Disputa por liderança divide o PT no Congresso | Fábio Campana

Disputa por liderança divide o PT no Congresso

Do Josias de Souza

Em pleno recesso parlamentar, o PT trava disputas que dividem suas bancadas nas duas Casas do Legislativo. A encrenca envolve a substituição dos líderes da legenda.

Na Câmara, deixará a liderança o deputado federal Paulo Teixeira (SP). Engalfinham-se pela vaga os companheiros Jilmar Tatto (SP) e José Guimarães (CE).

No Senado, dará adeus ao posto de líder o senador Humberto Costa (PE). Medem forças pela poltrona os companheiros Walter Pinheiro (BA) e Wellington Dias (PI).

Nos dois casos, o partido de Dilma Rousseff tenta dissolver as divergências por meio de acordos. A possibilidade de pacificação é remota. As querelas devem ser dirimidas no voto.

Entre os deputados, chegou-se a esboçar um acerto: um ano de liderança para Tatto, outro para Guimarães. A coisa desandou na hora de definir quem seria o primeiro.

Mantida a perspectiva de confronto, Tatto parece levar vantagem sobre Guimarães. Apoiam-no Marco Maia (RS) e Arlindo Chinaglia (SP), respectivamente presidente e ex-presidente da Câmara.

Do lado de Guimarães, perfilam-se o líder do governo Candido Vaccarezza (SP) e João Paulo Cunha (SP), outro ex-presidente da Casa.

Os dois grupos engalfinharam-se no ano passado pelo comando da Câmara. Uma disputa em que Marco Maia prevaleceu sobre Vaccarezza.

Com muito custo, as infantarias do petismo da Câmara recolheram as armas. O armistício durou seis meses. Agora, reabriu-se o paiol. O tiroteio ricocheteia em Vaccarezza.

O grupo pró Tatto ameaça levar ao pano verde, além da liderança da bancada, o posto de líder do governo, ocupado por Vaccarezza desde o final da gestão Lula.

Longe dos holofotes, lança-se o nome do deputado Pepe Vargas (RS). Nesse caso, porém, a troca não depende dos votos da bancada, mas da caneta de Dilma. Ou da renúncia de Vaccarezza.

Em privado, Vaccarezza não se mostra disposto a abdicar das atuais atribuições. Ao contrário. Faz planos para 2012. Resta saber o que pensa Dilma. E ela atravessa uma fase de raro mutismo.


5 comentários

  1. João Hansen
    quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 – 19:55 hs

    Caro redator,
    Essa é uma informação que não merece ser divulgada, pois trata-
    se de assunto intestino ao partido, e como desse local, quando
    sai, o que sai não é bom relatar. Porém para acertar esse
    expediente é melhor convocar um ” consultor financeiro” que
    existe em grande numero no partido e possui a solução.
    Atenciosamente..

  2. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 – 22:54 hs

    Hoje, na CBN, um comentário sobre alianças políticas.

    Um ouvinte menos atento, confundiriam-nas com formação de quadrilha.

  3. Vigilante do Portão
    sexta-feira, 6 de janeiro de 2012 – 4:57 hs

    Não,
    O PT está dividido?

    Não acredito….

    KKKK

    Vão marcar uma reunião para marcar uma assembleia ….

  4. Ocimar
    sexta-feira, 6 de janeiro de 2012 – 8:02 hs

    É a quadrilha dividindo o poder

  5. KAREM
    domingo, 8 de janeiro de 2012 – 14:55 hs

    É o fim da quadrilha liderada pelo pai da MENSALARIA PETISTA, o malaco Lula da Silva.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*