Rei da Espanha se encontra com Dilma | Fábio Campana

Rei da Espanha se encontra com Dilma

O rei espanhol Juan Carlo cumprimenta a presidente Dilma Rousseff no palácio do Planalto, em Brasília

Da Folha de S. Paulo:

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (04) que a retomada do crescimento global não pode depender apenas de “medidas tomadas pelos países emergentes”. Durante almoço para recepcionar o rei da Espanha, Juan Carlos 1º, no Itamaraty, Dilma defendeu a “ação coordenada e solidária” entre todos os “grandes atores da economia mundial”, em especial os países da Europa.

“A retomada do crescimento em nível global não pode depender apenas de medidas adotadas pelos países emergentes. Em um momento de crise é fundamentel insistir em uma ação coordenada e solidária entre todos os grandes atores da economia mundial, em especial uma ação coordenada e solidária entre os próprios países da Europa. Será esta a mensagem que o Brasil levara à próxima cúpula do G20, no México”, afirmou a presidente.

“A afirmação da importância do crescimento econômico e simultaneamente a tomada de medidas na área dos esforços macroeconômicos de estabilidade. Não há incompatibilidade entre as duas, pelo contrário, é necessário o crescimento para que o ajuste não seja feito em detrimento dos interesses dos povos dos países europeus e dos povos de todos os países do mundo”, completou a presidente.

A presidente afirmou ainda que, diante do acirramento da crise e de processos recessivos, o Brasíl está se preparando para ter uma política “pró-cíclica” de investimentos. “Nós temos imensas oportunidades tanto na área de infraestrutura, transportes, energia, telecomunicações, como também na relação associada entre Brasil e Espanha”, disse Dilma.

DISCURSO DO REI

Em seu discurso, o rei da Espanha reconheceu que o bloco europeu enfrenta um problema econômico. “O mundo afronta hoje uma profunda crise econômica e financeira, que afeta a todos e golpeia com violência os países da União Europeia”, afirmou durante almoço no Itamaraty.

O monarca, entretanto, destacou que seu país mantém esforços para superar essa situação, e defendeu os “fundamentos sólidos” da Espanha. “Meu país tem o empenho e determinação para superar a crise desde a solidez de suas instituições e a excelência de nosso capital humano. (…) A economia espanhola tem fundamentos sólidos: nossa dívida pública é menor do que a de outros países da União Europeia. Nossas contas com o exterior e nossas contas públicas se equilibram com rapidez ao tempo que melhora nossa competitividade.”

O rei Juan Carlos adotou um tom elogioso ao Brasil ao afirmar que o país é hoje uma “potência do presente”, e disse que os dois países podem trabalhar juntos para lidar com a crise.

CHEGADA

O rei da Espanha, Juan Carlos 1º, chegou ao Palácio do Planalto por volta de 11h40min, com dificuldades de locomoção – ele não foi recebido na rampa do prédio, como prevê o cerimonial nesse tipo de visita. Ele entrou por uma porta lateral do palácio e se dirigiu ao gabinete da presidente Dilma Rousseff para a primeira agenda oficial do dia.

Pela manhã, o monarca reuniu-se por cerca de uma hora e meia com Dilma, no Palácio do Planalto. Também participaram do encontro os ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores), Fernando Pimentel (Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior), Marco Aurélio Garcia (assessor especial) e o embaixador do Brasil na Espanha, Paulo César de Oliveira Campos.

Juan Carlos está acompanhado de uma comitiva de empresários com o objetivo de intensificar o relacionamento econômico entre os dois países. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, a Espanha é o segundo maior investidor estrangeiro no país, com investimentos da ordem de US$ 85 bilhões no Brasil. Em 2011, a balança comercial (exportações e importações) Brasil-Espanha foi de US$ 7,97 bilhões.

Os dois países também assinaram um protocolo para criação do conselho empresarial Brasil-Espanha.

Após o almoço no Itamaraty, o rei Juan Carlos deve seguir para o Chile.

O monarca, de 74 anos, se acidentou durante uma polêmica viagem a Botsuana para caçar elefantes. Na viagem, a prótese que usava no quadril se deslocou.

