Santa Catarina e Paraná discutem estratégia para evitar entrada da aftosa do Paraguai | Fábio Campana

Santa Catarina e Paraná discutem estratégia para evitar entrada da aftosa do Paraguai

Danilo Macedo, repórter da Agência Brasil

Brasília – Os governos de Santa Catarina e do Paraná discutirão amanhã (18), em Curitiba, as medidas para evitar a entrada do vírus da febre aftosa nos dois estados, após a confirmação, no início do mês, de um foco da doença no Paraguai, o segundo detectado no país desde setembro do ano passado.

Santa Catarina é o único estado brasileiro com a certificação da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) como livre de febre aftosa sem vacinação. O status sanitário foi conquistado em 2007. O governo paranaense trabalha, há pelo menos dois anos, para ter o mesmo reconhecimento.

O foco de aftosa no Paraguai, indiretamente, acaba atrapalhando os esforços do Brasil para derrubar barreiras de outros países à importação de carne e também no reconhecimento de país livre da febre aftosa com vacinação. O governo federal estabeleceu 2013 como meta para alcançar esse grau sanitário da OIE. O último foco de febre aftosa no Brasil foi registrado no fim de 2005, em Mato Grosso do Sul e que se estendeu para o Paraná.

De acordo com Secretaria de Agricultura e da Pesca de Santa Catarina, vão participar da reunião com representantes do governo paranaense o secretário-adjunto, Airton Spies, e o presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri.

Edição: Aécio Amado


Um comentário

  1. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 18 de janeiro de 2012 – 12:55 hs

    Até quando o Brasil vai ficar calado.

    Não basta “esquentarem” produzir e exportar entorpecentes, ainda n~]ao controlam as doenças do gado.

    Lula e sua turma, bem como os barbudinhos do Itamaraty, NÃO DEFENDEM NOSSOS INTERESSES.
    Ao contrário, dão generosos empréstimos para nossos vizinhos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*