Governo zera alíquota de IOF para operações de exportadores | Fábio Campana

Governo zera alíquota de IOF para operações de exportadores

Esse tipo de operação busca proteger empresas contra queda do dólar. Medida visa compensar efeitos negativos das medidas cambiais para setor.

Do G1, em São Paulo

O governo decidiu reduzir de 1% para zero a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas operações de hedge cambial com contratos de derivativos dos exportadores. Esse tipo de instrumento busca proteger as vendas das empresas brasileiras ao exterior contra a desvalorização excessiva do dólar. No ano, a moeda norte-americana acumula perdas acima de 3%. A medida foi publicada nesta sexta-feira (16), por meio de decreto, no “Diário Oficial da União”.

Segundo o decreto, a decisão do governo vale para “as operações com contratos de derivativos para cobertura de riscos, inerentes à oscilação de preço da moeda estrangeira, decorrentes de contratos de exportação firmados por pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no país”.

Saiba mais

Dólar opera em queda após medida do governo para exportadores ‘Não podemos fazer papel de bobos’, diz Mantega sobre câmbio Mantega afirma que ‘todas as entradas’ de dólares estão ‘vigiadas’ Exportações superam importações em US$ 260 mi no começo de março Março começa com entrada de US$ 5,1 bilhões no Brasil, diz BC Incidência de IOF sobre captação externa é ampliada para até 5 anos Governo taxa derivativos para conter queda do dólar Governo cobra ‘pedágio’ para reduzir especulação contra real, diz Mantega.

Na terça-feira (13), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse em audiência no Senado que o governo iria ajustar as medidas cambiais adotadas recentemente para conter o fluxo de capital especulativo ao país – que vinha provocando prejuízos aos exportadores brasileiros.

“Primeiro fazemos a medida (cambial). Depois, estudamos como eliminar o efeito colateral”, disse Mantega, ao participar da audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, que durou cerca de quatro horas.
Uma das dificuldades enfrentadas pelos exportadores brasileiros com as medidas cambiais adotadas pelo governo recentemente – como a ampliação do prazo de cobrança do IOF para empréstimos feitos no exterior por empresas brasileiras – por exemplo, é o encarecimento do “hedge” -operação financeira que serve para proteger contra a variação cambial.

De acordo com o decreto, para fazer jus à alíquota reduzida “o valor total da exposição cambial vendida diária referente às operações com contratos de derivativos não poderá ser superior a 1,2 (um inteiro e dois décimos) vezes o valor total das operações com exportação realizadas no ano anterior pela pessoa física ou jurídica titular dos contratos de derivativos”.
O que são derivativos?

São instrumentos financeiros que têm seus preços derivados (daí o nome) do preço de outro bem ou ativo. Ex: o mercado futuro de petróleo negocia contratos com base no preço do petróleo à vista.

Para que servem?

Investidores fazem essas operações com objetivos diferentes: um deles é para fazer um seguro (hedge) de preço. Ex: se eu sou exportador e tenho medo que o dólar caia e eu ganhe menos, faço uma operação para garantir uma cotação mínima no futuro.

Onde são negociados?

No Brasil, a BM&F reúne compradores e vendedores: uns interessados em se proteger contra os riscos de preço de suas atividades econômicas; outros em especular e ganhar dinheiro na diferença de preços entre um contrato e outro.

Histórico

No final de julho de 2011, o governo lançou mão de uma Medida Provisória que permitiu a taxação em até 25% das operações feitas por investidores brasileiros e estrangeiros no Brasil com os chamados derivativos financeiros.
Com a maior taxação o volume de dólares que entra no país tende a diminuir, o que pode contribuir para redução da cotação. Os derivativos cambiais têm grande influência na formação de preços da moeda norte-americana no mercado à vista.

Foi definida a cobrança de 1% de Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) nesse tipo de transação financeira, usada como apostas das empresas e bancos, brasileiros e estrangeiros no mercado futuro – que pressionam para baixo a cotação do dólar.

Na época, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que essa cobrança do IOF funcionaria como um “pedágio” contra a especulação no mercado futuro. “Estaremos cobrando um pedágio das posições vendidas em excesso. Vamos tirar uma parte da rentabilidade da operação, diminuindo essa margem. Esperamos que haja não valorização do real, ou que tenha desvalorização”, afirmou o ministro, na ocasião.
*Com informações da Reuters


Um comentário

  1. POLENTA
    sexta-feira, 16 de março de 2012 – 11:03 hs

    SEMANA QUE VEM O BICHO VAI PEGÁ!!!!

    Quem deve pra receita estadual, sonegadores de impostos, veículos sem licenciamento, etc., que se cuidem.
    Secretaria da Fazenda Estadual vai intensificar fiscalização

    A Receita Estadual vai intensificar ainda mais seu trabalho de fiscalização em todo o Paraná. Programas como o Alerta Fiscal, que concentra a atuação dos auditores fiscais numa região do Estado durante uma semana, serão reforçados neste ano. O objetivo é fechar o cerco contra a sonegação. O próximo alerta está previsto para o final de março em uma das duas delegacias regionais sediadas em Curitiba.

    Verifiquem que já foi instalado um cercado na frente da delegacia pra prender os sonegadores, durante a operação que vai ser realizada na semana que vem!!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*