Mitos e Equívocos na Privatização de Aeroportos | Fábio Campana

Mitos e Equívocos na Privatização de Aeroportos

José Serra entrou no debate sobre as privatizações dos aeroportos para valer. O texto que segue faz parte um artigo em que coloca o que chama de mitos e equívocos na privatização comandanda pelo PT.

“As avaliações sobre a recente privatização de três aeroportos brasileiros tem misturado duas coisas: a questão política, enfatizada pela maior parte da oposição e retomada pelo PT, e a da forma e conteúdo do processo.

Ao contrário do que se propalou, as privatizações dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas (Viracopos) não são as primeiras dos governos do PT. Basta lembrar as espetaculares privatizações na área do petróleo, lideradas pelo megainvestidor Eike Batista, sob a cobertura da lei aprovada no governo FHC —alterada recentemente para pior— e as na geração e transmissão de energia elétrica.”

“Outra ação privatizante digna de menção foi nas estradas federais, que fracassou, não obstante o clima de comemoração na época.
Fez-se a concessão de graça, pôs-se pedágio onde não havia, mas os investimentos não chegaram, as estradas continuaram ruins e o governo federal só faz perdoar as faltas dos investidores.
Um modelo furado, que pretendia ser opção vantajosa ao adotado por São Paulo, com vistas a dividendos eleitorais em 2010.
O padrão petista de privatização chega ao dinheiro público. O governo faz concessões na área elétrica e as subsidia, via financiamentos do BNDES e reduções tributárias. Não se trata de dinheiro do FAT, mas tomado pelo Tesouro à taxa Selic, repassado ao BNDES a custo bem inferior.
Outro exemplo é o da importante e travada Ferrovia Transnordestina. O governo está pagando quase toda a obra, com dinheiro subsidiado, mas a propriedade da concessão é privada. Quem banca a diferença? O contribuinte, é lógico.
Quem faz a filantropia? Os governos petistas, cujas privatizações são originais, ao incluirem grandes doações de capital público ao setor privado.”


4 comentários

  1. Deutsch
    sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012 – 13:15 hs

    Campana, a petezada ignorante vai gritar que não é privatização, é concessão. Se fosse no governo tucano seria chamada de privataria.
    É só esperar……..

  2. Eleitor CWB
    sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012 – 15:51 hs

    Faltou o link da íntegra e citar que o artigo foi escrito por José Serra e publicado no Estadão.

  3. Pedro Rocha
    sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012 – 17:39 hs

    Diante da folha corrida desse partidéco, recheado do que há de pior na política brasileira, e quiçá do mundo, nada surpreende.
    O Pt alcançou um estágio onde todos os limites foram desativados; seus integrantes perderam totalmente o senso da responsabilidade civil, social e política, fazendo de Malluf, que tanto combateram, um mero aprendiz de canalha.
    Essa turma merece um troféu, e um registro no Guiness, como a maior quadrilha já montada na história!

  4. Ocimar
    segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 – 9:07 hs

    QUADRILHA DE BANDIDOS.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*