Gasto do governo com varejo político dispara após a crise | Fábio Campana

Gasto do governo com varejo político dispara após a crise

Liberações para emendas parlamentares agora superam R$ 350 mi por mês. Distribuídas entre 11 pastas, essas rubricas se destinam a obras e projetos menores, típicos de municípios.

Do Gustavo Patu, na Folha:

A crise no relacionamento com os partidos aliados e a criação da CPI do Cachoeira coincidiram com a multiplicação da liberação, pelo governo Dilma Rousseff, de verbas de interesse de deputados, senadores, prefeitos e governadores.

Os registros diários dos desembolsos federais mostram um salto, a partir de março, das despesas incluídas por congressistas no Orçamento da União em favor de seus redutos eleitorais -as chamadas emendas parlamentares.

Para detectar a movimentação de recursos destinados a negociações políticas, a Folha selecionou uma amostra das iniciativas orçamentárias que mais recebem emendas e servem de base para as barganhas cotidianas entre o Planalto e o Congresso.

Os desembolsos para essas finalidades quadruplicaram de fevereiro para março, quando ultrapassaram a casa dos R$ 350 milhões -patamar repetido em abril.

Em consequência, os primeiros quatro meses do ano terminaram com liberação de R$ 911 milhões, contra R$ 363 milhões no primeiro quadrimestre de 2011, quando Dilma lançava seu pacote de austeridade fiscal.

Esses gastos estão concentrados em 20 ações de governo -entre as mais de 4.500 previstas no Orçamento da União-, que servem como um termômetro do fisiologismo no varejo político.

Elas respondem por três quartos das emendas apresentadas por deputados e senadores nos últimos três anos; 95% de suas verbas vêm de emendas individuais ou de bancadas estaduais e comissões temáticas.

Distribuídas entre 11 ministérios, essas rubricas foram criadas para abrigar obras e projetos de pequeno porte, como praças, ciclovias, quadras e postos de saúde. O Executivo negocia a liberação da verba em troca de apoio no Congresso; para deputados e senadores, interessa colher dividendos eleitorais.

Os dados mostram o momento em que os congressistas tiveram uma reviravolta na liberação de verbas: a rejeição pelo Senado, em 7 de março, do indicado do Planalto para a Agência Nacional de Transportes Terrestres.

No outro dia, Dilma mostrou ter entendido o recado dos aliados e mandou avisar que as demandas seriam atendidas com mais presteza.

No dia 9 de março, as ações campeãs de emendas receberam mais de R$ 80 milhões -até então, o desembolso diário no ano nunca havia chegado a R$ 20 milhões.

Em abril, o movimento foi mais intenso no intervalo de duas semanas entre a decisão da bancada governista de apoiar a CPI do Cachoeira e a efetiva criação da comissão.

A aceleração dos gastos não está circunscrita às miudezas da política. Em março, a despesa do Tesouro teve alta de 17% em relação ao mesmo período de 2011. No primeiro bimestre, a taxa foi de 9,5%.


12 comentários

  1. Marcelo
    domingo, 6 de maio de 2012 – 10:15 hs

    Depois que Demóstenes, Cachoeira e a revista Veja, tramaram a queda da Dilma, algumas mídias e a oposição caíram em descredito. Fácil explicar os 77% de aprovação da presidenta de todos os brasileiros e triste ver o ódio dos ressentidos!

  2. ricardo l. jr
    domingo, 6 de maio de 2012 – 11:38 hs

    é incrível como a QUADRILHA LULA tomou conta do Estado
    brasileiro…tem até quem acredite que são pessoas de bem…
    assaltantes de bancos no passado, hoje são vestais da adm
    pca …………….

  3. salete cesconeto de arruda
    domingo, 6 de maio de 2012 – 13:41 hs

    Saiu no PIG – PARTIDO DA IMPRENSA GOLPISTA – Fábio?
    Então é melhor esperar por todos da BLOGOSFERA pois no PIG não há liberdade de EXPRESSÃO.
    Lá no PIG bons JORNALISTAS não se criam. Só aqueles que chamam patrão de coleguinha como bem o disse o PHA.
    Simples assim.
    E agora que Dilma matou os juros como a VEJA será ‘paitrocinada’?
    Pelo padim Serra de novo em mensalões?

  4. SERGIO SILVESTRE
    domingo, 6 de maio de 2012 – 17:08 hs

    Se falou tudo ricardo 16.Aquadrilha do lula substituiu os assal[
    tantes de banco do passado,batedores de carteira .
    E tem chefes importantes,filha do serra,dantas e os capo que
    ficavam na moita,fhc,serra,sergio mota,mais um monte hein.

  5. Palpiteiro
    domingo, 6 de maio de 2012 – 17:21 hs

    Lula tinha uma virtude: sabia que não entendia nada de economia e não se metia a besta na área.Já Dilma não entende nada de economia, mas, é metida a entender. Vai dar merda.

  6. domingo, 6 de maio de 2012 – 17:25 hs

    Dilma vai as compras.
    Compra um aqui outro acolá e olha que comprar o silêncio, sai caro mas o que importa se é o povo quem paga a conta

  7. luiz
    domingo, 6 de maio de 2012 – 17:37 hs

    Caminharemos junto com a Venezuela de Chaves rumo ao atraso. As praticas adotadas por este governo (práticas estas que não deram certo em parte alguma do mundo) nos levarão à bancarrota financeira e moral.

  8. salete cesconeto de arruda
    domingo, 6 de maio de 2012 – 17:41 hs

    Lembrete:

    NUNCA NO BRASIL SE LIBEROU TANTA VERBA PARA DEPUTADOS E SENADORES COMO NA OCASIÃO DA COMPRA DO SEGUNDO MANDATO PELO FHC/PSDB E SEUS ALIADOS.

    Basta verificar os dados.

    Quem tem memória vai perceber.

  9. SILVIO
    domingo, 6 de maio de 2012 – 17:49 hs

    COMUNISTAS DESGRAÇADOS.

  10. Marcelo
    domingo, 6 de maio de 2012 – 19:02 hs

    Salete, esqueceu do PROER

  11. Ocimar
    segunda-feira, 7 de maio de 2012 – 12:37 hs

    A SALETE ESQUECEU TAMBÉM O GARDENAL.

  12. salete cesconeto de arruda
    segunda-feira, 7 de maio de 2012 – 17:15 hs

    Ocimar
    Eu tomo FELIZAC Ocimar. SEM MEDO DE SER FELIZ!
    Quem toma o tal GARDENAL se é que ainda é existe deve ser você.
    Por isso escreve tanto bobeira.
    De qualquer forma não sofra tanto com o comentário dos outros.
    SEJA FELIZ!
    Vá no Barigui ver o túnel que me disseram está loteando o parque.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*