O presidente do PT e o silêncio de ouro | Fábio Campana

O presidente do PT e o silêncio de ouro

Do Sandro Vaia:

É sempre previsível que um petista se entusiasme diante de sua torcida e cometa bravatas retóricas. O calor humano e o alarido da militância ajuda a multiplicar a valentia.

O próprio ex-presidente Lula, sangue, nervos e razão de ser do partido, reconheceu que fazia muito isso quando era oposição. (Quando era governo também, mas isso não foi objeto de suas considerações).

Dias atrás, falando a uma plateia partidária em Embu das Artes, o presidente do partido, ex-jornalista Rui Falcão, foi mais fundo do que já tinha ousado ir na carga de sua brigada ligeira contra a imprensa.

Colocou seu guardanapo ideológico na testa, deixou cair os eufemismos e foi direto ao ponto:

“(a mídia) é um poder que contrasta com o nosso governo desde a subida do (ex-presidente) Lula, e não contrasta só com o projeto político e econômico. Contrasta com o atual preconceito, ao fazer uma campanha fundamentalista como foi a campanha contra a companheira Dilma (nas eleições presidenciais de 2010).”

Em suas intervenções anteriores sobre o tema da regulamentação das comunicações, o presidente do PT sempre tomou o cuidado de ressaltar que se tratava da elaboração do marco regulatório para as comunicações previsto no texto constitucional e que isso não tinha nada a ver com controle de conteúdos.

Ao declarar que a mídia “contrasta” com o projeto político e econômico do governo,e que por isso o governo se preparava para “peitar” (a mídia) como tinha acabado e “peitar os bancos”, o presidente do PT cometeu um ato falho.

Deixou explícito que o partido não admite que a mídia “contraste” o governo. Considerando-se o significado da palavra (comparar,cotejar, ser contra ou opor-se a), Rui Falcão defendeu nada menos que a interdição do debate e da oposição.

Não “contrastar” o projeto político e econômico do governo deveria, portanto, tornar-se uma obrigação. Já vimos isso antes aqui e em outros lugares, não vimos?

Paulo Bernardo, ministro das Comunicações e dos panos quentes, correu a esclarecer que as opiniões do partido não têm nada a ver com as do governo e desautorizou a bravata do presidente de seu partido.

Rui Falcão deve saber disso melhor do que ninguém, mas nem por isso deixou de aproveitar a chance de jogar um pouco de gasolina na fogueira das milícias partidárias virtuais.

Essas milícias estão empenhadas em promover uma campanha de desmoralização da imprensa, para ver se conseguem envolvê-la na mesma lama dos acusados do mensalão, na tentativa de diminuir o impacto do julgamento que se aproxima.

Em vez de negar o crime, o que é uma tarefa difícil, tentam distribuí-lo igualmente entre todos, democratizando a lama.

Além de peitar os bancos, seria saudável se a presidente da República peitasse também o presidente do seu partido e deixasse claro que ela, como a maioria do País, prefere “o barulho da imprensa ao silêncio das ditaduras”.

Nesse caso, o silêncio do presidente do PT seria de ouro.


15 comentários

  1. CAÇADOR DE PETISTAS
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 10:18 hs

    Para a consolidação duma Dita Dura, um dos primeiros passos é calar a Imprensa.

    Nenhum ditador convive com quem denuncia, investiga as brutalidades cometidas contra o Estado de Direito.

    Aos que chamam os órgãos de Imprensa insubmissos ao Totalitarismo que vige, de P.I.G., recomenda-se consultar a História da Rússia comunista, da Alemanha nazista, da Itália fascista e mais recentemente de Cuba castrista, e dos seus seguidores menores na nossa América.

    Calar a Imprensa, subjugar a Justiça, trancar a porta do Parlamento, cooptar os Sindicatos, os ítens da construção duma Dita Dura.

    Sei não!!!

  2. Doutor Prolegômeno
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 10:19 hs

    Quem é a mistura de Grouxo, Chico e Harpo Marx?

  3. valdir bassai
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 10:43 hs

    Caro Fabio falta pouco para a censura da midia acontecer,
    Basta abrir os jornais e revista para ver como o assunto esta sendo pouco debatido.
    Porque isso acontece?
    Simplesmente porque a grande maioria dos profissionais ja estão comprometidos via ($$$$) com o poder politico.
    Poucos são os jornais, revista e jornalistas que estão se manifestando contra tal situação.
    É possivel confiar na mídia (jornais,revistas)?
    Sempre teremos bons profissionais em qualquer ramo de atividade, bem como os aproveitadores.

