Metrô é vitrine de Ducci em Curitiba, diz Valor Econômico | Fábio Campana

Metrô é vitrine de Ducci em Curitiba, diz Valor Econômico

O jornal Valor Econômico, de São Paulo, desta segunda-feira, 9, destaca o conjunto de obras que Curitiba está fazendo em função da Copa do Mundo de 2014 e também o Metrô Curitibano que terá suas obras iniciadas no segundo semestre deste ano. “Das dez grandes obras viárias em andamento, sete têm relação com a Copa”, conta o prefeito Luciano Ducci à repórter Marli Lima. Ducci adiantou que a localização do estádio, em um dos bairros mais populosos de Curitiba, ajuda. “O anel viário era um projeto antigo para a cidade, para aliviar o trânsito no Centro. Por uma feliz coincidência, passa pelo estádio da Copa, além de passar pelos estádios do Coritiba e do Paraná Clube.”

“Em obras para a Copa a Prefeitura de Curitiba vai investir cerca de R$ 420 milhões, fora o que está previsto pelos governos estadual e federal. O prefeito conta que “a prefeitura buscou e busca fontes de financiamentos”, por meio de operações de crédito e convênios com o Estado e a União. Curitiba tem boa credibilidade e já trabalha com agentes financeiros externos. “Os investimentos exigem adequações orçamentárias e a reprogramação do plano de obras para o exercício de 2012 e 2013”, explica. Segundo Ducci, “os benefícios das obras da Copa já serão realidade para os curitibanos bem antes de 2014.” – diz trecho da matéria.

Leia a seguir a íntegra da reportagem.


Para o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), 2011 foi o primeiro ano inteiro em que passou no cargo. Ele era vice de Beto Richa (PSDB), que deixou o comando da capital para concorrer e vencer as eleições para o governo do Paraná. Assumiu em abril de 2010 e vai tentar as urnas em 2012. Por isso, além de obras da Copa, vai trabalhar para mostrar outras conquistas, inclusive algumas que estavam em andamento, como o metrô, orçado em R$ 2,25 bilhões, que terá R$ 1 bilhão a fundo perdido do governo federal.

Na pesquisa Ibope divulgada pela Band em dezembro, Ducci aparece como um dos prefeitos melhor avaliados do país com uma soma de 46% de ótimo e bom. “Foi um ano muito bom, acho que dá pra dizer que foi melhor do que o esperado”, comenta. “Se 2011 não tivesse mais nada, só essa garantia do metrô já seria motivo para dizer que foi um ótimo ano.”

Ducci diz que fez “mais de 1,5 mil obras”, sendo dez grandes mudanças viárias, para melhorar o trânsito. “A cidade ganha 1.150 carros novos por semana”, conta.

O prefeito informa que, até novembro, a receita corrente aumentou 13% na comparação com igual período do ano anterior, o que representa crescimento real de 6,5%, descontada a inflação. A receita tributária teve crescimento real de 10% e uma novidade no ano foi o Cadastro de Prestadores de Serviço de Outros Municípios. “O aquecimento do mercado imobiliário também ajudou no crescimento da arrecadação”, diz.

Para 2012, a equipe de Ducci espera ampliação de 8% na receita corrente. O prefeito diz que “a possibilidade de crise assusta”, mas acrescenta que trabalha com “previsão orçamentária conservadora”. E cita novamente o metrô como exemplo. “Poderíamos até ter aceitado financiamento para o metrô no PAC da Copa, lá atrás. Mas preferimos esperar um pouco e concorrer ao recurso a fundo perdido do PAC 2”, conta. “Em vez de um empréstimo de R$ 700 milhões, conseguimos R$ 1 bilhão a fundo perdido.” O metrô de Curitiba não ficará pronto para a Copa.

Ducci diz que o cronograma de obras está em dia. “Das dez grandes obras viárias em andamento, sete têm relação com a Copa”, conta, acrescentando que a localização do estádio, em um dos bairros mais populosos de Curitiba, ajuda. “O anel viário era um projeto antigo para a cidade, para aliviar o trânsito no Centro. Por uma feliz coincidência, passa pelo estádio da Copa, além de passar pelos estádios do Coritiba e do Paraná Clube.”

Em obras para a Copa a Prefeitura de Curitiba vai investir cerca de R$ 420 milhões, fora o que está previsto pelos governos estadual e federal. O prefeito conta que “a prefeitura buscou e busca fontes de financiamentos”, por meio de operações de crédito e convênios com o Estado e a União. Curitiba tem boa credibilidade e já trabalha com agentes financeiros externos. “Os investimentos exigem adequações orçamentárias e a reprogramação do plano de obras para o exercício de 2012 e 2013”, explica. Segundo Ducci, “os benefícios das obras da Copa já serão realidade para os curitibanos bem antes de 2014.”


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*