Depois daquele setembro | Fábio Campana

Depois daquele setembro

Da Miriam Leitão, O Globo:

A dívida que quebrou o Brasil em 1982 um dia teve final feliz. Foi renegociada e paga, mas essa foi daquelas histórias econômicas brasileiras cheias de emoções e reviravoltas. O Brasil teve que esperar quase 24 anos até o dia em que o Tesouro Nacional divulgou uma nota dizendo que havia terminado a “faxina” da dívida externa. Pedro Malan negociou a travessia do atoleiro.

Quando foi contraída nos anos do milagre, a dívida parecia fácil de pagar. Havia dinheiro abundante no mundo. Após setembro de 1982, ficou impagável. Ela agravou nossa amargura econômica. O país já vivia a disparada da inflação e enfrentou a recessão e a humilhação imposta pelos fiscais do FMI e dos bancos.

Nesse clima, o país festejou o fim do governo militar. A democracia recebeu como herança econômica essa crise. O presidente civil eleito pelo Colégio Eleitoral, Tancredo Neves, disse que não pagaria a dívida com o sangue do povo brasileiro.

O presidente que de fato assumiu, José Sarney, queimou o que havia de reservas e decretou moratória em 1987. Depois, retomou o pagamento, mas voltou a ficar sem dólares para honrar os juros.

Em 1991, o economista Pedro Malan foi nomeado pelo então ministro Marcílio Marques Moreira para renegociar toda aquela dívida que, com seus vários calotes, havia demolido a reputação brasileira. Éramos tratados como párias no mercado internacional. Aqui dentro, o país chegava à hiperinflação, que havia sobrevivido aos planos Cruzado, Bresser, Verão e Collor.

No dia 9 de julho de 1992, às 4h50m da madrugada, na sala de um escritório de advocacia de Nova York, dois homens se deram as mãos. Eram Pedro Malan, representante do Brasil, e Bill Rhodes, representando os credores. Devíamos a 880 bancos. O Brasil devia até ao Banco do Brasil.


10 comentários

  1. O Santo
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 20:16 hs

    Falta concluir esta história – como e quando a dívida foi saldada?
    Fica parecendo que o Malan resolveu definitivamente o problema.
    Não foi bem assim!
    Contem o fim!!!!

  2. Silvajr
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 20:48 hs

    Esqueceu de dizer que o Lula livrou o Brasil do FMI

  3. Damaceno
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 21:59 hs

    De fato, com Lula o Brasil passou de devedor a credor do FMI. Nunca mais ouvimos falar em FMI que, segundo Lula, mais atrapalhava do que ajudava!

  4. Max
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 22:17 hs

    Eis mais uma prova de foi FHC pôs o Brasil nos trilhos apesar das 6 crises internacionais que o país sofreu
    Já Lula FEZ DE CONTA que tirou o país do FMI quando na verdade mudou o nome o empréstimo com juros muito mais altos , tanto é que nossa dívida dobrou.
    Taí o governinho do PT que com uma crise internacional(marolinha) estamos num caos.

  5. sergio silvestre
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 22:44 hs