    Se o intento dos petistas for alcançado, melhor começar a chamar os militares para assumirem o poder de volta.
    Alguem deseja isso?

    Reajam profissionais da midia!!
    Enquanto temos tempo.

  4. Pedro Rocha
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 11:16 hs

    Se fosse sério e coerente, não seria presidente do petê.
    Os fundadores idealistas, pessoas de bem, que criam num partido isento de corrupção e sacanagem já saíram há muito tempo à procura de ares menos poluidos. Por lá ficaram, Zé Dirceu, Delúbio, Lulla…..
    Esse partidéco teleguiado pelo Foro S.Paulo, com a cumplicidade de Lulla e Dilma, prepara unhas e garras na tentativa de se apoderar de vez do Brasil.
    Não vai levar! Serão escorraçados antes disso!

  5. Claudilino Santos
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 11:19 hs

    Pra ver como é …. Gente que num passado bem recente só tinha os espaços na mídia para expor seus “ideais” agora querem controlar a mídia. Isso não cheira bem e a democracia brasileira corre sérios riscos com essa fome petista por controle da mídia.. Temos que ficar de olho nessa cambada…. Claudilino Santos . Diretor de redação do Jornal Correio do Vale de Telêmaco Borba.

  6. Demerval
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 11:51 hs

    Agora estão publicando textos reacionários de um cagueta que delatou dois “subversivos” da ditadura. Que papel se sujeita uma pessoa que quer poder e grana, não?

  7. jaferrer
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 12:34 hs

    Ou o pt é uma contradição ambulante, ou o governo (no caso a Dilma) mente ao reafirmar constantemente sua vocação democrática. Que todos aqueles que não têm argumentos, mas têm rabo preso, não gostam da imprensa investigativa, todo o Brasil já sabe. O que queremos saber definitivamente e com transparência é qual a posição do governo: se esta comprometido com a democracia que levamos tanto tempo para conquistar ou se pretendo o retrocesso anacrônico do radicalismo enferrujado.

  8. Ryan
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 13:32 hs

    cara, a única coisa a ser cobrada dos veículos é a concorrência comercial que foi deixada de lado. a fatura do Instituto Millenium pela proteção a Veja virá em breve.

  9. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 14:45 hs

    Ei…O texto lá em riba creditado ao Caçador de Petistas é meu.

  10. Nossa, nossa!
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 15:16 hs

    O valdir bassai tem absoluta razão ao se indignar com a postura passiva adotada pela mídia, no mais das vezes comprada, quando o assunto é jornalismo informativo, de denúncia séria …

    Realmente difícil confiar numa imprensa que não divulga a opinião de nosso Govenador sobre o caso do Derosso, por exemplo. Nem sequer fazem a pergunta pra ele!

    Ora, o companheiro de partido foi Presidente da Câmara de Vereadores durante a gestão do nosso atual Governador na Prefeitura, apoiou-o durante a eleição, subia no palanque e tudo, e agora? Nosso Governador comanda o PSDB, nenhum repórter tem curiosodade de saber o que ele pensa de assunto? Estranho não?

    Por essas e outras que não acredito na seriedade da imprensa e acho que deve haver um controle estatal sobre a atividade … Do jeito que está os mesmos caras que controem um sujeito e elevam um cidadão ao mais alto patamar possível, são os que esculhambam com a vida de muitos que nem tem culpa no cartório, tudo em nome do interesse pessoal.

    Nós, o povo, ficaremos nas mãos dessa mídia, em nome da proteção da liberdade de imprensa e da democracia, enquanto não nos for dado acesso à educação de qualidade, capaz de nos prover de capacidade crítica, esta é a chave para uma imprensa livre de verdade e consequente democracia, sem isso faz-se necessário controle e proteção, isto é o verdadeiro Estado de Direito.

  11. Silva Jr.
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 19:14 hs

    E SE DEMóstenes TORRES FOSSE SENADOR DO PT ? E SE CACHOEIRA FOSSE INFORMANTE E “PAUTASSE” AS MATÉRIA DA CARTA CAPITAL ?

    Não é preciso “BOLA DE CRISTAL”, não é necessário pedir que a cartomante “coloque as cartas na mesa” e nem mesmo puxar muito pela imaginação para responder a pergunta / título do post.

