Garotinho expõe fotos de Cabral com Cavendish | Fábio Campana

Garotinho expõe fotos de Cabral com Cavendish

Do :

O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) divulgou em seu blog fotos nas quais o governador Sérgio Cabral (PMDB), do Rio, aparece ao lado de Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, empresa investigada no Cachoeiragate. As cenas foram registradas no ano de 2009, em Paris.

Em duas fotos, Cabral e Cavendish parecem simular passos de dança. Numa, o governador agacha-se. Noutra, é o empresário quem se achega ao solo, ao lado de um Cabral às gargalhadas. Dançavam “na boquinha da garrafa”, fustigou Garotinho.

Noutro par de fotos, Cavendish aparece em meio a um grupo de pessoas. Entre elas dois secretários da gestão Cabral: Sérgio Côrtes, da Saúde, e Wilson Carlos, titular da Secretaria de Gorverno. Dançavam com guardanapos amarrados ao redor da cabeça.

Na versão de Garotinho, as fotos foram tiradas no Hotel Ritz, uma das hospedarias mais caras de Paris. Cabral diz coisa diversa. Em nota, a assessoria do governador sustenta que ele foi à capital francesa “em missão oficial”, nos dias 14 e 15 de setembro de 2009.

O texto anota que Cabral “participou do lançamento do ‘Guia Verde Michelin Rio de Janeiro’, na Embaixada do Brasil em Paris”. Participou também “de encontros de trabalho para a então campanha pela Olimpíada de 2016 no Rio.”

De resto, “fez palestra na Câmara de Comércio Brasil-França para investidores franceses” e “recebeu, no dia 14, a condecoração máxima do governo da França: a Légion d’Honneur, no Senado daquele país.”

De acordo com a nota, um “barão francês” organizou uma comemoração para celebrar a comenda recebida por Cabral. Chama-se Gerard de Waldner. É “casado com a brasileira Sílvia Amélia de Waldner”.

Segundo a assessoria, de Cabral, foram ao “Clube Inglês”, a convite do “barão”: o governador, secretários de Estado; empresários brasileiros, portugueses e franceses; e o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman.

Mencionam-se na nota os nomes de três empresários –um português, Antonio Pereira Coutinho; e dois franceses, Thierry Peugeot, e Martin Bouygues. O brasileiro Fernando Cavendish não é citado.

Noutra cena parisiense divulgada por Garotinho, o dono da Delta faz pose ladeado por dois secretários de Cabral. À esquerda, Júlio Lopes (Transportes). À direita, Régis Fichtner (Casa Civil). O mesmo Fichtner que, na semana passada, anunciou em entrevista a decisão de Cabral de submeter a uma auditoria os contratos da Delta com o governo do Rio.

Desde o primeiro mandato de Cabral, a Delta firmou com a administração estadual contratos estimados em R$ 1,5 bilhão. A decisão de auditá-los veio nas pegadas das manchetes que acomodaram a empreiteira de Cavendish no epicentro do escândalo Cachoeira.

Inimigo político de Cabral e candidato ao governo do Rio em 2014, Garotinho esforça-se para arrastar Cabral para dentro de um aguaceiro que, por ora, está restrito à região Centro-Oeste, principal área de atuação do pós-bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Cabral e Cavendish são amigos. O país ficou sabendo disso em junho do ano passado, graças a um acidente. Morreram na Bahia, na queda de um helicóptero, a namorada da filho do governador e a mulher do empresário. Dirigiam-se para um resort em Trancoso, onde seria celebrado o aniversário de Cavendish. Cabral e o aniversariante já estavam no resort.

Garotinho alveja Cabral, mas sonega à platéia um dado relevante. Ex-governador, ele ajudou a Delta a expandir seus negócios no Rio. Há nove dias, instado pela reporter Mônica Bergamo a comentar os contratos que obteve na gestão do amigo Cabral, Cavendish declarou:

“Não é justo falarem isso, não é decente. Eu cresci muito mais no governo do Rio antes de ele assumir. Em 2001, 80% da carteira da Delta era do Estado do Rio.
Conheci Sergio Cabral há dez anos, por meio das nossas esposas. Eu admiro ele como governante, amigo, pai, filho, irmão. É um puta sujeito.”

Acrescentou: “No acidente de helicóptero em que morreram as pessoas que eu mais amo, eu estava com ele [Cabral]. Tá bom. Mas não comecei a estar com ele depois de ser governador. Nós éramos a maior empreiteira do Rio antes do governo Cabral, com Cesar Maia e Garotinho. Eu era chamado o rei do Rio. Hoje a maior é a Odebrecht.”

Cavendish será convocado a depor na CPI do Cachoeira, instalada no Congresso na última quarta (25). Garotinho já avisou que estará lá, para inquiri-lo.


13 comentários

  1. Luiz
    sábado, 28 de abril de 2012 – 11:56 hs

    Estavam tomando de quem com toda aquela alegria?

