Fruet: "Terceirização de espaços públicos revela descaso e falta de planejamento" | Fábio Campana

Fruet: “Terceirização de espaços públicos revela descaso e falta de planejamento”

Artigo de Gustavo Fruet

“Veio à tona na última terça-feira (22) a informação de que a Prefeitura de Curitiba lançou edital de licitação para repassar à iniciativa privada a gestão e a operação da Pedreira Paulo Leminski e da Ópera de Arame, que ficam no Pilarzinho, e do Parque Náutico do Iguaçu, no Boqueirão.

A informação foi recebida com preocupação pelo meio cultural e por todos que amam estes espaços públicos que são reconhecidos como ícones de nossa cidade. O processo de concessão foi inclusive classificado como “obscuro” em reportagem publicada na edição desta quarta-feira (23) da Gazeta do Povo.

O jornal lembra que o aviso de licitação foi publicado pela Secretaria Municipal de Administração (SMAD) no último dia 17 de abril no Diário Oficial do Município e na imprensa, mas sem qualquer outra divulgação por parte da prefeitura. O edital prevê a concessão por um período de 25 anos.”

“A iniciativa da Prefeitura, questionável em vários aspectos, evidencia a falta de uma política cultural.
Mais uma vez, está sendo tomada uma atitude precipitada – o que tem se tornado uma marca da atual gestão. Basta lembrar do cancelamento do contrato para operação dos radares, depois que a empresa Consilux, que operava o sistema, foi denunciada por corrupção. A medida, questionada por juristas, pode ainda gerar um enorme passivo para os cofres do Município.

Outro exemplo foi o anúncio da revitalização da Avenida Cândido de Abreu. O projeto não conta com recursos e não tem previsão alguma de ser concretizado.

No caso da terceirização dos espaços públicos, chama ainda a atenção o fato da Fundação Cultural de Curitiba (FCC) não estar à frente do processo.
A transferência destes espaços para a iniciativa privada – em ano eleitoral, lembre-se – revela falta de cuidado e de planejamento. Perde-se a oportunidade de se debater o futuro dos espaços culturais de nossa cidade.

Entregar a gestão da Pedreira, da Opera de Arame e do Parque Náutico para empresas particulares, por 25 anos, contraria inclusive o conceito da Lei de Responsabilidade Fiscal, que veio justamente para impedir que os gestores antecipem receitas e transfiram dívidas para futuros administradores, justamente no último ano da gestão. Como só viram isso agora? Falta interesse em ampliar o debate e buscar parcerias? Ou simplesmente é uma forma de abrir mão da responsabilidade?

Os espaços culturais representam a identidade de nossa cidade e de nossa gente. Foram conquistados através da união de forças de várias gerações. É preciso promover o debate sério e com tempo sobre o tema. Identificar alternativas, sob pena de engessar o setor.”


37 comentários

  1. Adelino
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 16:53 hs

    Parabens ao Gustavo pela manifestação lúcida em defesa dos patrimonios de nossa cidade. Um grande abraço a vc Fabio e todos que amam nossa cidade.

  2. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 16:58 hs

    É o pior tipo de farsante.

    Aquele que acredita da farsa.

    Vejamos:

    Enquanto FHC e cia. PRIVATIZAVAM tudo, FRUET ara do mesmo partido, o PSDB.

    PDT (atual partido do Fruet), apoiado pelo PT e cia. (que sempre foram contra privatizar), aprovaram a entrega dos Aeroportos para a iniciativa privada.

    COINCIDÊNCIA:

    Nos memos noldes da privatização que o Ducci quer fazer.

  3. EURONIMOUS
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:17 hs

    APRENDAM A DIFERENÇA ENTRE CONCESSÃO E PRIVATIZAÇÃO…

  4. Marques
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:21 hs

    Muitas vezes terceirização não é só sinônimo de descaso e falta de planejamento. É falta de patriotismo. falta de comprometimento, falta de vergonha na cara e, interesse pelas verbas das empresas que ganham as licitações das terceirizações no patrocínio das campanhas políticas.

  5. paulo
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:31 hs

    ontem o marcelo richa, descorreu sobre as universidades federais e4m todo o pais(olhem bem a grandeza do fat) agora querem privatizar, terceirizar, coisas faceis de adm.. cade vc marcelo.