    Esta equipe formada no governo itamar,tirando o fhc que não sabia nada de economia era fantastica.
    O plano real foi um divisor de aguas no brasil,mas veja bem,graças ao grande e traido ITAMAR FRANCO.
    Até 1994 funcionou tão bem que nosso grande presidente era
    avaliado com mais de 80% de aprovação.
    Mas veio a primeira traição ,o PMDB junto com os tucanos não
    aprovaram a reeleição do sr ITAMAR,dando de mão beijada a
    presidencia para FHC.
    Os primeiro quatro anos na carona do bom governo ITAMAR,FHC conseguiu fazer um governo regular,com salario minimo a 60 DOLARES,e com promessa no segundo mandato de chegar a estratosferica marca dos cem dolares.
    Foi reeleito,engambelou o povo das classes médias e pobres,o poder de compra do salario minimo caiu pela metado,com o dolar indo a 4 reais.
    Seu candidato levou uma surra do LULA,este virando o primeiro presidente operário do brasil.
    Sua primeira ordem foi acertar as finanças,abaixar a taxa celic que estava nas alturas e proomover o consumo.
    Antes o brasil deixava somente as classes medias e ricos consumirem e 120 milhões de brasileiros ficavam a margem do consumo.
    Nordeste virou um seara,o povo carente começou ater o gosto por eletrodomesticos e comida farta.
    O Brasil se tornou um pais respeitado,o povo maciçamente o adotou como o grande presidente,o mundo tambem.
    Hoje respiramos independencia financeira,os mercados abarrotados,o empresário ganhando mais,cairam as falencias,e o brasileiro orgulhoso vive em um grande Pais.
    Gente!!! Rusgas a parte,cada personagem destes teve seu papel,mas não engulo o que fizeram com o presidente que se originou o plano real.
    Itamar deve ter ido para o tumulo,sem engolir isso,se contentou com pouco(uma embaixada em portugal)quando deveria ser lembrado como Pai do plano real.

  6. MILITANCIA FEMININA
    segunda-feira, 3 de setembro de 2012 – 8:14 hs

    eESQUECEREAM DE DIZER QUE PRA SALDAR ANTIGAS DIVIDAS FIZERAM NOVAS DIVIDAS, ISSO É RESOLVER O PROBLEMA ???

  7. Francisco de Assis
    segunda-feira, 3 de setembro de 2012 – 9:24 hs

    Malan, que pegou um Brasil devendo 45% e junto com FHC entregou a Lula, quebrado, devendo 60% do PIB.
    Ja tem 10 anos, que a midia tenta vender uma imagem, totalmente diferente do que foi o governo de FHC.
    Pegou a 8ª economia do mundo em 1995 e a entregou em 2002, em 16º lugar. Paises sem muita expressão economica como Holanda, Australia, Espanha, passaram com seus PIB a nossa frente.
    So conseguimos voltar a ser o que somos, apos termos tirado as chaves dos cofres federais, das maos de Malan e FHC.

  8. Francisco de Assis
    segunda-feira, 3 de setembro de 2012 – 9:25 hs

    Malan, que pegou um Brasil devendo 45% e junto com FHC entregou a Lula, quebrado, devendo 60% do PIB.
    Ja tem 10 anos, que a midia tenta vender uma imagem, totalmente diferente do que foi o governo de FHC.
    Pegou a 8ª economia do mundo em 1995 e a entregou em 2002, em 16º lugar. Paises sem muita expressão economica como Holanda, Australia, Espanha, passaram com seus PIB a nossa frente.
    So conseguimos voltar a ser o que somos, apos termos tirado as chaves dos cofres federais, das maos de Malan e FHC.
    Que nunca mais voltem ao Poder Central

  9. ernesto
    segunda-feira, 3 de setembro de 2012 – 12:51 hs

    O email da Míriam Leitão é miriamleitao@psdb.org.br

  10. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 3 de setembro de 2012 – 13:00 hs

    O Silvestre é mestre em depurpar a história.

    “Deram de mão beijada a eleição ao FHC”?

    Quem “DEU” foi o POVO BRASILEIRO, em eleição livre e soberana.

    Do mesmo modo, o Francisco PECA ao comparar o desenvolvimento de países do EURO (em sua melhor fase), com o QUEBRADO Brasil.

    É verdade, a relação: DividaXPIB aumentou no governo FCC.

    A coisa só começo a melhorar com as reformnas do ESTADO, tais como:

    Plano Real;
    Reforma da Previdência (Emenda 20);
    Privatizações;
    Lei de Responsabilidade Fiscal;
    Lei do Superávit Primário;
    Saneamento do Sistema Bancário.

    NOTA:

    EM TODOS ESSES CASOS,

    “O PT E O LULA, FORAM CONTRA”

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*