Mais uma universidade? | Fábio Campana

Mais uma universidade?

Da coluna do Aroldo Murá:

Volta à pauta de discussões a implantação da Unespar – Universidade Estadual do Paraná, criada no último governo de Jaime Lerner. No último dia 15, após a inauguração do Centro de Conferências da Faculdade de Filosofi a de Paranavaí, os dirigentes das faculdades isoladas que integram o projeto da Unespar estiveram reunidos naquela cidade do Norte para definir a eleição do reitor e do vice-reitor da entidade, atualmente comandada pelo reitor pro-tempore Alípio Leal, Secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do governo do Estado.

Segundo um dos diretores que participaram da reunião, a questão não tem unanimidade, pois o plano foi aprovado por 24 votos contra 14 contrários. Mas não é somente a escolha do dirigente maior que divide a comunidade acadêmica. A sede da Unespar, que seria, em princípio, em Curitiba, é requerida por outros municípios, tendo até apoio de deputados estaduais que querem atrair o projeto para os municípios que representam.

Assim, há vontades no ar, alimentadas por forças políticas, a defender Paranavaí, União da Vitória, Campo Mourão, entre outros, como futura sede da que seria a sétima universidade estadual paranaense.

UMA GRANDE POLÊMICA
Mas a discussão pode virar uma grande polêmica, uma vez que o Paraná foi surpreendido, na última pesquisa do IDEB – Índice da Educação Básica, divulgado também na última semana pelo MEC, com a notícia de que o ensino básico paranaense, notadamente no segmento médio, tem graves defi ciências. Isto tudo em meio à constatação de que os níveis de investimento na área educacional, com relação ao quadro do magistério, já atingem o limite permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Como defi nir, portanto, as prioridades da área?

NEGOCIAÇÕES COM TCE
Fontes do governo relatam que está em curso uma negociação com o Tribunal de Contas (TCE), no sentido der liberar os valores pagos à previdência do magistério do orçamento da Educação, o que permitiria maiores investimentos. Mas enquanto isso não se resolve, é justo investir maciçamente no ensino superior, em detrimento do ensino básico?

O estado de São Paulo tem uma população quase quatro vezes maior do que o Paraná. No entanto, o Paraná tem, atualmente, sete universidades estaduais contra apenas três estaduais paulistas. Lá existem quatro federais, se incluirmos o Instituto Tecnológico da Aeronáutica como uma delas. Aqui apenas duas federais, consi8derando a recente a Universidade Tecnológica Federal. Mas a diferença, nesse caso, ainda estaria a favor do Paraná.

Por outro lado, uma universidade multicampi, como se considera a Unespar, com enormes distâncias entre seus campi, faz prever também enormes dificuldades logísticas para a administração de seis instituições.


12 comentários

  1. Henrique
    terça-feira, 21 de agosto de 2012 – 9:41 hs

    Absurdo essa Unespar. Não tem cabimento. A verdade é que estão querendo montar a Unespar somente para dar mais cargo público para amigo dos amigos. ninguém passa em concurso público nessa Unespar sem ser amigo de alguém. Pode ter o melhor currículo do mundo, que não passa. Conheço pessoas com doutorado, e que perdeu para especialista, a pessoa e eu ficamos chocados. Tinha que ter uma analise minusiosa de alguma autoridade nesses concursos públicos para ter realmente idoneidade nesses concursos. Alguém poderia fazer alguma coisa, por favor.

  2. Helena
    terça-feira, 21 de agosto de 2012 – 16:03 hs

    Coincindência ou não , o prefeito da cidade onde teremos a Unespar, é apoiado para a reeleição, pelo filho do José Dirceu, é aquele que está sendo julgado no STF , sobre o MENSALÃO, ou seja Ação penal 470 – porco na cabeça, pura sujeira.