  6. Marcelo
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:31 hs

    Concordo plenamente com esta postura do Gustavo Fruet.
    A Pedreira, assim como a Opera de Arame e Parque Nautico devem ser explorados, geridos e preparados para a comunidade, que paga seus impostos !! Não podemos esquecer que ao utilizar uma estrada federal, depois de pagar o nosso IPVA, ainda temos q pagar pedagios altissimos. O ESTADO, precisa sim se reformular e replanejar. A cultura assim como a saúde, educação e trabalho é um direito de todos.

    Se é questão de dinheiro?? Pq a prefeitura não organiza uma agenda cultural nestes espaços e arrecada de alguma forma dinheiro para outras áreas?? A saída é sempre terceirizar?? E por 25 anos ?? Justamente antes de uma eleição municipal??

  7. Zangado
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:51 hs

    Candidato Fruet, se interessar dê uma lida no post abaixo que já coloquei em outra notícia:

    “O local está impedido de fazer shows por decisão da Justiça a pedido de moradores.

    Então “privatiza-se”, cai a liminar e volta-se a produzir shows sob outra denominação, ou que o valha …

    Os moradores ficarão com o prejuízo é a primeira pergunta óbvia !

    Dou uma sugestão:

    É imperativo legal para qualquer retomada de atividades de shows ou similares no local – Estatuto das Cidades.

    O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é um instrumento de planejamento urbano instituído pela Lei 10.257/2001, denominada Estatuto da Cidade, pela qual todos os municípios brasileiros obrigam-se a regulamentá-lo em lei específica, determinando quais empreendimentos são passíveis do estudo, a fim de desobrigar aqueles cujo impacto é praticamente nulo ou pouco significativo.

    Por ocasião do 7º Congresso de Meio Ambiente e 1º Congresso de Habitação e Urbanismo do Ministério Público do Estado de São Paulo, realizado no Município de Amaro/SP, nos dias 20 a 23 de novembro de 2003, foram aprovadas algumas conclusões de teses, entre elas a de nº 9, inserida no tema “Ministério Público e a Defesa da Ordem Urbanística: uma visão a partir do Estatuto da Cidade”, tendo como relator o Dr. Antônio Alberto Machado, Promotor de Justiça da Comarca de Ribeirão Preto/SP, “in verbis”:

    “9 – O Ministério Público, na defesa da sustentabilidade urbana, poderá promover ação civil pública, na forma da lei municipal a que se refere o art. 36 do Estatuto da Cidade ou da legislação ambiental pertinente, a fim de condenar o interessado na obrigação de elaborar Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança (EIV) e/ou de Estudo Prévio de Impacto Ambiental (EIA), quando o mesmo for realizar empreendimento ou atividades que dependam de tais estudos prévios, tal como exigido pelos artigos 36 a 38 do Estatuto da Cidade.” (grifou-se).

    Leia mais: http://jus.com.br/revista/texto/12335/da-nao-auto-aplicabilidade-do-art-36-do-estatuto-da-cidade-lei-no-10-257-01#ixzz1viQBGyIm

    O Município reluta em regulamentar este instrumento técnico-jurídico – porque será ?

    Oi Ministério Público, oi IBAMA e IAP, oi entidades ambientalistas – tem que fazer estudo de impacto de vizinhança para poder licitar tais espaços públicos !!!! “

  8. NEA
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 17:53 hs

    Fruet, você está absolutamente certo, terceirização de espaços públicos é descaso e falta de planejamento. Em alguns casos, até corrupção e interesse por contribuições para campanhas eleitorais.

  9. marcelo
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 18:09 hs

    Vigilante do Portão
    Nos mesmos moldes?
    Você está equivocado.

  10. ROQUE
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 18:37 hs

    OI MARCELO

    VC É QUE ESTÁ EQUIVOCADO

    Ao contrário do que tem circulado nas redes sociais, de que a prefeitura de Curitiba estaria preparando a privatização da Pedreira Paulo Leminski e da Ópera de Arame, no bairro São Lourenço, o que de fato vai acontecer será uma licitação para ceder a administração desses espaços públicos para uma empresa privada

    É NOS MESMOS MOLDES DAS CONCESSÕES DE AEROPORTOS E DE ESTRADAS PELO GOVERNO FEDERAL ATUAL.

  11. Thiago Hart
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 18:56 hs

    Meu Deus que cara de pau deste homem, pobre Fruet. Falando mal do que antes defendia. Pq agora ele quer um estado gigante? Será para colocar os neoaliados nos cargos??? VERGONHA ALHEIA!! @thiagohart

  12. NEA
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 18:59 hs

    Aeroportos e estradas são empreendimentos de grande porte,necessitam de muito capital, espaços públicos não.
    Se a prefeitura de Curitiba uma das mais ricas do Brasil, não têm condições de manter os espaços públicos, não é por falta de dinheiro, é incompetência ou interesses escusos.
    Ducci pede sair, alguém competente pode além de administrar os espaços públicos, resolver a vergonaha que é nossos postos de saúde.

