Adultério e política | Fábio Campana

Adultério e política

A renúncia do diretor da CIA, o general David Petraeus, ao alegar caso extraconjugal, confirma que nos EUA adultério derruba homens públicos. Aqui é diferente. Em nossa cultura, a vida afetiva, sexual, orgiástica não incomoda as instituições e nem o eleitorado. O máximo que pode acontecer é algum protesto quando a teúda e manteúda é mantida pelo erário público.


6 comentários

  1. Deutsch
    sábado, 10 de novembro de 2012 – 23:02 hs

    Povo ignorante é assim mesmo. Os políticos pintam e bordam e os eleitores não estão nem aí. Isso é falta de cultura, de esclarescimento,e falta de educação. Não devemos esquecer que os políticos vem do povo, e se o povo é burro, acaba elegendo seus iguais.
    Pra que cobrar alguma coisa, se a maioria tem acesso a qualquer bolsa-mer…e continuam sendo enganados pelas promessas não cumpridas.

  2. Washington
    domingo, 11 de novembro de 2012 – 9:18 hs

    O que tem a ver problema extraconjugal com a administração Publica ou Privada? O que tem de se avaliar são seus atos administrativos. Se envolver em sua vida particular só pode ser porque os que os fazem oposição não encontram manchas em seus atos administrativo ou criminal. Isto ai ele que se entenda com sua mulher! Neste quesito então estamos a frente dos EUA, pois como diz o FB, só se atingir o erário Público que o povo se manifestara.

  3. zangado
    domingo, 11 de novembro de 2012 – 11:48 hs

    Em parte, o caso do general e diretor da CIA pode ser até desculpa esfarrapada devido aos importantes e estratégicos postos da autoridade; pior já aconteceu com presidentes e foi revertido a fábulas de Camelot; a “coisa” existe à nivel plenatário; o ser humano não mudou biológicamente um cabelo nos últimos 30 mil anos, e mais: quando um não quer dois não transam ou melhor, transacionam …

  4. zangado
    domingo, 11 de novembro de 2012 – 12:53 hs

    El Pais, 11/11/2012:

    La renuncia de Petraeus

    (…) El ya exjefe de la CIA y general más laureado de EEUU ha renunciado por sorpresa al cargo después de que una investigación del FBI iniciada hace meses, y no centrada específicamente en su persona, destapase que estaba implicado en una relación extramarital con su biógrafa. (…)

    (…) “En tanto que guardián supremo de los secretos de EEUU, el conocimiento por malintencionados terceros de su asunto de faldas le colocaba en una situación insostenible como blanco perfecto de eventuales chantajes. Un riesgo de seguridad inasumible para la superpotencia.”

  5. marina de oliveira
    segunda-feira, 12 de novembro de 2012 – 9:22 hs

    se a moda pega cai alguns comandos no paraná

  6. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 12 de novembro de 2012 – 10:50 hs

    O general não caiu por causa do adultério. Caiu porque mentiu, porque nos EUA para tomar posse e manter-se em certos cargos públicos deve-se jurar que não há fato pessoal que ponha em risco o governo e que, se houver algo superveniente, revelará aos seus superiores. Ele mentiu e poderia ser chantageado, com graves consequencias para o governo. Lá como cá, puladas de cerca de políticos só tem importância se puserem em risco ou constrangerem o governo. No Brasil é pior porque a(o)s amantes, não raro, são mantida(o)s pelo dinheiro público. O mais grave é que se Obama sabia antes da eleição e não revelou, escondeu; e se não sabia, o FBI escondeu do presidente. A verdade é uma só: todos mentem.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*