Pressão do Brasil forçou entrada da Venezuela no Mercosul, diz Uruguai | Fábio Campana

Pressão do Brasil forçou entrada da Venezuela no Mercosul, diz Uruguai

Cristina Kirchner (à esq.), presidente Dilma Rousseff e José Mujica, presidente do Uruguai, durante cúpula

Da Folha de S. Paulo:

O governo do Uruguai afirmou nesta segunda-feira que seu país não esteve de acordo com a forma como foi decidida a entrada da Venezuela no Mercosul na cúpula realizada na sexta-feira passada em Mendoza, na Argentina, e que não “foi dada a última palavra” sobre esse processo, que será revisado “judicialmente”.

“Nada é definitivo”, e “se todo mundo tivesse tido certeza, a Venezuela teria entrado na sexta-feira em Mendoza. Por alguma razão os países definiram o prazo até 31 de julho”, afirmou o ministro das Relações Exteriores uruguaio, Luis Almagro.

Em uma entrevista à rádio uruguaia “El Espectador”, Almagro revelou também que a entrada da Venezuela, concretizada após a suspensão do Paraguai, foi tomada pela intervenção “decisiva” da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, secundada pela da Argentina, Cristina Kirchner, na reunião de chefes de governo.

A decisão de apresentar o ingresso da Venezuela começou com “um pedido da presidente Dilma Rousseff e dessa reunião saiu o acordo. A iniciativa foi mais do Brasil, e o posicionamento brasileiro foi decisivo nessa história”, disse Almagro.

Almagro considerou que o presidente do Uruguai, José Mujica, “fez o correto” ao dar “mostras mais do que suficientes de ter defendido a outra posição de uma forma bastante implacável”.

Além disso, ele evidenciou o descontentamento de Montevidéu perante a gestão da situação por seus dois grandes vizinhos, Brasil e Argentina, que formavam o bloco com o Paraguai até a sexta-feira, quando se decidiu pela entrada da Venezuela.

“No marco negociador que tínhamos na quinta-feira”, quando foi realizada a reunião de chanceleres prévia à presidencial do dia seguinte, “nós fomos especialmente contrários à entrada da Venezuela nestas circunstâncias”, revelou.

BRASIL E ARGENTINA

Segundo Almagro, tudo “acabou se resolvendo em reunião fechada dos presidentes, que começou com um pedido da presidente Dilma Rousseff, que disse: ‘tenho que falar politicamente de algo com vocês dois (Mujica e Cristina Kirchner)”.

Nesse momento, “tivemos que tirar os chanceleres da reunião, e desse encontro saiu este acordo”, relatou.

“Brasil e Argentina estavam muito de acordo sobre neste assunto, mas o posicionamento do Brasil foi decisivo”, acrescentou.

O ministro detalhou também que se retirou da sala quando foi lida a declaração final, e que Mujica se sentou na segunda fila, cedendo seu lugar ao embaixador uruguaio na Argentina, Guillermo Pomi.

Na sexta-feira passada foi realizada em Mendoza uma cúpula semestral do Mercosul na qual Brasil, Argentina e Uruguai suspenderam a participação do Paraguai em rejeição ao impeachment de Fernando Lugo.

Lugo foi destituído pelo Congresso após um julgamento político por mau desempenho de suas funções. O processo foi questionado por vários países e organismos internacionais, que alegaram falta de respeito ao devido processo.

Após lembrar que o governo de Mujica sempre esteve a favor de incorporar a Venezuela por sua “visão estratégica” de somar mais países ao bloco, Almagro disse, no entanto, que o Uruguai tem que “atuar de acordo com o mais pleno respeito ao Tratado de Assunção”, que representou a fundação do Mercosul, em 1991.

ITAMARATY

Consultado pela Folha, o Itamaraty afirmou que não tem registro deste fato e que essa informação não confere com o fato de que as decisões no Mercosul são tomadas por consenso.


24 comentários

  1. CAÇADOR DE PETISTAS
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 15:47 hs

    É tuydinho o que a pelegaiada pretende. LULA, O CÂNCER DO BRASIL, trazendo a Venezuela, agora definitivamente para fazer parte do regime Satânico de Fidel.
    PT, A MALDIÇÃO, REPRESENTADA AGORA PELA DAMA DE VERMELHO SRA. DILMA, FILHA DE LULA, SEGUIDORA FIEL DE FIDEL E OUTROS MALACOS.
    PRO INFERNO CORJA DE SAFADOS, PRO INFERNO.