  13. marcelo
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 19:04 hs

    Roque
    Comparar espaços públicos com estradas e aeroportos é no mínimo desproporcional, para não dizer outra coisa!

  14. CAÇADOR DE PETISTAS
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 19:06 hs

    O que você a dizer sobre o MENSALÃO DO PT

  15. Paulo Roberto
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 19:07 hs

    Concordo com o Fruet! – Quem quiser dar trato à bola, é só conferir o processo de terceirização do Parque Barigui.
    Quase um ano antes, o mercado já sabia quem levaria a boiada! Outra coisa, Joinville, uma cidade com 500mil habitantes tem TRÊS centros de eventos. Um com 5mil m², aquele antigo ali na Expoville.
    Junto ao antigo construiram o Wittig Freitag, com 12mil m², (60x200m), num nível só, sem uma coluna sequer, ar condicionado, etc etc etc.
    E no centro da cidade, junto ao CentrEventos, construíram o Edmundo Dobrawa, com 6mil m², um ótimo espaço, também com amplo estacionamento, ar, etc etc etc! – E todos têm calendário o ano todo! Não fecham nunca!

    Já Curitiba, tinha um só: o antigo Pavilhão do Barigui, velhinho mas macanudo, pedindo socorro mas de pé, forte, rijo e trabalhando seus 9mil m², uma estrutura de madeira que atraia estudiosos do mundo inteiro; construido na década de 70 pela iniciativa privada, em regime de comodato por trinta anos.
    Decorrido o prazo, a URBS fez valer o contrato, e o patrimônio passou para o poder público.
    E a partir de 2005, a URBS passou a explorar o local.
    Não colocou ali um parafuso sequer, lopcava do jeito que recebeu; e o m² era igual, ou até mais caro que outros espaços similares; também com calendário o ano todo.
    Ao invés de dar uma boa reformada naquele patrimônio histórico da cidade, e entregá-lo pro mercado, em forma de locação, como sempre foi feito, além de ser uma enorme fonte de rendas pro munícipio, atenderia as aspirações das inúmeras empresas que exploram a realização de eventos comerciais e não afetaria a história das Feiras e Exposições do Brasil, pois esse Pavilhão era um dos mais antigos do país, e conhecido no mundo inteiro.
    Mas qual; não se fez nada disso; pior; o negócio foi terceirizado, em pouco tempo foi tudo demolido, e em seu lugar, foi construído um pavilhão de, pasmem, CINCO MIL METROS QUADRADOS. Quase 50% menos. Menor, que o menor dos três pavilhões de Joinville, com 500 mil habitantes, que opera no total 23 mil m², e nós encolhemos nosso total pra 5mil m² com quase 3 milhões de habitantes.
    Tudo por causa de um ano eleitoral. Uma vergonha!

  16. M.A.S
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 19:57 hs

    Falta de planejamento não meu caro Gustavo.
    Falta de competência para administrar esses setores.

  17. fabio
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 20:44 hs

    Como tem gente burra mesmo ,quem falou em privatizar o fruta vai ter se ver com opt ele sempre falou que a turma do pt era ladrões.

  18. Marcelo Araújo
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 20:55 hs

    Certíssimo. Agora, aguardamos o artigo do neo-petista Fruet contra a terceirização de recursos públicos via editais da Fundação Cultural para artistas privados curitibanos. hehehehe Político é tudo cara de pau.

  19. Arruia
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 21:44 hs

    Ô Caçador de Petistas, é só vc ler o Livro PRIVATARIA TUCANA, do Amaury Ribeiro Junior, que vc já vai entender o que é “senvergonhice” !!!

  20. mariana
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 21:56 hs

    Foram as privatizações que permitiram que os brasileiros tivessem acesso aos serviços de telefonia, antes restritos à quem tinha muito, mas muito dinheiro ou então ficava 4, até 10 anos numa fila para ter um telefone em casa.
    Infelizmente usam empresas estatais como de cabides de empregos, onde alojam-se apaniguados, familiares e incompetentes !
    O governo quer cuidar de tudo e acaba não cuidando dos setores realmente importantes: educação, saúde, segurança, infra-estrutura !