  2. Cajucy Cajuman
    sábado, 28 de abril de 2012 – 12:01 hs

    Garotinho, diga-se, não é flor que se cheire. Está atuando em causa própria e exclusivamente na politicagem. Quando deixou o governo também tinha o rabo-preso em muitas arapucas que o tempo faz com que o povão, o eleitor menos atento, se esqueça…

    Garotinho joga pedra, mas sabe lá no íntimo, que tem um extenso telhado de vidro.

  3. Helena
    sábado, 28 de abril de 2012 – 12:06 hs

    …então pessoal, uma imagem vale mais que mil palavras, se um desses daí da foto da turma da quadrilha nacional fosse inquirido numa CPI,certamente responderia que é MENTIRA e insinuações maldosas da oposição…

  4. Palpiteiro
    sábado, 28 de abril de 2012 – 13:47 hs

    É a farra do poder. A embriaguez dos poderosos, rindo-se da plebe rude, da patuléia, que financia as obras que os tornam cada dia mais ricos. A política virou uma atividade mafiosa.

  5. José Andrade
    sábado, 28 de abril de 2012 – 14:23 hs

    Todo mundo dando risada, também, com os bolsos cheios e em Paris!

  6. Pedro Rocha
    sábado, 28 de abril de 2012 – 14:25 hs

    Santo Deus! O que será desse país!

  7. mariana
    sábado, 28 de abril de 2012 – 17:31 hs

    É o roto falando do remendado !

  8. AGENTE ATENTO
    sábado, 28 de abril de 2012 – 18:11 hs

    AH esse PMDB VEM FALAR MAL DO PT!

  9. ANTI-CORRÚ-PT-OS
    domingo, 29 de abril de 2012 – 8:33 hs

    ESSA QUADRILHA AÍ,É TUDO CRIA DO pt.

  10. Aparício Fernando
    domingo, 29 de abril de 2012 – 17:27 hs

    O governador do Rio, Sérgio Cabral, tá com aquilo apertadinho, apertadinho. As águas do ‘cachoeira’ estão descendo e já estão chegando ao sul maravilha. Do Cavendish, da Delta, para o Sérgio Cabral é só um pulinho. Vai acabar sobrando até para o presidente da ALERJ, deputado Paulo Melo. Haja vaselina…

  11. geraldo
    domingo, 29 de abril de 2012 – 17:56 hs

    ENQUANTO ISSO EU RECOLHO 27,5, DE IR, DO MEU SALÁRIO, PRA ESSA NEGADA SE DIVERTIR EM PARIS.SÓ QUE O GAROTINHO E ESPOSO SÃO PIORS QUE ESSES AÍ. TAMUS FUD.

  12. Hipólito da Costa
    segunda-feira, 30 de abril de 2012 – 12:57 hs

    Não vejo a hora do nome do deputado estadual Paulo Melo entrar nessa podridão toda. Vâmo cavucar aí gente! Nessa ‘merdança’, com certeza o ‘paulinho lexotan’ tá atolado até o pescoço.
    Onde há fumaça, há fogo!
    Onde há Delta, há Oriente!

  13. Jack S de S
    sexta-feira, 10 de abril de 2015 – 0:38 hs

    O Conto das Cocadas.

    Era uma vez, um menino pobre, filho de um pedreiro e de uma parteira, que vendia as cocadas feitas por sua mãe, nas ruas da cidade de Saquarema, além de pedir esmolas aos turistas, para ajudar no sustento de sua família. Até que um dia, ao experimentar uma de suas “cocadas”, recebeu a visita de um ser que brilhava, em forma de mulher, que se apresentou como a Fada das Cocadas. Ela disse para aquele menino de 11 anos: “Paulo Cocada, você será o rei de um palácio na Capital da Guanabara”. Espantado com a anunciação, ele perguntou àquele ser de alucinação, a Fada das Cocadas, o que deveria fazer para se tornar um rei. Então a Fada lhe disse: você precisa ir à Capital, irás viver nas ruas, aprenderás todas as malandragens e falcatruas do mundo cão, serás recolhido para abrigo de menores abandonados, conhecerá o lado mais sombrio e obscuro da alma humana, aprenderá que moral e princípios só atrapalham quem quer ser poderoso. Quando tua alma e teu corpo já calejados pelas agruras dos necessitados, irá trabalhar em uma agência de carros, toparás participar em todas as maneiras de ludibriar clientes otários. Até que fará amizade com os servos de um órgão público, que cuida do emplacamento obrigatório dos carros, chamado DETRAN. Lá você aprenderá a ganhar dinheiro fácil, apenas preenchendo formulários e desembaraçando problemas criados pelos seus sócios funcionários e “esquentando” documentos “frios”. Chegarás a ter 50 funcionários no escritório, que serás dono, e quando já fores rico, serás candidato a vereador aqui em Saquarema, só por dois anos, pois já poderás se tornar deputado na eleição seguinte. Quando no Palácio da ALERJ estiver, faça alianças, revenda tua alma já tantas vezes vendida e chegarás a Presidente do Palácio Tiradentes.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*