  3. Antonio Carlos Aleixo
    terça-feira, 21 de agosto de 2012 – 17:46 hs

    Caro Fábio Campana,

    O texto de Aroldo Murá trata de recursos para a Educação Básica do Paraná e da condição multicampi da Unespar, como argumentos para se questionar a existência da mesma. Ora, é justamente o primeiro argumento que nos move para a consolidação da UNESPAR com maior energia: com mais de 50% de seus cursos (espalhados nas sedes de microrregiões paranaenses e em Curitiba) compostos por licenciaturas, a Universidade pode, e vai, contribuir imensamente para a melhoria da Educação Básica no Estado. Programas como o PDE – formando professores na pós graduação – e o PIBID, que funciona como incentivo à docência para os futuros professores já são realidade nos atuais campi onde há licencitura. Somados aos diversos projetos de formação continuada de professores, a UNESPAR possui, inclusive, alcance superior a universidades já consolidadas no que se refere ao ensino. E com os incentivos para qualificação de seus professores, nos últimos anos, as atuais faculdades que compoem a Unespar nada devem a cursos de graduação de outras IES-Pr.
    Com o reconhecimento do trabalho já desenvolvido por todas as unidades passando-os para a condição de Universidade, ao contrário do que afirma o texto, a UNESPAR, que não comprometerá recursos para educação básica no orçamento do Estado, terá condições, inclusive, de buscar recursos em outras esferas, celebrando convênios como o Governo Federal – como já acontece com CAPES, CNPQ, FNDE – e até convênios internacionais.
    Por fim, a condição de Universidade multicampi e multirregional pode auxiliar sobremaneira o desenvolvimento cultural, científico e tecnológico do Estado do Paraná, bem como a prestação de serviços em áreas até então desprovidas de determinados serviços. Como exemplo, poderíamos citar a disseminação das atividades das duas Faculdades de Artes de Curitiba, que podem contribuir imensamente para elevação artística e cultural do interior do Estado.
    Dificuldades pontuais não podem ser motivos para impedir este que será o mais importante projeto de ensino superior e de desenvolvimento acamêmico dos últimos anos, no Paraná. Tudo, bem mediado pela atual gestão da SETI.

  4. Sergio Maybuk
    quarta-feira, 22 de agosto de 2012 – 0:31 hs

    Estranho o comentário da Helena. A Unespar vai agregar várias faculdades isoladas espalhadas por todo o Paraná, inclusive algumas em Curitiba. Não tem absolutamente nada a ver com eleição de prefeito e com apoio de um deputado específico. Os professores e alunos de toda a Unespar esperam o apoio de todos os deputados estaduais e também dos federais, pois a criação da nova universidade vai ser muito importante para várias regiões. Talvez algumas pessoas não tenham a ideia do que representa uma instituição de ensino superior para uma região.

  5. Henrique
    quinta-feira, 23 de agosto de 2012 – 16:58 hs

    Esse Sergio deve levar algum tipo de apoio para dizer que nao tem nenhum jogo político no meio da Unespar. Se não tiver nenhum jogo político na Unespar eu saio pelado pelas ruas. Vê se vê algum na sua frente, por favor.

  6. sexta-feira, 24 de agosto de 2012 – 11:48 hs

    Alguém será preso por atentado ao pudor…

  7. Adriana
    sexta-feira, 24 de agosto de 2012 – 15:30 hs

    Não entendo como alguém pode falar que a Unespar é um jogo político, suas graduações formadas em pelo menos 50% por cursos de licenciaturas já é um estimulo para a melhora do tão carente ensino médio no estado, quem fala que a Unespar é um jogo político devia acompanhar melhor a situação dos campis regionais de universidades “consagradas” como UEM, Unioeste e Unicentro, muitas vezes abandonadas, sem as minimas condições de funcionamento, principalmente os campis de Cianorte, Goioere e Umuarama da Universidade de Maringá, onde falta-se desde laboratórios a rolos de papel higiênico nos banheiros, a criação da Unespar poderá sim desafogar essas instituições e promover uma melhoria a todos.

