Alunas de pedagogia denunciam professora da UFPR por racismo | Fábio Campana

Alunas de pedagogia denunciam professora
da UFPR por racismo

Estudantes afirmaram em B.O que foram chamadas de ‘macacas’. Alunas estavam comendo na sala de aula quando foram ofendidas, diz polícia.

Do G1 PR:

Duas alunas do segundo ano do curso de pedagogia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, denunciaram uma professora do mesmo curso por racismo, na quinta-feira (3). Elas registraram um boletim de ocorrência (B.O) no 1º Distrito Policial (DP) e alegaram injúria descriminatória, segundo o delegado Vinícius Borges Martins.

“Elas prestaram depoimento e contaram que a ofensa ocorreu no dia 11 de abril durante o intervalo de uma das aulas. Segundo as jovens, a professora passou e disse a frase: “Duas macaquinhas comendo banana”, enquanto as alunas lanchavam dentro da sala de aula”, contou o delegado, em entrevista o G1, na manhã desta sexta-feira (4).

Abaixo, o relato das jovens no boletim de ocorrência. Clique para ver a imagem ampliada.

Segundo a UFPR, no dia 20 de abril, em uma reunião entre as alunas, a professora e representantes do setor de Educação e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab), a professora pediu desculpas a afirmou que foi um “comentário infeliz”.

“Eu estranhei porque nós não temos nenhuma intimidade com ela. Estávamos comendo e de repente ela chegou e disse: “Que bonitinho, duas macaquinhas comendo banana”. Nós ficamos sem reação, até porque não estávamos sozinhas na sala”, comentou uma das ofendidas, que preferiu não se identificar.

A estudante disse ainda que depois do comentário da professora, ela chegou a comentar com uma aluna que tinha esquecido um texto, foi quando a professora soltou outra frase. “Ela falou: “O texto você esquece, mas a bananinha não né?”, relatou.

O advogado das alunas André Nunes da Silva disse que o que a professora disse configura crime racial, e que por isso, as alunas pretendem processá-la. “Elas disseram que ficaram em uma situação muito constrangedora e que acima de tudo, não conseguiram admitir o desrespeito”.

A diretora do setor de educação da UFPR Andreia Caldas disse que a professora acusada não teve a intenção (sic) de ofender as alunas e que achou que após o pedido de desculpas, a situação já havia sido finalizada. “Quando nós fomos noticiados da situação ocorrida na sala de aula, buscamos rapidamente tentar resolver através do diálogo. Nos comprometemos inclusive a fazer mais debates na universidade sobre racismo, achei que a história tinha encerrado”.


19 comentários

  1. Emerson
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 14:47 hs

    E a péssima escrita do(a) escrivã(ão)???

  2. elton
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 15:37 hs

    Essas alunas de pedagogia deveriam ter feito uma correção no BO… ECOMODADAS é pra acabar…

  3. PAULO
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 15:41 hs

    ja estao querendo empurrar alunos com as cotas, agora o governo diz que na fedral reprovam alunos demais(querem passar goela baixo) agora essa frescura, por uma provavel brincadeira da professora, vejam como estão as notas das mesmas, e talves elas queiram precionar a prof..
    estamos chegando, alis estamos no fundo do poço.

  4. Viezzer
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 15:42 hs

    Essa professora precisa saber, que esse país tem a maior miscigenação racial de todo o planeta…Se isso a incomoda, cadeia nela…

  5. observador
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 15:48 hs

    E a redação do blog “intensão” com “S” !?

    R: A redação da matéria, conforme apontado acima, é do G1.

  6. Amaury Pio
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 16:40 hs

    Veja bem VIEZZER, se o país tem a maior miscigenação do planeta, pq importar modelos como os das COTAS RACIAIS???????/Já não estaríamos dando o modelo
    ?????????

  7. Anderson Silva
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 16:46 hs

    Uma delas tirou um 9 uma semana antes, PAULO. Vá verificar fatos antes de falar mer***

  8. Ricardo Crovador
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 17:22 hs

    “Ecomodar”, no BO. “Intensão”, na matéria do G1. E “precisonar”, no comentário do Paulo, mais acima. É ou não é para enlouquecer as professoras?

  9. Pedro Rocha
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 17:46 hs

    Já que não tinha intimidades com as moças, convenhamos, a professora foi no mínimo inconveniente e grosseira; porém nada que um sincero e bem feito pedido de desculpas não pudesse corrigir o malfeito; quer dizer, isso nos tempos que não tínhamos problemas com racismo por aqui. Hoje em dia isso é impossível.

