Copel teve lucro de R$ 1,17 bi em 2011 | Fábio Campana

Copel teve lucro de
R$ 1,17 bi em 2011

O resultado – o segundo melhor da história da companhia – é 16,5% superior ao obtido em 2010.

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) obteve lucro líquido de R$ 1,177 bilhão em 2011. O resultado é 16,5% superior ao apresentado em 2010, quando a receita líquida foi de R$ 1,1 bilhão. É o segundo maior lucro da história da companhia.

Segundo o presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, o número reflete a política de expansão da companhia, que vem buscando novos mercados, estendendo seus negócios para além das divisas do Paraná e se consolida como a maior empresa do Paraná e um dos maiores players nacionais do setor de energia. “Entre dezembro passado e março de 2012 a Copel saltou da 11ª para a oitava posição no ranking das empresas transmissoras de energia”, diz Zimmer.

Segundo o balanço da empresa, as receitas operacionais da Copel atingiram R$ 7,8 bilhões no ano passado, registrando crescimento de 12,7% sobre os R$ 6,9 bilhões alcançados no ano anterior. Esse desempenho é justificado pela elevação de 5,4% no consumo de eletricidade do mercado cativo atendido pela companhia – formado por 3,9 milhões de ligações em 396 municípios –, pela extinção da política de descontos na fatura de energia para consumidores adimplentes e, ainda, pelos reajustes tarifários de junho de 2010 e junho de 2011, autorizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Também merece destaque o crescimento de 19,7% nas receitas provenientes dos serviços de telecomunicações, que acompanharam o aumento da base de clientes e a agregação de novos serviços. A Copel Telecom passou a atender 1.442 clientes corporativos, ante os 980 em 2010. Com a elevação das vendas de gás, via Compagas, as receitas aumentaram 15,5% em comparação ao ano anterior.

Os custos e despesas operacionais tiveram uma elevação de 8,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Neste item, a despesa com energia comprada para revenda, que representa 33% do total dos gastos, teve acréscimo de 9,1%, devido ao maior custo de aquisição.

LAJIDA – O Lajida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que expressa a capacidade de geração de caixa da companhia, chegou a R$ 1,857 milhão em 2011, montante 25,8% superior ao apresentado no exercício anterior (R$ 1,476 milhão). Já os ativos da Copel fecharam o ano em R$ 19 bilhões – cifra 7,1% superior aos R$ 16 bilhões registrados em 2010.

LEILÕES – O presidente da Copel lembra que a empresa reforçou sua estratégia de expansão dos negócios. Ele cita como exemplo os recentes leilões vencidos pela companhia, que arrematou grandes lotes na área de transmissão. “São linhas importantes como a que vai interligar as regiões Centro-Oeste e Sudeste, com mais de 1.600 quilômetros, e a linha Foz do Iguaçu-Cascavel Oeste, a primeira em 525 mil volts da Copel e estratégica para as operações em extra-alta tensão”, conta Lindolfo Zimmer.

Entre os investimentos em geração e novas energias estão as usinas de Colíder, em construção no Mato Grosso; a Usina Mauá, na região Centro-Sul do Paraná; a PCH Cavernoso II e a participação da Copel nos parques eólicos Farol, Olho D´água, São Bento do Norte e Boa Vista, localizados no Rio Grande do Norte.


10 comentários

  1. ARQUIMEDES FOLTRAN
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 12:39 hs

    PORQUE TANTO LUCRO, É SERVIR O POVO DO PARANA, E Ñ FAZER LUCRO,LUCRO, E A TAXA DE ILUMINAÇÃO DAS RESIDENCIAS E INDUSTRIAS E COMERCIO NAS ALTURAS, SALARIO DA COPEL DE PRIMEIRO MUNDO, TEM ALGUMA COISA ERRADA NISSO TUDO.