    Quantos editoriais, quantas linhas no Jornal O Globo, quantas defesas na coluna do Merval você teria lido, se Carlos Cachoeira ao invés de se relacionar com Policarpo Jr. e a VEJA, passando informações que deram origem a matérias contra o governo, fosse informante da Revista Carta Capital. Como o jornalista Mino Carta estaria sendo tratado pela “grande imprensa” se as relações promíscuas entre a EDITORA ABRIL de Roberto Civita tivessem sido por ele, Mino, praticadas ao longo de anos ?

    O que a “grande imprensa” já teria feito com o Procurador Geral da República Roberto Gurgel, se ele tivesse “sentado em cima” (Palavras de um Delegado) das provas que lhe foram apresentadas pela Polícia Federal contra o Senador Demóstenes Torres, se ao invés de DEM ele estivesse ligado a sigla PT ?

    O que a grande imprensa já teria feito com o próprio DEMóstenes ? Seria essa conduta meramente informativa, pouco acusatória e crítica, que já mereceu até os arroubos do meio imortal Merval, se aventurando pelo campo da psicanálise para encontrar um senador insano ao invés de um crápula, mentiroso, desonesto e corrupto ?

    Coloquem AGNELO QUEIROZ (PT) no lugar de Marconi Perillo (PSDB), com todas as pesadas ligações desse com Cachoeira e sua turma, e imaginem se Agnelo ainda teria condição de ser governador do Distrito Federal, visto o massacre a que seria submetido diuturnamente, do “BOM DIA BRASIL” ao Jornal das Dez, passando pelo indefectível “JORNAL TUCANO NACIONAL” ?

    É lamentável concluir que, a corrupção no Brasil encontra na imprensa brasileira uma poderosa aliada. Ao combater “seletivamente” os corruptos ou pseudo-corruptos que não são do seu “time”, ao escolher para divulgar, martelar, manipular e aumentar os casos em que há indícios de corrupção, de acordo com os interesses financeiros, ideológicos e até sociais que lhe são interessantes, enquanto que outros coloca no armário, para de lá só os tirar quando for igualmente intere$$ante, os meios de comunicação no Brasil, verdadeiros OLIGOPÓLIOS, controlados por famílias representantes do atraso e do conservadorismo mais hipócrita, fomentam a corrupção que fingem cinematograficamente combater.

  12. DE OLHO
    sexta-feira, 11 de maio de 2012 – 19:44 hs

    PRA ESSA BANDIDAGEM petista A FORCA É POUCO.

  13. CAÇADOR DE PETISTAS
    sábado, 12 de maio de 2012 – 7:11 hs

    Parreiras Rodrigues

    Eu li, achei que falou tudo, e não poderia deixar de postei.
    Resspeito o direito autoralok mas, pra acabar com o PT, vale tudo, é o que eles estão fazendo para se perpetuar no poder com seu regime porco já fálido mundo á fora.

    PARABÉNS.

  14. Pedro Rocha
    sábado, 12 de maio de 2012 – 11:28 hs

    Li o texto atribuído ao Caçador de Petistas, e pensei: O cara tá tão emputecido que esqueceu até de xingar a petezada!
    Agora tá explicado!
    Parabéns, Parreiras!
    Teu texto resume uma realidade cruel, a qual corremos sérios riscos de termos que encará-la mais dias, menos dias, pelo menos enquanto durar a sacanagem petista no nosso meio!
    Praticamente todos os componentes do Foro S.Paulo já buliram nesse assunto. A Cristina já avançou no processo; o Chávez tá fazendo a parte dele, e conforme o Foro S.Paulo, só a petezada incompetente é que não fez nada ainda do determinado!
    O processo por aqui, está só nas ameaças! É só aguardar!

  15. KAIO
    sábado, 17 de novembro de 2012 – 23:09 hs

    As críticas à cobertura das eleições, ao julgamento do mensalão, e às condenações dos réus do mensalão se mostram pertinentes à medida que trazem a tona aos leitores mais atentos o quanto há de parcialidade, exagero e juízos morais na imprensa brasileira. O que salta aos olhos é que o papel do jornalista muitas vezes é composto por reportagens feitas sem uma investigação aprofundada dos fatos por “preguiça” ou pressa na divulgação de dados de pesquisas restritas, limitadas, que não representam na verdade a realidade.
    Dessa forma para uma cobertura ética se torna indispensável que na imprensa os profissionais estejam comprometidos com a verdade, isentos de julgamentos morais e políticos, missão quase impossível numa sociedade como a nossa.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*