Há 2 dias das eleições, Catanduvas tem nova candidata | Fábio Campana

Há 2 dias das eleições, Catanduvas tem nova candidata

Olímpio de Moura, única opção de voto para prefeito em Catanduvas teve o registro indeferido pelo TSE na quinta-feira. Nova candidata ao cargo vai ser a mulher dele, Noemi Moura.

Do G1 PR:

O partido do único candidato a prefeito de Catanduvas, no oeste do Paraná, Olímpio de Moura (PMDB), protocolou no início da tarde desta sexta-feira (5), a nova candidata que irá concorrer ao cargo na eleição de domingo (7). Trata-se de Noemi Shimidt de Moura (PMDB), mulher de Olímpio.

Na noite de quinta-feira (4), na última sessão de julgamento antes da votação para as eleições municipais, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu negar o registro de Moura. Ele teve a candidatura indeferida porque foi condenado por descumprir a Lei de Licitações. Por isso, ele fica inelegível até 2019.

Segundo a defesa do candidato, a condenação veio em razão de um contrato de comodato realizado pela Prefeitura de Catanduvas em 1997 e que não houve crime contra a administração pública. Sustentou que teve as contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado e pela Câmara de Vereadores sem ressalvas.

Conforme o TSE, mesmo com a escolha da nova candidata ao cargo de prefeita, a foto de Olímpio Moura continuará na urna e os votos serão computados para a nova candidata. Isso porque, a três dias do pleito, não é mais possível mudar os dados das urnas eletrônicas.

Ao G1, Moura disse que nunca imaginou que uma coisa “tão insignificante” que aconteceu há anos poderia influenciar na candidatura dele. “Eu estou me sentindo injustiçado (…). Eu aceito, mas não concordo”, completou.

Segundo ele, já havia um acordo pré-estabelecido de que a esposa dele assumiria, caso a candidatura fosse indeferida. O ex-candidato disse que, durante a campanha, a população já estava sendo alertada quanto a uma possível substituição.

Moura afirma que a escolha teve 100% de apoio dos nove partidos coligados e também da população. “Eu já falava, se houvesse impugnação, os votos meus seriam para a minha esposa Noemi”, contou. Ele disse ainda que Noemi o acompanha na política há 42 anos e que ela tem experiência para assumir a prefeitura.
Como ela é a única candidata da cidade, que tem pouco mais de 10 mil habitantes, poderá ser eleita com apenas um voto. Contudo, segundo a 166ª Zona Eleitoral de Catanduvas, ela vai concorrer à eleição na condição pendente de julgamento. Ou seja, a Justiça tem cinco dias para dizer se ela é inelegível. Caso seja, uma nova eleição deverá ser realizada na cidade.


2 comentários

  1. jobalo
    sexta-feira, 5 de outubro de 2012 – 20:49 hs

    Pra variar cunhada do dep nereu moura, cujo cassado, já foi prefeito várias vezes, quer mais ou basta.

  2. Flávius
    sexta-feira, 5 de outubro de 2012 – 22:46 hs

    E oTRE vai deixar por isso mesmo? A mulher se elege e quem vai dirigir o municipio será o “inelegivel”. Legal isso, né? É isso que estamos legando às gerações futuras? É isso que é correto? E essa a ética e moral que tem nossos políticos e juízes? Simples assim; é só aceitar que isso está certo e tudo bem? É isso? Quantos pontos de interrogação vocês querem que se use para obter-se uma resposta justa? Quantos???????????? Mais???????????????????

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*