Peña Nieto será o novo presidente do México, diz órgão eleitoral | Fábio Campana

Peña Nieto será o novo presidente do México,
diz órgão eleitoral

Enrique Peña Nieto,candidato do Partido Revolucionário Institucional(PRI), durante votação em Atlacomulco

Da Folha de S. Paulo:

O candidato do PRI (Partido Revolucionário Institucional), Enrique Peña Nieto, venceu a eleição presidencial realizada neste domingo (1) no México com mais de 37% dos votos, de acordo com contagem preliminar feita pela autoridade eleitoral.

O candidato do esquerdista PRD, Andrés Manuel López Obrador, obteve ao menos 30% dos votos, seguido da governista Josefina Vázquez (PAN), com ao menos 25%.

Se confirmada a vitória do PRI, voltará à Presidência o partido que governou o México por 71 anos (1929-2000) e foi chamado de “ditadura perfeita” pelo escritor peruano Mario Vargas Llosa.

O descontentamento de parte da população com a perspectiva de que a sigla – uma espécie de versão mexicana do politburo soviético, com passado de fraudes eleitorais – voltasse ao poder ficou claro quando Peña Nieto votou em Atlacomulco, sua cidade natal. Dezenas de jovens contrários a sua candidatura vaiavam e gritavam.

Nascido no período pós-Revolução de 1910, o PRI tem inspiração no fascismo italiano e um discurso nacionalista e estatizante. Agora, vende-se como um partido renovado, que traz à sua frente um líder jovem e midiático.

Peña Nieto, 45, é advogado e foi governador do Estado do México. Com cara de galã, é casado com a atriz Angélica Rivera. Viúvo do primeiro casamento, tem cinco filhos.

“A ascensão de Peña Nieto e o retorno do PRI ao poder estão relacionados à decepção dos mexicanos com um projeto que não soube acabar com a desigualdade nem ofereceu solução para a questão do narcotráfico”, disse o sociólogo John Ackerman.

O atual presidente, Felipe Calderón, é responsabilizado por não ter diminuído as diferenças sociais de um país que possui o homem mais rico do mundo, Carlos Slim, e o traficante mais procurado, “Chapo” Guzmán, líder do cartel de Sinaloa.

A política de Calderón de enfrentamento bélico ao narcotráfico aumentou o enfrentamento entre os cartéis. A consequência é um saldo de mais de 50 mil mortos.

“Podemos esperar um governo ainda mais autoritário, que adotará linha-dura com o tráfico, mas que não vai tocar na questão da legalização das drogas”, diz Ackerman.

A solução apresentada por Peña Nieto é unificar as polícias estaduais e aumentar o orçamento para armá-las.

Seus opositores o acusam de ser produto de uma campanha da Televisa, maior conglomerado do México.

Também é apontado como responsável pelo Massacre de Atenco, quando ordenou a repressão de um protesto de trabalhadores, que resultou em duas mortes e no estupro de mais de 20 mulheres.

O dia de votação – que renovará também o Congresso – foi tranquilo.


Um comentário

  1. Josué
    segunda-feira, 2 de julho de 2012 – 11:03 hs

    Os narcotraficantes estão comemorando!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*