Médicos do Hospital de Clínicas decidem retomar atividades na sexta | Fábio Campana

Médicos do Hospital de Clínicas decidem retomar atividades na sexta

Decisão foi tomada na manhã desta quinta (31), em assembleia. Em quatro dias de paralisação, cerca de 4 mil consultas foram canceladas.

Greve no Hospital de Clínicas do Paraná (Foto: Reprodução/RPCTV)

De Aline Lamas, G1 PR:

Os médicos do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) vão retomar as atividades na sexta-feira (1º), após quatro dias de paralisação. A decisão foi tomada em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (31).

De acordo com os médicos, o atendimento será retomado, mas o estado de greve está mantido. “Vamos atender todos os pacientes, mas a qualquer momento podemos decretar a paralisação novamente, se o governo tomar alguma medida intempestiva”, explicou Eduardo Ferreira Lourenço, membro da comissão de servidores do HC.

Cerca de 300 dos 400 médicos interromperam os trabalhos na segunda-feira (28) em protesto contra uma medida provisória (MP 568/12) que reduz os salários dos servidores nos hospitais federais e universitários.

No próximo dia 6 de junho, uma nova assembleia será realizada. “Vamos decidir se decretamos o fim do estado de greve, caso o governo cancele os artigos da medida provisória que dizem respeito à classe médica”, revelou Lourenço.

Durante os quatro dias de paralisação, cerca de quatro mil consultas foram canceladas, segundo estimativa do HC.

Foto: Reprodução/RPCTV


3 comentários

  1. Carlos Alberto
    sexta-feira, 1 de junho de 2012 – 11:35 hs

    E o Povão que se Fo…………..Trique hein……….Tomem vergonha na cara e sentem a mesa com nossos sofredores e fiés funcionarios da UFPR e Hospital de Clinicas e cheguem em um acordo pois o tabalho que e desenvolvido neste Hospital e de primeira linha.

  2. Trabalhador
    sexta-feira, 1 de junho de 2012 – 14:04 hs

    E viva o SUS, e demais Instituições de Saúde, movidas pelo governo Federal.
    Não adianta voltar ao trabalho aqui se o Brasil inteiro está parado a espera de um acordão com o governo lulodilmismo.

  3. PROFESSOR
    sexta-feira, 1 de junho de 2012 – 17:46 hs

    Pegou mal a comparação de um médico em greve
    com o movimento dos professores pelo piso nacional.
    Demonstrou falta de capacidade do doutorzinho de interpretar situações/realidades.
    Mas…querendo é só fazer especialização na área e migrar para o magistério.
    Quanto a mim, nunca desejei a Medicina , se bem que financeiramente seria o céu.
    Médicos bons merecem ganhar bem. Já o da entrevista…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*