  21. quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 22:03 hs

    Fruet está decorando a cartilha direitinho .
    Esqueceu o que disse e só lembra que tem que atacar nem que for para sangrar depois

  22. curiosidades
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 22:14 hs

    muito surpreende este comentario do Fruet, até parece que ele já foi um grande administrador público ! pelo visto está confundindo concessão com privatização aquelas que ele sempre defendeu favorávelmente até poucos meses atrás. engraçado agora mudou de idéia e ainda mistura as coisas, bem características das manobra do pt., Está aprendendo rápido a cartilha vermelha…

  23. ROQUE
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 22:25 hs

    A DISCUSSÃO SOBRE TUDO O QUE FOI APRESENTADO NOS COMENTÁRIOS É INÓCUA E NÃO LEVA A CONCLUSÃO ALGUMA.

    O QUE IMPORTA É SABER SE O POLITICO É COMPETENTE, COERENTE, HONESTO, ETC.

    SERÁ QUE O DR. GUSTAVO É COERENTE ?

    QUANDO ESTAVA NO PMDB SAIU PORQUE QUERIA SER CANDIDATO E NÃO CONSEGUIU.

    QUANDO ESTAVA NO PSDB TAMBÉM SAIU PORQUE QUERIA SER CANDIDATO E NÃO SCONSEGUIU.

    SERÁ ENTÃO QUE A COERENCIA E A IDEOLOGIA ESTÃO VINCULADOS A QUEM FORNECE A LEGENDA PARA A SUA CANDIDATURA ?

    AGORA QUE ESTÁ NA DOBRADINHA PT/PDT VEM CRITICAR AQUILO QUE IDEOLOGICAMENTE PRECISAVA DEFENDER DENTRO DO PSDB .

    QUEM MUDOU ? QUEM É INCOERENTE?

  24. Luciano
    quarta-feira, 23 de maio de 2012 – 23:34 hs

    Concessão= ocorre quando o estado delega serviços de utilidade publica (água, luz, gás, etc)
    Privatização= ocorre quando o governo delega a sua participação na atividade econômica (vender a copel, a sanepar, a telepar)
    Segundo a constituição federal, o estado pode delegar ambos a iniciativa privada e compete ao estado regular o ente. A privatização é o estagio mais avançado da economia, pois cria o ambiente de competição. Pensem nisso…

  25. NA CORDA BAMBA
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 6:52 hs

    Que moral tem este político que terceirizou a sua candidatura !!??

  26. klaus roberto
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:01 hs

    O EXECUTIVO DEVE ADMINISTRAR: SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO.
    VEJAM O JARDIM BOTÂNICO QUE O BOTICÁRIO TEM ALGUMAS PLACAS LÁ!

    PRONTO GENTE, SÓ ISSO SIMPLES, REPASSAR PARA INICIATIVA PRIVADA ADMINISTRAR PARQUES, SÓ VAI SOBRAR TEMPO E DINHEIRO PARA O QUE A POPULAÇÃO MAIS PRECISA!

  27. elton
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:33 hs

    Zangado, pelo visto vc está bem desinformado sobre a situação da interdição da pedreira, a decisão de impedimento da Pedreira já foi revista em juízo desde o dia 06 de fevereiro de 2012. A PMC primeiro se encarregou de conseguir a liberação com parecer favorável do corpo de bombeiros e todas as exigências legais da associação de moradores da vizinhança que fez o pedido de suspender as atividades no local.
    Trocando em miúdos: desde fevereiro que foi batido o martelo para a retomada das atividades na Pedreira desde que se cumpra o acordo. A partir desta decisão começou os estudos para licitar a concessão da gestão destes espaços (termo de referência e demais estudos prévios) através de PPP (parceria público privada)…

  28. Eu li
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:42 hs

    Está correto, acho que os terceirizados, muitos assinam documentos publicos, o que não é certo, Ja passou a hora do estado fazer CONCURSO PUBLICO, e não colocar amigos nas repartições PUBLICAS, com salarios elevados.

  29. Marco
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:47 hs

    O Vigilante do Portão o Fruet no tempo do Fhc não era do Psdb e sim do Pmdb.

  30. mariana
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:52 hs

    Arruia:
    Depois da “Privataria Tucana”, vamos nos arrepiar lendo a “Mensalaria Petista” .
    Aguardem….

