Supersalários e mais cargos: a farra no Senado | Fábio Campana

Supersalários e mais cargos: a farra no Senado

Ricardo Kotscho

Passou despercebida no meio do noticiário sobre as lambanças no novo concurso promovido pelo Senado, no último final de semana, a informação sobre os supersalários oferecidos aos felizardos que forem aprovados.

São de dar água na boca: os salários iniciais variam de R$ 13,8 mil a R$ 23,8 mil para funções como analista de informática, analista de suporte e enfermeiro. Só isso pode explicar que 157 mil pessoas tenham se inscrito no concurso para disputar as 246 vagas. Passar neste concurso é como ganhar na loteria todo mês para o resto da vida.

Conheço pessoas que trabalham nestas funções e nenhuma tem salário que chega sequer perto destes valores. No mercado dos simples mortais, de acordo com pesquisa que fiz na internet, os salários mais altos oferecidos variam de R$ 5 mil a R$ 9 mil para quem tem formação superior.

O concurso foi organizado pela Fundação Getúlio Vargas, a respeitável FGV, mesma instituição responsável pelo projeto de reforma administrativa do Senado que deverá ser votada nesta quarta-feira na Comissão de Constituição e Justiça, depois de se arrastar por mais de dois anos e receber várias modificações.

É uma farra: pela proposta original, o número de cargos comissionados para o gabinete de cada um dos 81 senadores passaria dos atuais 12 para 25. Os senadores acharam pouco: agora, o projeto que será votado prevê que cada um poderá empregar 55 servidores.

Como quem paga somos nós, eles não estão preocupados com as despesas. No ano passado, o Congresso Nacional custou aos brasileiros R$ 6,2 bilhões (um terço desta bolada foi para o Senado).

Com as novas contratações previstas, os gastos devem aumentar bastante este ano. Até o dia 2 de março, segundo a última informação oficial divulgada pela Secretaria Especial de Comunicação Social do Senado, trabalhavam lá 8.905 funcionários. Como o novo trem da alegria prevê a criação de mais 246 vagas este número passará de 9 mil.

Trabalhar, claro, é modo de dizer, porque boa parte deles não precisa bater ponto, fica à disposição dos senadores em seus Estados de origem, faz cursos no exterior ou trabalha full-time em empresas privadas.


7 comentários

  1. PC da base
    quinta-feira, 15 de março de 2012 – 15:50 hs

    Caro, Fábio. Mas não precisamos ir muito longe para ver a disparidade entre cargos e salários. Basta ver quanto uma copeira do MP ganha no Paraná e quanto ganha um policial civil.
    O policial é a classe mais jogada as traças do PR.

  2. Divanir
    quinta-feira, 15 de março de 2012 – 23:12 hs

    O dinheiro público virou capim e os políticos a muito perderam a vergonha na cara e o povo continua votando errado!

  3. Mírian Waleska
    sexta-feira, 16 de março de 2012 – 0:42 hs

    Campana,

    eu vi essa matéria no final de semana, fiquei bem doida, quase fui na mesa do meu chefe e joguei o meu crachá:

    Tome! Quero ganhar igual ao Senado, senão nada feito!

  4. Ocimar
    sexta-feira, 16 de março de 2012 – 8:31 hs

    Esperar o que,os corrúPTos infestaram o país.

  5. PK
    sexta-feira, 16 de março de 2012 – 9:08 hs

    ESSA É A TURMA!! ENQUANTOS MUITOS PASSAM O APERTO SALARIAL EM QUE OS IMPOSTOS COMEM 30 À 54% DO SALARIO QUE RECEBEM E TRABALHAM 13 DIAS POR MES PARA SUSTENTAR UMA GRANDE MASSA DE VAGABUNDOS LIGADOS A POLITICOS. A QUE SE DIZER QUE NA SEQUENCIA DISSO TUDO VIRAM CANDIDATOS DESSES REPRESENTANTES DO POVO QUE FAZEM O QUE QUEREM SEM QUE A POPULAÇÃO SEJA NOTICIADO DAS AÇÕES SUJAS E ORDINARIAS CONTRA ATÉ MESMO SEUS PROPRIOS FAMILIARES DE SANGUE!!

  6. sexta-feira, 16 de março de 2012 – 9:58 hs

    Prezado Ricardo Kotscho!!!! Fácil é reclamar. Faça igual aos milhões de concurseiros que estão estudando dois ou três anos se preparando para o concurso. Ora, sou a favor da meritocracia, ou seja quem sabe passa. Agora quem não sabe deve mesmo ficar chupando o dedo. Quem mandou não estudar. Estude Sr Ricardo Kotscho quem sabe não tira uma vaga dos valorosos concurseiros. Quem pode mais chora menos.

  7. maria helena silveira maciel
    sexta-feira, 16 de março de 2012 – 13:33 hs

    e o professor (a) onde fica……………30 anos de sala de aula e
    aposentadoria de mil reais quando e se tanto………………………
    é melhor morrerem os mestres aposentados com mais de 70 anos…………

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*