Mensalão: defesa bate cabeça | Fábio Campana

Mensalão: defesa bate cabeça

De Ilimar Franco, O Globo:

Juristas, com experiência na área criminal, consideram que os advogados dos réus do mensalão cometem “erro primário” ao não adotarem a mesma tese na defesa de seus clientes. Avaliam que a falta de coordenação será “fatal” para todos. Tratam como “burrice” a tentativa de envolver o ex-presidente Lula, pois isso já foi rejeitado pelo STF.

Dizem ser “mortais” as divergências entre os clientes e seus advogados. Citam os casos de Delúbio Soares e Arnaldo Malheiros (cumprir ordens da direção do PT) e de Roberto Jefferson e Luiz Francisco Barbosa (Lula ordenou o mensalão).


2 comentários

  1. silvajr
    sexta-feira, 27 de julho de 2012 – 18:34 hs

    Carta acusa Gilmar de receber do valerioduto

    Foto: Edição/247
    NOME DO MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, QUE ESTÁ PRESTES A JULGAR O CASO DO MENSALÃO, CONSTA DA LISTA DE BENEFICIÁRIOS PUBLICADA PELA REVISTA; ELE TERIA RECEBIDO R$ 185 MIL DA CAMPANHA DE EDUARDO AZEREDO EM 1998
    27 de Julho de 2012 às 12:55

    247 – A reportagem principal da revista CartaCapital desta semana, que foi às bancas nesta sexta-feira, coloca Gilmar Mendes, membro da mais alta corte do País, em suspeição. Numa lista divulgada pela publicação com os nomes dos beneficiários do caixa 2 da campanha da reeleição de Eduardo Azeredo para o governo de Minas Gerais em 1998, esquema operado pelo publicitário Marcos Valério, consta o do ministro do STF, além de grandes empresas, governadores, deputados, senadores, prefeitos e até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

    Segundo a reportagem, “há um abismo entre a contabilidade oficial e a paralela”. Azeredo declarou à época ter gasto R$ 8 milhões na campanha. Mas na documentação assinada a registrada em cartório, o valor chega a R$ 104,3 milhões. Desse dinheiro, R$ 185 mil teria ido parar nas mãos de Gilmar Mendes. Um pacote com os documentos de quase 30 páginas, que contam com a lista em ordem alfabética e os comprovantes bancários, foi entregue na última quinta-feira à Polícia Federal de Minas Gerais, à delegada Josélia Braga da Cruz.

    Os pagamentos foram feitos pela empresa SMP&B Comunicação, de Marcos Valério, por meio do Banco de Crédito Nacional e do Banco Rural, cujos diretores são réus do mensalão, processo que começa a ser julgado no próximo dia 2 no STF, inclusive por Gilmar Mendes. O repasse de R$ 4,5 milhões a Azeredo, “com autorização” dos coordenadores financeiros da campanha – Cláudio Roberto Mourão e Walfrido dos Mares Guia – teve como origem o Banco do Estado de Minas Gerais, o Banco Rural, as estatais Comig (atual Codemig) e Copasa, a Loteria Mineira e as construtoras Andrade Gutierrez e ARG, de acordo com o documento.

  2. salete cesconeto de arruda
    sábado, 28 de julho de 2012 – 20:01 hs

    Parece BULLYNG!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*