    O que mais preocupa nesse Brasil atual, é o politicamente correto imposto sabe-se lá por quais interesses petistas!
    O petê dividiu o Brasil entre negros e brancos; pobres e ricos; homos e heterossexuais; abortistas e antibortistas; ambientalistas e criadores; índios e fazendeiros, e mais uma dezena de castas, que degladiam-se na mídia, ou no braço mesmo, diariamente. Se era a divisão que eles queriam, alcançaram.
    Quem divide, quer dominar! Faz sentido!

  10. Luis Carlos
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 18:31 hs

    Vão Lamber Macacos!!!!!!!, ou seria pentear Macacos !!!!.

  11. maria fuxiqueira curitibana
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 21:10 hs

    Bom aqui em curitiba,este tipo de preconceitos é frequente em todas as esferas e pessoas,da ate nojo,Curitiba volte e meia é notiçia nacional por preconceito,nazismo,enfim homofobia e racismo,é o fim da picada ate qdo os curitibanos serao conhecidos como os mais ignorante,grosseiros e preconceituosos aqui no sul,da ate vergonda de dizer que é curitibano,que pena vivemos numa cidade tao especial mais infelismente com um povo tao equivocado.

  12. Prof. Teodoro
    sexta-feira, 4 de maio de 2012 – 23:08 hs

    Quanta perda de tempo por uma “rusga” em sala de aula ou assunto da área acadêmica. Essa questão do “politicamente correto”, ou de se levar tudo para o lado “sensacionalista” das coisas já estão passando do limite. Se continuarmos dessa maneira será impossível conviver em sociedade daqui a pouco tempo.

  13. Andrea
    sábado, 5 de maio de 2012 – 13:16 hs

    Acho deprimente ver alguns comentários acima que dão a entender que as alunas estão tentando “pressionar a profª” por causa de nota (o que não é verdade, pois são alunas extremamente aplicadas), que é uma “perda de tempo por uma rusga em sala de aula”, etc…, mas as pessoas esquecem que o RESPEITO e o BOM SENSO deveria permear todas as relações dentro de uma sociedade que se diz “civilizada”. É fácil criticar a atitude das alunas quando não foi você que passou pelo constrangimento e pelo desrespeito.

  14. Vera
    domingo, 6 de maio de 2012 – 15:43 hs

    O que a notícia “esqueceu” de falar é que a professora, apesar de ser uma grande intelectual, faz questão de manter a proximidade e a amizade com seus alunos, inclusive solicitando que não lhe chamem de “Doutora” e sendo extremamente brincalhona e amigável com todos.
    Também não informou que a professora, durante toda a sua vida, lutou pelas minorias e por todas as formas de opressão, tendo apoiado sempre fervorosamente também o movimento negro.
    O comentário feito por ela refere-se ao fato de comer bananas, que não tem nada a ver com a cor, sendo que a própria professora tinha o apelido de macaquinha quando criança, por também gostar de banana. Se fossem alunas brancas, o comentário seria absolutamente o mesmo.
    O erro do professora foi não ter discriminado as alunas. Se ela as tratassem de modo diferente, por serem brancas, a professora não estaria sendo caluniada como está.

  15. Vera
    domingo, 6 de maio de 2012 – 15:44 hs

    Ops, eu quis dizer:
    Se a professora as tratassem de modo diferente, por serem NEGRAS, a professora não estaria sendo caluniada como está.

  16. Vivian
    segunda-feira, 7 de maio de 2012 – 9:20 hs

    Apenas para o conhecimento de todos: normalmente, quem redige os boletins de ocorrência são estagiários de direito ou investigadores de polícia!!! Desde o concurso de 2007, tanto Escrivães de Polícia como Investigadores e Papiloscopistas têm curso superior e costumam escrever muito bem!!!!!

  17. anônimo
    segunda-feira, 10 de setembro de 2012 – 3:07 hs

    Affzz , acho que é melhor ficar na universidade onde estou ,porque esses curitibanos é um engolindo o outro,credo!

  18. anônimo
    segunda-feira, 10 de setembro de 2012 – 3:10 hs

    ratificando: nao posso generalizar a todos os curitibanos por q niguem é igual ,mas pelos comentários nessa pagina ,vcs comentaristas ,show de bola em antipatia hein

  19. segunda-feira, 10 de setembro de 2012 – 14:38 hs

    Olha é o seguinte, Politicamente correto sou eu, que quando vou a uma confeitaria, Jamais peço: “Ei me dá uma fatia de Nega Maluca”. Eu peço esse bolo da seguinte maneira: “Ei me dá uma fatia de Afrodescendente com problemas mentais”. Isso é ser Politicamente Correto pra quem nao sabe. kkkkkk

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*