  8. Sérgio Luiz Nascimento
    sexta-feira, 24 de agosto de 2012 – 15:57 hs

    Acredito na consolidação da Unespar com um centro de ensino, pesquiisa e extensão, importante, principalmente para a região noroeste do estado, mesmo com o descaso do governo em relação às “necessidades pontuais”, a quais, muito me preoupam, pois efetivamente ($$$) o atual governo tem feito muito pouco, pra não dizer nada. A nova estrutura das faculdades, agora incorporadas à Unespar, sofrerá grande transformação, pelo menos na teoria, considerado a nova estrutura multi-campi. Um centro administativo onde funcionará a Reitoria, demandará grande número de agentes para colocá-la em funcionamento. Tomando como base, outras universidades multi campi, citando, por exemplo a Unioeste, cerca de 120 vagas pecisam ser criadas para o suporte necessário. Considerando que o contigente de agentes universitários que hoje atuam nas faculadades (hoje campus) está muito abaixo do necessário para o funcionamento, pra não dizer que a situação está caótica, pois em alguns centros não chega nem a 20% das necessidades. A impressão que dá, é que esse governo empurra com a barriga, onde até agora, só coseguiu marcar as eleições para reitor, sem ter ao menos um local para o funcionamento da reitoria. O secretário Alípio se mostra um verdadeiro fanfarrão, não tem poder de decisão, apenas anuncia o que já está determinado pela casa civil. A UNESPAR deverá ser consolidada, disso não tenho dúvidas, mas a união de todas os membros (docentes, alunos e técnicos) das faculdades será necessaria e uma grande LUTA precisará ser travada para que essa universidade tenha o mesmo tratamento dado às outras IES do Paraná.

  9. Agnello Soares
    sábado, 25 de agosto de 2012 – 16:12 hs

    Boa tarde,
    Gostaria de parabenizar o Sr. Fábio Campana pelo informativo. Alguns pontos levanto em questão:
    De acordo com o comentário do Henrique, cargos públicos estão sendo direcionados a pessoas próximas ao Sr. Carlos Aleixo (que defende a criação da Unespar). Andei pesquisando o Sr. Aleixo, e é atualmente diretor da faculdade Fecilcam situada em Campo Mourão/PR, esta integraria a possível futura Unespar e que “briga” para ser a sede”. Agora, por que o Sr Carlos Aleixo não discute o comentário feito pelo Henrique, de que as vagas são direcionadas a pessoas próximas (amigas) do Sr?
    Tento imaginar como deve ser os bastidores da faculdade quando concursos públicos ocorrem, se as escolhas e definições dos selecionados são justas? ou se tem “dedo” de gente interessada em promover “amigos”? Mas isto também deve ser imaginado para as demais faculdades envolvidas com a possível “Unespar”.
    Será que os professores(as) efetivos da faculdade estão satisfeitos com sua gestão? E os professores colaboradores (não efetivos), será que estão prestando serviço a instituição pela real necessidades dos efetivos saírem para estudar ou será que é para cobrir as aulas das pessoas de sua confiança que estão com cargos?
    Com a criação da Unespar, será que várias pessoas de sua confiança já estão com um “cargo preenchido”? Afinal, amigo é amigo, não é? E se estas pessoas possuem cargos (possivelmente remunerados), será que trabalham tanto quanto um docente que não possui cargo de confiança? Olha que tem muito funcionário que não faz nada.
    Já que a Unespar não está criada, interessante as faculdades que envolvem este processo não terem aderido a greve como UEM, UEL, UEPG, Unioeste aderiram. É um medo hein!!!!
    Ainda bem que aqui na UEL as discussões são de grande nível, por isso a Universidade é o que é, pena que estamos atrás da UEM escolhida melhor universidade do Estado, com certeza na UEM as discussões são de grande nível também.
    Sobre facebook, é uma fonte de informações e fofocas, e também abriu-me margem para colher alguns pontos questionáveis. Sabe-se que há um(a) professor(a) que abriu “a boca no trombone” sobre ações suas que são questionáveis. É verdade isto? Será que os alunos da faculdade sabem? e os docentes da instituição?
    Esse tipo de “converseiro” comprometeria a sua moral como gestor público? Será que é verdade? ou será que é tudo mentira? Parece que este(a) docente recebeu licença “para sair de cena” e não prejudicar a imagem de um possível reitor da possível Unespar”, procede isto?
    Tento imaginar o que o Sr talvez tenha feito para esta pessoa ter mencionado estes diversos “podres” sobre sua pessoa? Não convém mencionar o que estava publicado no FB.