  2. caio brandao
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 12:40 hs

    Tudo bem, mas este caminho deve ser trilhado com cuidado. Por coincidência ,o jornal Estado de Minas, de hoje, publica que em Minas Gerais ainda existem 100 mil pessoas às escuras, na região da Zona da Mata, em distritos que a CEMIG não logrou atender. Mas, apesar disso, a CEMIG investe no Rio de Janeiro, no Chile, na Argentina e deixa Belo Horizonte com toda a fiação lançada aérea, o que transforma as árvores da cidade em verdadeiras forquilhas. Enfim, essas estatais, como a CEMIG e a COPEL, não deveriam visar o lucro pelo lucro. Primeiro deveria vir a excelência no atendimento ao seu respectivo Estado e mediante tarifas adequadas, para, depois, se sobrar algum dinheiro, investir fora das suas respectivas fronteiras. As estatais não foram criadas apenas para dar lucro, mas, sim, para atender, com prioridade, ao papel social que lhes está reservado, ainda que isto lhe traga algum prejuízo.

  3. anonimo
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 12:51 hs

    Pela retirada do subsidio, que existia na época do REQUIÂO, p/quem paga em dia, o lucro foi aquem do que o mercado esperava……………………….

  4. ALTEMIR
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 15:21 hs

    O LUCRO AUMENTOU, mas o atendimento piorou e MUITO, deveriam pegar esse dinheiro e investir no treinamento de funcionários, e equipamentos melhores, porque a COPEL já ta parecendo operadora de CELULAR, um CARMA pra vc ser atendido nos 0800…

  5. flavio moraes
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 18:20 hs

    O mais interessante foi que a divulgação do balanço da Copel derrubou as ações na bolsa, as ordinarias tiveram uma queda de mais de 5% e as preferenciais quase 4%. Por que sera ? No ano de 2011, conforme informado pela própia Copel, também tiveram queda, a maior das empresas de eletricidade do Brasil.

  6. sergio silvestre
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 18:25 hs

    Uma pergunta.Aquele caso das faturas que ouve erro,ou as datas foram ajustadas,normalisaram.
    Não,agua e luz subiram mais de trinta por cento em quinze meses.
    Ai que tá,a inflação deu menos da metade,os salarios menos da
    metade.
    Ai está a razão do lucro.os aumentos desenfreados do governo.
    Eis a razão de empresas ,apesar dos montes de funcionários
    arrumados pelo governo,faturam tanto.
    Até quando este povo docil,vai aguentar.
    Apostam no esquecimento para tirar lhes o couro.

  7. Lucas
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 18:28 hs

    Também pudera…Minha conta de luz só faz subiiiirrrr…..

  8. terça-feira, 27 de março de 2012 – 18:35 hs

    O lucro de 2011 com comparação a 2010 é muito pouco. Quem expandiu os negócios para fora do estado foi o Ronald Ravedutti, corajoso, audacioso e sonhador. Foi pouco tempo presidente da copel em virtude do seu falecimento, mas foi um dos melhores presidente que a instituição já teve.

  9. Alexandre
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 20:55 hs

    Parabéns à Copel e aos copelianos, que dão o sangue pela empresa. A Copel atualmente pratica as menores tarifas de energia e proporciona um dos melhores atendimentos. Ganhou prêmio recentemente pelo grande trabalho de eletrificação rural. Está interligando todos os municípios do Estado com Fibra Óptica. Desenvolve pesquisas e cuida dos rios com constantes programas de conservação ambiental e soltura de alevinos. Tem provido incentivos ao esporte e a cultura.

    E tudo isso sendo de economia mista, patrimônio do povo. O lucro da Copel é o lucro do povo, pois a maior parte é reinvestido no próprio Paraná. Isso sim é desenvolvimento sustentável para a empresa e para o Estado.

  10. Luciano
    terça-feira, 27 de março de 2012 – 23:52 hs

    Ta na hora de privatizar enquanto tem bom valor de mercado, criar um mercado regulado de energia e amadurecer a nossa economia…quem pensa que a copel é do povo do Paraná não acordou pra realidade…o estado deve cuidar de saúde, segurança e educação…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*