  2. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 15:57 hs

    Mais uma prova da submissão do Brasil aos interesses do Sargento Garcia de Caracas. El Gordo conseguiu o que queria, entrar pela porta dos fundos, enxovalhando o clube dos maltrapilhos cucarachos e humilhando o Paraguai.

  3. Josué
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 16:14 hs

    Não deveria ser diferente, o Brasil não é a maior potência sul americana? O EUA faz isso com o resto da América, ou estou falando bobagem? É a lei do mais forte(aprendi isso assistindo filmes americanos).

  4. Henrique junior
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 16:46 hs

    Isso, agora o Mercosul vai ter um “chefe”.

  5. LOOK
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 16:54 hs

    Alguem esta achando que o Chaves vai morrer logo. Só pode ser isto. Porque achar que vão tomar os bilhões dele só pode ser delírio. O único capaz disto já o fez…

  6. segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 17:36 hs

    Houvi o comentário de Miriam Leitão. Fiquei assustado pelo o que ela disse.E uma vergonha, A política exterior do Brasil.Quem sao nossos parceiros,Venezuela,que apóia as Farcs,da Colômbia traficantes de drogas,Venezuela sua Capital,das mais violentas do mundo. Bolívia,maior exportador de cocaína.Argentina,falida, rompida com o setor produtivo.Cuba, capital da prostituição das Américas,e isto que lula e Dilma querem como parceiros?

  7. sergio silvestre
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 17:38 hs

    Mesmo com as pragas do meismice ai em cima,a Dilma está bem melhor que os outros dois acabadinhos ai
    Venezuela ,fidel,tem gente que xeroqueia anos a fio o mesmo comentário.
    Que falta de criatividade,bom é próprio dos reaças.

  8. Pedro Rocha
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 17:59 hs

    E aí, petezada? – Pergunto-lhes: Uma atitude tão rasteira, tão cretina, tão calhorda, de alguém que se diz “presidenta” do vosso país, não lhes envergonha? –
    Pessoalmente sinto tremenda vergonha, quando preciso declarar o nome da pessoa que faz de conta que governa o Brasil!
    Via de regra, desconverso; por pura vergonha!
    Um Ministro do Uruguai, um dos menores países da América do Sul, demonstra muito mais caráter, muito mais civismo, muito mais vergonha na cara do que a pessoa que se acha “presidenta” do vosso país.
    O velhote Mujica, que nos alvores da sua juventude foi guerrilheiro, embora já tenha se retratado sobre isso, dizendo ter sido um erro, também serve de exemplo a essas duas peruas vermelhas, conforme claríssimo depoimento do seu Ministro das Relações Exteriores, aliás a pessoa mais certa pra falar sobre o assunto!
    Já passou da hora de vocês criarem um mínimo de senso crítico, enfiarem a viola no saco, e também declararem ao mundo, ou nas próximas urnas: CHEGA DO COMUNOPETISMO! Isso representa tremendo perigo às nossas instituições!
    Essa chaga tem que ser extirpada, urgentemente! Viramos vassalos do demoníaco trio Fidel, Chávez e Lulla!

  9. DIPLOMATA
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 18:08 hs

    O maior erro de diplomacia cometido na “historia deste país”…..
    O Brasil ainda vai se arrepender de ter se metido na politica paraguaia e apoiado a entrada da Venezuela no Mercosul.

  10. Sergio R.
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 18:14 hs

    Vergonhosa a atitude do Brasil. Além de golpista, colocou a diplomacia brasileira lambendo o saco do beiçola de Caracas. Esse é o legado do PT. Licença que vou vomitar.

  11. OSSOBUCO
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 18:19 hs

    Tomou, Caçador ?

  12. jaferrer
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 18:24 hs

    Mais uma vez dona Dilma mostra seu caráter político (ou a falta dele). Criticam o Paraguay por ter rompido uma clausula do mercosul, mas dias depois rompem em conjunto a clausula que determina que a entrada de qualquer país no bloco deve ter o consenso de todos. O Paraguay foi suspenso, mas não expulso, portanto ainda faz parte do bloco e deve ser houvido. É aquele negócio do roto falando mal do esfarrapado.

  13. TROLL
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 18:52 hs

    Amigos para siempre!!!!!
    Cai o pano.

  14. Zangado
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 19:32 hs

    A grande estadista LuluDilma e os grandes embaixadores da alopração petista novamente colocam o Brasil na caixa de riso dos países que não brincam de Clube do Bolinha com a geopolítica.