O episódio causou polêmica na sociedade espanhola por ter acontecido num momento de crise econômica no país. Num movimento inédito, o rei acabou pedindo perdão publicamente pelo ocorrido. “Eu sinto muito, me equivoquei e não voltará a acontecer”, disse na ocasião.

VISTOS

Em visita ao Brasil no mês passado, o chanceler espanhol, José Manuel Garcia-Margallo, afirmou haver uma “decisão política” para resolver o problema de brasileiros barrados na Espanha e de espanhóis inadmitidos no Brasil.

Desde abril, o Brasil passou a exigir dos espanhóis os mesmos critérios aplicados a brasileiros em viagem ao país europeu. Comprovante de reserva em hoteis e um mínimo de recursos para permanecer no país são algumas exigências feitas atualmente.

Nesta segunda-feira, diplomatas brasileiros e espanhois se encontram em Madri par discutir uma forma de diminuir atritos entre os países nesse tema.

“É um compromisso, não uma promessa. Nossas equipes vão trabalhar para que as dificuldades que afetam as pessoas sejam resolvidas de forma imediata”, afirmou no mês passado o chanceler espanhol, após encontro com o ministro brasileiro Antonio Patriota (Relações Exteriores).

Foto: Pedro Ladeira/France Presse


7 comentários

  1. antonio carlos
    segunda-feira, 4 de junho de 2012 – 19:43 hs

    Vamos ver até aonde chegam estas juras de amor do rei. Agora que os europeus estão no bico do corvo, e depois que os hermanos roubaram os espanhóis, nós viramos amigos do peito. E quando não vamos mais correr o risco de passar vexame ao desembarcar na Espanha? É mais fácil um espanhol querer ficar por aqui, e arrumar um emprego, do que um brasileiro achar hoje um na Espanha, que é sinônimo de terra de desempregada. ACarlos

  2. BOZO
    segunda-feira, 4 de junho de 2012 – 20:01 hs

    E O REI FALOU, ESTA MAO TEM CHEIRO DE POLVORA,RSRSRSRSRS

  3. CAÇADOR DE PETISTAS
    segunda-feira, 4 de junho de 2012 – 20:11 hs

    O Rei da Espanha vai no mínimo pegar sapinho na boca.Ele não sabe do passado dela e pior, n~/ao sabe do futuro e da pretensão do PT para com o Brasil.
    COITADO.

  4. Pedro Rocha
    terça-feira, 5 de junho de 2012 – 10:24 hs

    Rei Juan mostra que postura, eduação e cavalheirismo, é pra quem tem.
    A diferença entre ele, e os brucutus e botocudos vermelhíssimos e adoradores de Fidel, que ora ocupam o poder em quase todos os países da América Latrina, é gritante!
    Além de tudo, roubam o patrimônio dos incautos que se atrevem a investir em suas paróquias!
    Vaza, Rei Juan! Abaixo da linha do Equador, vc só vai encontrar vagal!

  5. sergio silvestre
    terça-feira, 5 de junho de 2012 – 12:00 hs

    É ,agora esses gringos só falta suplicar para visitarmosa espanha.
    Temos economia ajustada,e esse povo a beira da falencia.

  6. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 5 de junho de 2012 – 14:08 hs

    Salve Sergio!
    Aqui de longe dá para ver tão claramente o que acontece aí na terra da gente.
    longa menino!
    Continue postando.
    Gosto dos seus comentários.
    Ao entrares na casa do Fábio mostras ao mundo que no Paraná não somos RESTOS de DITADURA como dizem muitos. Somos cidadãos LIVRES E EDUCADOS que até usam IRONIA mas não ofendem seus opositores. Sei. Tem sempre os CASCAS. Mas esses não contam!
    Abraços saudosos!
    Muito frio:
    Aqui tudo MARAVILHOSO!

  7. sergio silvestre
    terça-feira, 5 de junho de 2012 – 14:57 hs

    Não tem nenhum pais da america latina quebrando,então os de pos
    tura(no nosso)educação e cavalheirismo hein seu rocha!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*