irmãos faziam doações para eleitores de diversos utensílios, como inaladores, cadeiras de rodas, medicamentos, fraldas, muletas, dentaduras, entre outros. As doações eram feitas no escritório político dos irmãos, conhecido como “Casa do Povo”. A Polícia Federal chegou a apreender objetos e documentos no local em 2006, e Carlos Simões teve o mandato de deputado cassado em 2009.

Apesar desta condenação, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Paraná, Iris Simões não se enquadra na Lei da Ficha Limpa, que barra políticos condenados pela Justiça em decisão colegiada (por mais de um desembargador). Como a lei é de 2010, passou a valer em 2012 e não retroage, o registro de candidatura de 2008 foi mantido e ele pôde assumir a vaga.

Foto: Mauricio Lima / AFP.


14 comentários

  1. segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 13:25 hs

    E ainda teremos de aguentar por dois meses, mais as benecias do cargo-Vai para bem longe Iris

  2. vigilantes do peso
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 14:04 hs

    Hora, pois, aposentado e inelegivel, ou seja, aposentadoria compulsória…

  3. Pablo
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 14:31 hs

    EMENTA: “O princípio da retroatividade da lei se aplica no campo do direito penal. Nesse caso a lei não está retroagindo e sim alcançando fatos anteriores. A lei é daqui pra frente, mas nada impede que ela abarque comportamentos praticados anteriormente. Simplesmente o que a lei diz é que pessoas que tiveram condenações nos oito anos anteriores não têm condição de assumir um cargo público, porque não atendem os critérios de moralidade e probidade para atuar em um cargo público”.

    ELE FOI CONDENADO CADE A JUSTIÇA????

  4. Ficha Limpa
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 14:53 hs

    Gostaria de fazer uma pergunta…
    A Vereadora morreu faz uma semana, deu tempo do Vereador pegar todas as certidões negativa ? ou tomou posse sem apresentar ?

  5. JUSTIÇA
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 14:56 hs

    Infelizmente,temos um candidato mais sujo do que…e temos que acredita que a ficha limpa vai mudar tudo.
    Candidatos que tem a arrogancia e a petulância de assumir a posse,e ainda em um discurso ridículo anucia o fim de sua carreira ( lembrando que não é por que o candidato não quer continua, e sim pelo simples fato da LEI DA FICHA LIMPA não permitir sua candidatura).
    O TSE não deveria permitir individuos como este assumir algo,pois não assume nem seus próprios erros.

  6. HENRY
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 15:14 hs

    COMO DIZ O DITADO VULGAR: “demorô”.

  7. carlos sesqueto
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 16:22 hs

    QUE PENA…

  8. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 16:24 hs

    -Será que vão se aposentar???
    -Duvido muito!!!
    -Afinal em termos de política tudo pode e tudo é permitido!!!

  9. Cajucy Cajuman
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 20:56 hs

    “Já fizemos a nossa parte na política”. Sem dúvida, fizeram, porém, ficaram devendo e muito aos paranaenses, nesses anos todos, cuja recíproca não foi verdadeira. Houve quebra da fidelidade do voto sagrado na urna.

  10. Marcos
    segunda-feira, 5 de novembro de 2012 – 21:46 hs

    Até que enfim !!!!!!!!!!!!!!!!

  11. bacamarte
    terça-feira, 6 de novembro de 2012 – 0:25 hs

    Dois a menos ! Está melhorando.

  12. Vigilante do Portão
    terça-feira, 6 de novembro de 2012 – 3:21 hs

    PQP, só dá esse tipo de gente.

    O cara é “ficha suja”.

  13. Dana
    terça-feira, 6 de novembro de 2012 – 17:04 hs

    O povo Curitibano agradece sua saída ! Tchau ….

  14. Flavio
    quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 – 13:37 hs

    Graças a Deus foi embora, familia que rouba unida se aposenta junto.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*