    É claro que os países hegemônicos adoram tais “maquinações” de baixo espiritismo petista …

    O Uruguay acautelou-se e fez bem.

  15. luiz
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 19:45 hs

    Vamos falar o que gente até que a nossa Presidente tá enxuta!
    Agora vem você falar em instituições blá, blá, blá, PT!
    Por 500 anos o bolo cresceu, quem comeu não foi o povo nem eu!
    Sabem quando o PT vai desencilhar o cavalo? Um século ta bom pra vocês, custava terem dado no passado, essa tal de bolsa família. Cada vez que ouço falarem em fome eu lembro da oligarquia dos coronéis, etc…
    Agora guentem!

  16. sergio silvestre
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 21:40 hs

    Oi ai mais outro.Que nós temos a ver com o Fidel,Chaves e outros latinos.
    Outra coisa,o velho tupamaro ai tem histórias prá contar como
    a combatente Dilma.
    E os reaças(coisa do silva jr) rolam nos caixões antes do anoitecer,porque a noite,sobrevoam curitiba e região metropolitana para chupar cabras.
    É ai,que voces contam pro seus netos!
    Figuras grotescas,enfeites de catedrais góticas,que voces tem a dizer,nada a não ser,rogar pragas,próprio de criaturas estraordinárias das florestas.

  17. Pega Ladrão
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 0:58 hs

    Engraçado a maioria dos discursos sentar o pau na Venezuela, Argentina e Colombia. Vamos aos fatos. O Brasil está melhor com estes parceiros que seguindo subserviente, os EUA. Nossas exportações tem em grande parte destinos nestes países.
    Tanto Dilma quanto a Kirshner seguiram o protocolo assinado por todos os membros do Mercosul em relação a preservação da democracia no continente.
    Ora, todos países são soberanos, mas todos os países sabem que atitudes unilaterais geram consequências.
    Antes de defender tanto os EUA, atentem-se aos desmandos dessa nação. Esqueceram-se do golpe no Panamá?

  18. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 9:31 hs

    Tudo parte do plano engendrado pelo Foro de São Paulo inspirado por Fídel e abraçado por Lula.

    Tudo rumando para o totalitarismo que se finou com a URSS e que se pretende restaurar na América Latina e insuflado pela cretinice dum inexistente “imperialismo americano”, o bode expiatório para alicerçar o comunismo nesse Cone Sul.

    Alerta Geral!

  19. LUIZ
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 11:46 hs

    Vergonha. Quem deu golpe?

  20. Pedro Rocha
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 12:26 hs

    A petezada alertada, agora não mais tenta desfigurar o denunciante! Fazem diferente: misturam todos os assuntos, fazem uma sopa de letrinhas que nem o diabo entende onde querem chegar; atiram pra tudo que é lado, sem o menor conhecimento de causa; buscam assuntos os mais extemporâneos, como o Panamá, onde de forma correta o EUA foram lá, e com a autoridade que lhe dava o Canal e a liderança da região, foram lá e tiraram no braço o déspota, usurpador e TRAFICANTE DE DROGAS, Noriéga, levaram-no, foi julgado e cumpre pena de 30 anos. Nada mais lógico! Lugar de bandido e traficante é na cadeia, e não solto; como no atual Brasil petista!
    O resto, é ilusionismo; simples cortina de fumaça da petezada mais perdida que cego em tiroteio, vendo seus líderes agarrados cada dia mais, a coisas, a lixos, como Cristina; Fidel; Evo, e lógico, El Comandante Chávez.
    Meus pêsames, caríssimos bolivarianos da barbicha rala!

  21. ernesto
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 12:36 hs

    Tomaram direitistas e golpista, ahahahah! Tomaram?
    Conseguiram expor nesses comentários a fina flor do conservadorismo medíocre e falacioso. Vocês precisam se reclicar.

    Até jornalistas conservadores divergem dos patrões e afirmam que foi dado um golpe no Paraguai.

    Ao longo dos últimos anos uma voz se levantou contra as posições monolíticas que aprisionavam todos os colunistas e comentaristas da grande mídia, sem qualquer exceção de relevo. Paulo Moreira Leite, colunista da Época, em seu blog hospedado no portal da Globo passou a divergir abertamente da ideologia e das posições políticas dos patrões.