    O Sr como atual gestor de uma instituição de ensino SUPERIOR, possui algum tipo de processo na justiça que possa minar suas intenções junto a futura Unespar? pois já basta o atual governo federal (presidido pelo PT – Partido dos trabalhadores) estar associado com escândalos de corrupção ativa, lavagem de dinheiro, peculato dentre outros crimes (MENSALÃO). Se tiver, isso não pega bem, e com certeza os outros campus das faculdades já sabem sobre estes acontecimentos.
    Se o Tribunal de Contas do Estado fosse fazer uma auditoria na instituição de ensino (Fecilcam), será que esta auditoria daria um parecer positivo sobre a administração da faculdade junto ao dinheiro público? o Sr. confia num parecer positivo? Nós como pagadores de impostos devemos estar atentos quanto o que é feito com nosso dinheiro batalhado e sofrido.
    Outro ponto e que acho muito interessante, os/as reitores/as das instituições de ensino superiores mais conceituadas no país são todos titulados DOUTORES, qual a sua situação atual neste quesito? Também já me informei que o Sr. foi “sabatinado” em uma seleção de doutorado na melhor universidade estadual do Paraná.
    Quem é o Sr. Sergio Maybuk? amigo do Sr Antonio Carlos Aleixo? Imagino que deve ser! ou vai somente responder que é apenas um defensor da UNESPAR? Que papel lindo!
    Ao Sr Sérgio Luiz Nascimento, concordo com o Sr sobre o governo não dar o apoio necessário a Educação, mas tem um antes, há todo um movimento nos bastidores das faculdades, a busca pelo poder, e ser reitor é uma oportunidade EXCELENTE não acha? Imaginem, sair no jornal, “FULANO DE TAL, reitor da Unespar”!!! E você, que cargo já escolheu? ou que nem a Bruna mencionou, olha o atentado ao pudor?
    As pessoas das comunidades de Paranavaí, Campo Mourão e as outras cidades que possuem as faculdades que “irão” integrar a “possível” UNESPAR deveriam saber mais sobre as pessoas que estão buscando esta consolidação, saber da trajetória, das reais motivações destas pessoas, dos interesses envolvidos, do tanto de dinheiro público que vai girar com as “nova” universidade. Temos que ser mais críticos, mais ativos no andamento do que acontece ao nosso redor. Ainda bem que não sou uma pessoa “amigo/a” dos possíveis candidatos/as a reitor/ra desta “POSSIVEL UNESPAR”.
    Já que foi mencionado os boatos, polêmicas e etc… será que o Sr. Carlos Aleixo enviou e-mail aos vários amigos/as de confiança informando os mesmos sobre esta crítica do Sr. Fábio Campana para que os amigos possam estar criticando este informativo? Pois a poucas horas na página da faculdade que ele está como reitor, já saiu nota “dele defendendo a UNESPAR”, deve ser um “orgulho para Unespar hein”!!! As outras faculdades estão dando atenção a outros tipos de assunto…
    Novamente, parabéns ao Sr. Fábio Campana pelo informativo.
    Vamos ver se consigo os esclarecimentos, acho difícil, as vezes é melhor ficar calado, “se reservar ao direito de permanecer calado […]”, a lei nos dá o direito, não é?
    Agnello Soares. Sds.

  10. Juliana
    segunda-feira, 27 de agosto de 2012 – 10:28 hs

    Retomando a UNESPAR, sim há interesses políticos por detráz da sua consolidação. Já está tudo organizado para que o diretor da FECILCAM, professor Antonio Carlos Aleixo, seja o reitor. Piada e da grossa. De reitor para deputado, prefeito, governador, senador. E o povo é quem tem que engolir. Também saio pelada. Gente sem padrão. Bando de sanguessugas.

  11. Ludovico
    sexta-feira, 31 de agosto de 2012 – 21:23 hs

    Agnello Soares????? Porque você usa nome falso?Por que você não assina seu verdadeiro nome???? Todo mundo sabe quem és!!!!!

  12. Ligia
    domingo, 2 de setembro de 2012 – 13:44 hs

    Pensam que sabem. Essa é a vantagem de se ter vários inimigos. Os que estão em “evidência” levam os louros. Não é senhor Antonio Carlos Aleixo!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*