Governo confirma reforma na remuneração da caderneta de poupança | Fábio Campana

Governo confirma reforma na remuneração da caderneta de poupança

Ruy Baron/ValorDo Valor:

O governo confirmou a reforma na remuneração da caderneta de poupança, que passará a ser atrelada ao valor da taxa básica de juros, a Selic. A nova regra só entrará em vigor, no entanto, a partir do momento em que a Selic cair para 8,5% ao ano, ou menos. Nesse momento, o juro fixo da caderneta será equivalente a 70% desse percentual.

“Quando o Banco Central resolver reduzir a taxa Selic para 8,5% ou abaixo de 8,5%, a remuneração passará a ser um percentual de 70% da Selic mais a TR (Taxa de Referência)”, declarou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista coletiva. A mudança será feita por meio de Medida Provisória, a ser publicada numa edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Hoje, a Selic está em 9% ao ano. Enquanto continuar nesse patamar, a remuneração da poupança permanecerá seguindo as regras que valeram até 3 de maio: remuneração por juros fixos de 0,5% ao mês (o que resulta em 6,17% ao ano), mais a variação da TR, hoje de 0,02%.

O novo cálculo de remuneração só valerá para os depósitos feitos a partir de amanhã, 4 de maio. Todas as aplicações existentes até o dia de hoje – 100 milhões de cadernetas ativas, com estoque de R$ 431 bilhões  – continuarão com as regras anteriores, estabelecidas em 1991.

“Fácil operacionalização”

Mantega garantiu que os bancos não terão dificuldades para se adaptar à nova regra de remuneração da caderneta de poupança. Em entrevista coletiva na noite desta quinta-feira, Mantega explicou que como a mudança só valerá caso a taxa básica de juros, a Selic, chegue a patamar igual ou menor a 8,5%, os bancos terão tempo para se adaptar.

“Os bancos terão tempo para se adaptar a essa sistemática, porque nada acontece amanhã ou depois de amanhã. Nós temos uma reunião do Copom daqui a 30 dias e não sabemos o que vai acontecer”, disse o ministro, referindo-se à prerrogativa do Comitê de Política Monetária de definir o patamar da Selic.

Segundo Mantega, quando a nova regra for aplicada, será como se os bancos “desmembrassem a conta em duas”. “Uma terá a rentabilidade pautada de um jeito e outra, de outro jeito. (…) O banco terá que prestar contas ao aplicador dizendo o saldo na conta antiga e o saldo na conta nova”, declarou.


7 comentários

  1. amilcar lacerda
    quinta-feira, 3 de maio de 2012 – 20:38 hs

    CONGELAMENTO!!!!!!!NA VERDADE HOUVE UM CONGELAMENTO DAS POUPANÇAS ATUAIS…
    Todo rendimento das atuais cai nas novas, cujo
    rendimento é menor…e aquele bando de ‘perguntadores’
    não entendeu ou não quis entender. Precisamos de
    verdadeiros jornalistas, o povo merece a informação
    verdadeira!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. salete cesconeto de arruda
    quinta-feira, 3 de maio de 2012 – 22:07 hs

    Rsrsrsrsrrsrssrsrsrrs
    Vai ter gente PIRANDO com a necessária medida tomada na hora certa antes que os ESPECULADORES com a baixa dos juros fugissem para a poupança.
    O POVO SABE QUE NÃO PERDE NADA!
    Mas é bom explicar aos bobos que esta medida não prejudica ninguém. Só os especuladores deixam de ganhar mais já que os juros baixaram querendo os bancos ou não.
    Simples assim

  3. jose
    quinta-feira, 3 de maio de 2012 – 22:55 hs

    Eita…ver salete arruda defendendo o golpe da poupança que o pt aplicou…não tem preço…se fosse outro governoi ela estaria esperneando acorrentada a uma porta da cef ou do bb…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Mauro
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 1:04 hs

    Que ridículo, e hilariante! A oposição sempre bateu no governo por causa dos juros altos. Quando o governo toma medidas desta natureza para baixá-las, urram do mesmo jeito!!! É claro que se os juros baixam o rendimento também cai, uma coisa está atrelada a outra! Querer baixar continuamente os juros como o governo pretende, pagando o mesmo patamar de rendimentos, é suicídio! Eu que não sou economista estou até entendendo esta conta! É claro que o governo corre o risco disto ser mal interpretado pelos poupadores, alimentado pela oposição fajuta e irresponsável, mas é uma medida necessária!

  5. Eu li
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 8:03 hs

    Tem que dar explicação melhor, está muito confuso.

  6. marilene vieira
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 10:27 hs

    Foi um ‘tiro no pé’…o povo não é bobo…disser que será isso
    se …a selic for a 8,5…ela irá sem dúvida…e é mais um calote,
    pois a dívida pública vai completar DOIS TRILHÕES!!!!O engraçado,
    se não fosse mais um tragédia, é usar de primarismo na comuni-
    cação ao povo brasileiro, tratando os cidadãos como debilóides…

  7. Helena
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 16:23 hs

    Sabem qual é alíquota do IR – imposto de renda, das aplicações financeiras externas? é ZERO pessoal… enquanto nós brasileiros pagamos caro os altos tributos aqui em nosso brasilsão. Fábio você sabe porque os estrangeiros não são tributados em suas aplicações???

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*