    Recentemente, mais dois jornalistas da Globo passaram a divergir da empresa pontualmente, coisa que não faziam em questões nas quais a grande mídia “fechava questão”. Ricardo Noblat e Miriam Leitão se rebelaram, em alguma medida.

    Noblat, por exemplo, chegou a reconhecer a inexistência de provas ou indícios contra o governador petista Agnelo Queiróz e a existência de fartura de provas contra o tucano Marconi Perillo no que diz respeito às relações de ambos com Carlinhos Cachoeira. Além disso, tem se posicionado claramente contra o golpe no Paraguai.

    Miriam Leitão, por sua vez, apóia a Comissão da Verdade sem investigação “dos dois lados”, farsa que pretende nivelar os crimes da ditadura à resistência a ela. E também condenou o golpe no país vizinho, ainda que tenha estragado tudo comparando a situação do Paraguai à da Venezuela, onde a democracia funciona de forma impecável no que diz respeito à vontade eleitoral do povo.

    Já na Folha de São Paulo, Jânio de Freitas, que era o único a divergir de verdade da linha editorial e com frequência menos pífia, vem aumentando o próprio tom em um coro de divergentes do qual, talvez, tenha sido pioneiro. Também reconheceu a farsa contra Agnelo e foi peremptório ao condenar o golpe no Paraguai, no que teve a companhia de Clóvis Rossi.

    Nessa questão do golpe paraguaio, aliás, contabilizam-se as maiores divergências com os editoriais dos jornalões que se viram nos últimos anos. Folha de São Paulo, O Globo, Estadão e Veja cerraram fileiras em torno dos golpistas, mas um contingente menos pífio de seus colunistas desmontou os editoriais dos patrões nesse sentido.

    O que aconteceu com esses colunistas? Por que decidiram fazer um pouco de jornalismo? Pela primeira vez, em muito tempo, vejo divergência de alguma expressão na grande mídia.

  22. ernesto
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 12:40 hs

    GOLPE PARAGUAIO – RICARDO NOBLAT SALVOU ALGUMAS “ALMAS DO PURGATÓRIO”

    Não sei se salvou a própria alma, ou se deu para ajudar a salvar a da Míriam Leitão, mas, de qualquer forma, foi uma surpresa de fazer cair sentado, ler que RICARDO NOBLAT condenou o que aconteceu no Paraguai, e considerou a deposição de Fernando Lugo como um GOLPE.

    Se a Constituição não foi respeitada no tocante a garantir o sagrado direito de defesa de qualquer cidadão, até mesmo no Paraguai isso é Cláusula Pétrea, como dizer e afirmar, como querem alguns simpatizantes do golpe, que a Constituição foi respeitada.

    Noblat foi muito feliz ao mostrar que houve um rito sumário, absolutamente inaceitável, que em menos de 36 horas abriu e fechou um processo de cassação do presidente, com base em argumentos sem consistência e que se seguidos os ritos normais de um julgamento, seriam facilmente derrubados. Noblat frisa ainda que foram dadas a Lugo, através de seus advogados, apenas duas horas para se defender.

    Noblat contrariou o ditado popular; “De onde não se espera, é que não vem nada mesmo”. Veio de Ricardo Noblat (e também de Míriam Leitão) uma condenação e reconhecimento de que houve GOLPE, e ficou feio, muito feio para o ajuntamento de golpistas como NELSON DE AZEVEDO PEREIRA NUNES MOTA.

  23. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 13:19 hs

    Parreiras Rodrigues

    Sábias palavras. Os brasileiros que se cuidem.

  24. Cajucy Cajuman
    terça-feira, 3 de julho de 2012 – 14:04 hs

    Lamentável. O Brasil desce a ladeira da coerência e faz da diplomacia brasileira um penduricalho. Todos sabem que a Venezuela não é um país democrático na acepção da palavra.

    E a democracia é um dos itens fundamentais do tratado do Mercosul. Ou seja: pisaram no tratado e criaram seus próprios conceitos para abrigar o falastrão bolivariano.

    O Uruguai está certo em denunciar a pressão do Brasil pela entrada da Venezuela que, aliás, só entrou, de fato, porque o Brasil e a Argentina afastaram até abril do ano que vem o Paraguai da entidade.

    O afastamento foi mais um pretexto, uma manobra, para enfiarem a Venezuela, da qual o Paraguai sempre foi contra sua entrada no Mercosul.

    O Paraguai poderia muito bem entrar na justiça e contestar tal procedimento à revelia de sua presença e voto. Dá uma boa briga.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*