"Uma condenação para ficar na história" | Fábio Campana

“Uma condenação para ficar na história”

Do Lauro Jardim:

Veja o que disse Marco Aurélio Mello após a sessão de hoje do julgamento do mensalão:

– Vendo o Tribunal com essa coesão imagino que se delineie uma condenação para ficar na história.


8 comentários

  1. Max
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 13:03 hs

    E Ministro Celso de Melo, citou o livro: Arte de Furtar.,
    mostrando a roubalheira do PT enquanto governo, que resultou no Mensalão entre tantos outros desvios de verba pública

  2. Anônimo
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 13:50 hs

    Estamos neste momento todos focados no Mensalão, sim temos, mas quantos mensalinhos estão aí espalahado pelo Brasil, principalmente neste período eleitoral………..só cego que não vê.

  3. O Censurado
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 14:14 hs

    Sinceramente? O STF não fez mais que sua Obrigação. Ponto.

  4. matahari
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 15:10 hs

    Sim Senador. É isso mesmo. Muito além dos delitos penais que atingiram o bôlso do contribuinte, essa ação nefasta qua convencionou-se chamar de “mensalão”, fulminou de morte a honra de um povo; o povo brasileiro, sob a visão da comunidade internacional. A cargo dos senhores Ministros do Supremo, não estava em pauta apenas o julgamento de uma simples ação penal transcrita nos procedimentos de criminosos e traduzida pela fria letra da Lei. Entenderam os Ministros, que o que estava em julgamento, além disso, era o reconhecimento de toda uma Nação como desonesta às vistas de outras Nações e isso, não poderia ser dado como impune. Acredito que esse teria sido um dos pontos fundamentais para, além do reconhecimento da tipificação dos delitos elaborados, o que norteou a condenação e a fixação das penas, já transcritas no voto do M. Cezar Peluzzo. Esse bando de delinquentes, ora nos bancos de réus, revelaram que em nenhum momento tiveram a decência de considerar a sacrossanta representatividade do dinheiro público, recolhido através do suor do trabalhador e que não poderia ser meio de irrigação de contas particulares para fazer frente a orgias e gastos surperfluos de compras de iates e festas nababescas. Temos ainda muito chão a pisar e caminhos a vagar para extirparmos de nosso meio esse fétido costume de que, cargo público é para levar vantagens na representatividade e que a política é apenas um meio de enriquecer mentindo para o povo. Infelizmente esse é ainda o conceito que campeia no seio de nossa população e a busca da representação popular é um emprêgo que qualquer vagabundo pode pleitear pois Lula e sua corja, fizeram com que muitos imaginaram que tudo pode ser impune nesse País. Só que, o Supremo Tribunal Federal começa a mostrar ora diante, que as coisas não serão mais bem assim………

  5. sergio silvestre
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 16:45 hs

    ESTE DISTINTO SÓ ESTÁ FAZENDO ISSO NAS LUZES DOS HOLOFOTES.
    QUANTOS BANDIDOS JÁ DEIXOU SOLTO.
    ATÉ GRINGO QUE NOS ROUBOU TÁ SOLTO

  6. quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 16:49 hs

    Parabns ao STF,lavou a alma dos brasileiros de bem.

  7. LUIZ
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 18:27 hs

    AINDA FALTAM OS CHEFÕES…
    DEPOIS SIM, VAI SER AQUELA RESPIRADA.

  8. antonio carlos
    quinta-feira, 30 de agosto de 2012 – 19:15 hs

    O primo em quarto grau do Collor só está fazendo demagogia, agora é fácil chutar cachorro morto. O STF não justifica a sua existência como Suprema Corte, é uma corte sem a mínima isenção, e, se hoje está condenando o que toda a sociedade já condenou há muitos anos atrás, só está fazendo eco popular. Suas Excelências deviam ter vergonha na cara e condenar logo estes ladrões do tal Mensalão que nunca existiu. E tem gente que ainda acredita que o Mensalão não existiu. Acarlos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*