Região Metropolitana de Londrina pode ter novo município | Fábio Campana

Região Metropolitana de Londrina pode ter novo município

Google Maps/Reprodução

Florestópolis, com pouco mais de 11 mil habitantes, pode ser a 15ª cidade integrada à RML.

Redação Bonde com ALEP:

Começa a ser discutido pelos deputados um projeto de lei do deputado Alexandre Curi (PMDB) que inclui o município de Florestópolis na Região Metropolitana de Londrina (RML). “Esse município está ligado geográfica e historicamente a Londrina e às outras cidades dessa região”, argumenta o parlamentar. Florestópolis tornou-se município pela Lei estadual nº 790, de 14 de Novembro de 1951, ao ser desmembrado de Porecatu. A cidade está localizada no Norte do Paraná, conta com pouco mais de 11 mil habitantes e é o berço da Pastoral da Criança, fundada pela médica sanitarista Zilda Arns Neumann, em 1983.

A proposição de Curi foi lida em Plenário na sessão da última quarta-feira (28), recebendo apoio dos parlamentares e seguindo para análise das comissões técnicas da Casa. Nesta mesma data foi aprovado, em redação final, sendo enviado para sanção (ou veto) governamental, o projeto de lei complementar de nº 731/11, de autoria dos deputados Luiz Eduardo Cheida (PMDB) e Ademar Traiano (PSDB), que já inclui os municípios de Sabáudia, Jaguapitã e Pitangueiras na mesma região metropolitana. Essa iniciativa, assim como a de Alexandre Curi, altera o artigo 1º da Lei Complementar nº 81/98 (que deu origem a essa região metropolitana). Cheida e Traiano também argumentaram, durante a tramitação da matéria, que os municípios em questão já estão referenciados em Londrina, usufruindo de uma série de serviços daquele centro urbano.

A Região Metropolitana de Londrina foi instituída pela Lei Complementar Estadual 81, de 17 de Junho de 1998, sendo inicialmente formada pelos municípios de Londrina, Cambé, Rolândia, Ibiporã, Sertanópolis, Bela Vista do Paraíso, Jataizinho e Tamarana, totalizando 766.682 habitantes, de acordo com estimativas do IBGE (de 2009).


7 comentários

  1. Kibinho
    domingo, 1 de abril de 2012 – 9:13 hs

    Estes municípios que “morrem de fome” , são cidades criadas há 30 anos pelo vovô Anibal, nunca foram nada, mas tem prefeito, veradores, funcionários públicos que trabalhavam pra ele e herdeiro que ficam mamando na teta do governo.

  2. Edilson Hugo Ranciaro
    domingo, 1 de abril de 2012 – 10:46 hs

    Vai continuar a saga da família em criar municípios.

  3. Loop
    domingo, 1 de abril de 2012 – 12:07 hs

    Mais prefeito,
    Mais vereadores,
    Mais cartório (credo) … como faço para abrir um cartório?
    Mais juiz,
    Mais …
    Pobre povo!

    E eu torcendo para que municípios se juntem …

  4. João Ninguém
    domingo, 1 de abril de 2012 – 12:22 hs

    ligado geográfica e historicamente a Londrina praticamente todos os municípios da região norte do Estado são! Agora, ligação que possui uma dimensão metropolitana é Ibiporã, Cambé e Rolândia! Fala sério esses deputados, tudo isso pra depois ganharem voto com um discurso bem chulepa de “eu inclui a cidade na região metropolitana e trouxe o desenvolvimento para o povo do município”!

  5. Osiris Duarte de Curityba
    domingo, 1 de abril de 2012 – 12:44 hs

    E os palhaços (leia-se contribuintes) é que vão pagar a conta (leia-se câmara municipal et caterva).

  6. Parreiras Rodrigues
    domingo, 1 de abril de 2012 – 21:05 hs

    Nova Esperança poderá integrar a RM de Maringá. A Alep aprovou também o proj. que é do dep. Accorsi.

  7. segunda-feira, 2 de abril de 2012 – 14:35 hs

    poderia incluir jagaupitã prado ferreira miraselva que são mais perto de londrina que regiãozona muitos votos conversa pra boi dormi

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*