Beto Richa manda reduzir em 20% os gastos do Governo do Paraná | Fábio Campana

Beto Richa manda reduzir em 20% os gastos do Governo do Paraná

Novas contratações estão proibidas em todos os órgãos da administração. Corte orçamentário entra em vigor em 1º de novembro deste ano (Foto: AENotícias).

Do G1 PR:

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), assinou um decreto que determina corte de 20% nas despesas do Estado, a partir de 1º de novembro. Com a medida, o governo espera economizar R$ 180 milhões e fechar o ano dentro das previsões orçamentárias, pagando tudo que foi contratado.

Além disso, o ato foi justificado como uma forma da administração estadual corresponder a Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina equilibro entre arrecadação e despesas.

A economia deve ocorrer nos gastos com água, energia elétrica, telefonia, combustíveis, materiais para escritório e limpeza, diárias e passagens, serviços terceirizados e manutenção de bens móveis e imóveis.

As despesas com pessoal também deverão ser foco de cortes. De acordo com o decreto, datado em 19 de outubro, todos os órgãos vinculados ao Governo do Paraná, terão que diminuiu despesas com pessoal e encargos, em especial, com contratações. Novas admissões só estão autorizadas se visarem substituir aposentadoria, falecimento ou exoneração de funcionários. Pagamentos de horas-extras e adicional por serviço extraordinário também estão suspensos.
saiba mais
TCE-PR analisa aumento de salário a professores universitários estaduais
Com ressalvas, TCE aprova contas de 2011 do governo do Paraná
As restrições se expandem ainda às contratações de aluguel, maquinário e carros – exceto os veículos destinados ao setor de segurança pública.

“A medida imposta por decreto pelo Governo do Estado vai contribuir para compensar a redução das transferências federais neste ano, que prejudicaram a execução orçamentária do Paraná e de todos os demais estados brasileiros. Até agosto houve redução real de 2,33% nas transferências da União ao Paraná. Isso representa R$ 245 milhões que deixaram de entrar no caixa do Estado”, diz trecho da nota divulgada pelo governo.

A Secretaria de Estado da Administração e da Previdência e a Coordenação de Controle Interno serão responsáveis pela fiscalização das reduções nas demais unidades de governo.

TCE emitiu alerta
Em julho, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) aprovou as contas do governo estadual referentes a 2011, com ressalva. Um dos aspectos levantados pelo relator, conselheiro Hermas Brandão, foi o gasto com pessoal. À época, o TCE emitiu um aleta em relação a este tipo de despesa.


8 comentários

  1. Kaká/Ctba.
    quarta-feira, 24 de outubro de 2012 – 22:04 hs

    E para o ano de 2013 está previsto mais taxas – TAXA DE INSPEÇÃO VEICULAR, para reforçar os cofres do Governo. Taxa está que já tem seu destino traçado. Em 2014 será apresentada como proposta de governo a sua extinção. E assim caminha a humanidade.

  2. Kaká/Ctba.
    quarta-feira, 24 de outubro de 2012 – 22:05 hs

    E ELE pousando sempre de BOM MENINO.

  3. PALMENSE
    quinta-feira, 25 de outubro de 2012 – 0:43 hs

    O PARANA É O ESTADO DO ENEM

    E NEM FABRICAS COMO A DA BMW
    E NEM INVESTIMENTOS
    E NEM AUMENTO DA FORCA POLICIAL
    E NEM IPROJETOS DO GOVERNO ESTADUAL
    E NEM GOVERNADOR QUE SAIBA GOVERNAR

    ESTÁ CLARO QUE NOSSO GOVERNADOR ESTÁ PERDIDO
    NÃO SABE GOVERNAR

  4. Asdrubal
    quinta-feira, 25 de outubro de 2012 – 1:57 hs

    Engraçado alguns comentaristas daqui……….

    Quer dizer então que se o cara não fez nada em 2 anos não dá pra criticar?

    Ney Braga, nos anos 60, pegou um estado em dificuldades do Moises Lupion. O PR não tinha internet ( não tinha facebook, nem blog pra se queixar rsrsrss), não tinha energia elétrica, saneamento, estrada, rodovia, telefonia e, para piorar, o Banestado estava quebrado.

    Com o planejamento que ele fez, em 4 anos, modernizou esse estado espalhando obras, investindo maciçamente na Copel, criou a Sanepar, a Telepar, a CELEPAR, recuperou o Banestado
    (graças a administração de Máximo Kopp, eterno presidente do BANESTADO) e a Codepar, mais tarde o BADEP que o senador com pós-graduação extinguiu.

    Fez pouca coisa ainda, a tal da Rodovia do Café!

    O Ney Braga fez tudo isso em 4 anos de mandato em condições totalmente adversas. Já o chocador de gestão não fez nada e tem muito baba ovo desse desgoverno pelo que tô percebendo.

    Percebe-se a diferença do gestor de verdade (Ney Braga, Jayme Canet) e de políticos populistas viciados em marketing (Requião, isso que assumiu em 2011…….o senador com pós-graduação)

    Falando que a culpa é do antecessor justifica a incompetência gritante da atual gestão.

    Já que esse tirador de férias não fez nada, merece perder em 2014 e assim funciona a democracia. Se o gestor não tem capacidade de resolver problemas em 4 anos, que suma do cargo e que outro assuma!

  5. BOZO
    quinta-feira, 25 de outubro de 2012 – 8:04 hs

    O governo Beto Richa é simplesmente ridículo … os serviços públicos estão pedindo socorro, imaginem agora … e o pior é que temos ainda dois anos para aguentar este mala do Beto Boy. Ahhh se arrependimento matasse !!!

  6. sattis
    quinta-feira, 25 de outubro de 2012 – 9:35 hs

    pra não dizer que não ta fazendo nada ou menos deixe a casa arrumada pra Gleisi

  7. Vanessa cordeiro
    segunda-feira, 26 de novembro de 2012 – 0:25 hs

    O governo do Beto Richa (PSDB) é mentiroso e enganador está terminando de trucidar com a educação no Paraná. Pelo menos o Roberto Requião respeitava os funcionários. Fora PSDB Fora Beto Richa!

  8. BETO
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2012 – 19:55 hs

    Não concordo com estas criticas a BETO RICHA, vou explicar porque: O Beto assumiu um Estado praticamente falido, e em dois anos nenhum governo consegue colocar a casa em ordem, independente de quem fosse o governador a situação seria a mesma. Todos os governadores, independente de qualquer Estado ou partido político, realizam gastos com propagandas em seus Estados. Se em 2014 a Gleisi for a Governadora do Paraná, com certeza vai autorizar a realização de despesas com propagandas e publicidades e muitos eleitores a criticaram. Todo Administrador Público, seja ele, Federal, Estadual ou Municipal, quando assume o governo, geralmente assume compromissos de gestões anteriores, e que devem ser cumpridas. Por exemplo: obras inacabadas, convênios, contrapartidas de convênios, programas continuados, subvenções sociais, contratos milionários de serviços continuados, operações de crédito de exercícios anteriores, financiamentos junto ao Governo Federal no caso do Estado. A maioria dos eleitores são pessoas leigas e não tem visão de Administração, quem está fora e não conhece a realidade das coisas é fácil criticar. Nenhum governo tem a intenção de prejudicar seu povo. Quanto as despesas com gastos com pessoal, o governador publicou decreto de redução de gastos com pessoal, para atender as determinações do Tribunal de Contas. Até agosto houve uma redução das Transferências dos repasses da União para o Estado em torno de R$ 245.000,00,00 que deixaram de entrar nos cofres do Estado.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*