  31. Joao Carlos
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 8:58 hs

    O FRUET ESTA CORRETO SE A PREFEITURA NAO TEM COMPETENCIA P ADMINISTRAR NEM OS ESPACOS PUBLICOS IMAGINEM O RESTO COMO ESTA…NAO DEVEMOS DEIXAR NOSSOS BELOS CARTOES POSTAIS IR PARA A INICIATIVA PRIVADA..

  32. ZIDANE
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 9:05 hs

    DE NADA ADIANTA ENTRAR EM POL
    ÊMICAS OU DISCUSSÕES , MAS VALE AQUI ALGUMAS RESSALVAS. ALGUNS SETORES NADA TEM HAVER COM O INTERESSE PÚBLICO, VEJAMOS O CASO DO EXTINTO BANESTADO, AQUILO ERA UMA VERGONHA, UM VERDADEIRO CABIDE DE EMPREGO PARA APADRINHADOS POLÍTICOS, QUEM TEVE A OPORTUNIDADE DE SER CORRENTISTA DAQUILO PODE FALAR (É O MEU CASO). VC CHEGAVA NUMA AGÊNCIA BANESTADO, TINHA 15 GERENTES E 02 OU 03 CAIXAS NO MÁXIMO. QUEM NÃO LEMBRA DOS EMPRÉSTIMOS POMPUDOS QUE O BANCO FAZIA A POLÍTICOS. NÃO VAMOS NOS ENGANAR, SOU FUNCIONÁRIO PÚBLICO ESTADUAL (CONCURSADO A 24 ANOS), POSSO DIZER, E QUEM QUISER CONFIRMAR É SÓ PERGUNTAR A ALGUM FUNCIONÁRIO DA COPEL, SANEPAR E OUTRAS MAIS…SERVE PARA QUE O GOVERNO EMPREGUE PARCEIROS POLÍTICOS A QUEM DEVE FAVORES, OS MELHORES CARGOS FICAM COM OS COMISSIONADOS DO GOVERNO. GOVERNO TEM QUE CUIDAR DE SAÚDE , EDUCAÇÃO E SEGURANÇA PÚBLICA, ALGUÉM VIU ALGUMA MELHORA NESSAS ÁREAS AQUI NO NOSSO ESTADO…….

  33. Franco
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 10:35 hs

    Gustavinho vira-casaca ? Nem considerem o que ele está falando agora… No futuro, dependendo dos ventos, ele desdiz tudo o que disse…

  34. Pedro Rocha
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 11:27 hs

    Conheço os três pavilhões da Prefeitura de Joinville, e sei da preocupação deles em levar pra lá o turismo de negócios.
    Comparada com Curitiba, Joinville é minúscula! – Mesmo incomparável no tamanho, sua prefeitura construiu e administra 23mil m² de pavilhões, todos bem administrados, de forma enxuta, locação a preço justo etc.
    E Curitiba, que tinha um velho e carcomido pavilhão, o qual a prefeitura deveria restaurá-lo, patrimônio público e histórico da cidade que era, e disponibilizá-lo pro mercado, não; entregou-o a um grupo privado, que já era dono do outro pavilhão, o ExpoUnimed, centralizando a atividade de Feiras e Exposições na cidade!
    O poderoso grupo, depois de uma não menos controvérsa licitação, ligeirinho derrubou tudo, e em seu lugar constrói um pavilhão minúsculo, com cerca de 50% da capacidade anterior, tudo a toque de caixa pra ser inaugurado em ano eleitoral.
    Tudo muito estranho!
    Acho que só aí, os candidatos têm munição suficiente pra derrubar as pretensões do prefeitico sem votos!
    Ele cometeu crime de lesa pátria, a troco de interesses pessoais.

  35. Eleitora
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 14:29 hs

    Aiiii que coisa mais linda que o Gustavinho vira casaca veio nos passar, está se fazendo de bonzinho, olha que o povo como é burro acaba acreditando!!!! kakakakakaka!!!!! Euuuu nãoooo!!!

  36. Miriane
    quinta-feira, 24 de maio de 2012 – 17:59 hs

    O que dizer de você, Gustavo Fruet, que terceirizou o próprio nome ao PT, para que este partido possa sonhar em ocupar a cadeira da Prefeitura de Curitiba?

  37. Vigilante do Portão
    sexta-feira, 25 de maio de 2012 – 11:19 hs

    PDT (partido do Fruet), PT, PMDM e outros, APOIARAM AS PROVATIZAÇÕES DOS AEROPORTOS.

    Dilma caba de fazer, sob os aplusos dessa turminha.

    Aliás,

    Nos mesmos moldes.

    Vale para a Dilma
    e não vale para o Ducci?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*