Com xadrez difícil, Dilma adia reforma e segura Haddad | Fábio Campana

Com xadrez difícil, Dilma adia reforma e segura Haddad

Presidente quer trocar de 5 a 8 ministros sem melindrar os aliados; ministro da Educação, que sairia dia 16 para eleição, terá de esperar.

Lisandra Paraguassu, de Brasília para O Estado de S.Paulo

A presidente Dilma Rousseff está encontrando dificuldades para fazer a reforma ministerial até o fim deste mês e as mudanças, agora, devem ocorrer apenas em fevereiro. A intenção de Dilma é trocar de cinco a oito ministros, sem provocar atritos entre os partidos da base aliada. Como a presidente está disposta a promover a mudança na equipe de uma só vez, o ministro da Educação, Fernando Haddad – que já estava de malas prontas -, terá agora de esperar mais um pouco para começar sua campanha à Prefeitura de São Paulo.

Dilma pediu a Haddad, na segunda-feira, que ele aguardasse até o final do mês antes de passar o bastão para Aloizio Mercadante (PT). Titular de Ciência e Tecnologia, Mercadante foi o escolhido para substituir Haddad, mas, embora já tenha comunicado a equipe sobre a troca, precisará aguardar alguns dias.

“A presidente me pediu para esperar mais um pouquinho”, disse ontem o ministro Haddad. A cúpula do PT queria que a presidente Dilma liberasse seu candidato até o dia 16 para que ele pudesse iniciar a caça aos votos – já que não é conhecido e nunca disputou a eleição -, mas terá de se conformar com o tempo exigido pelo Palácio do Planalto.

Haddad já tinha pedido para deixar a Esplanada dos Ministérios em novembro, mas Dilma não deixou. Agora, havia programado sua saída para a próxima semana, mas a presidente pediu novamente que ele aguardasse. Disse ao ministro que não quer fazer uma reforma a conta-gotas, mas, sim, anunciar todas as mudanças de uma vez só. Não há, no entanto, nomes para todos os cargos.

Mudanças. Depois de demitir sete ministros em um ano – seis dos quais suspeitos de corrupção -, a presidente Dilma quer agora mexer na gestão do governo, e não só em nomes. De qualquer forma, a saída de Haddad da Educação é a única já anunciada há meses, desde que o ministro foi indicado pelo PT para concorrer à sucessão do prefeito Gilberto Kassab (PSD).

A mudança de Mercadante de Ciência e Tecnologia para Educação abre outra vaga, disputada pelo PSB e pelo PT. Devem sair, ainda, os ministros das Cidades, Mário Negromonte (PP); da Cultura, Ana de Hollanda (sem partido); e de Políticas para Mulheres, Iriny Lopes (PT).


3 comentários

  1. Zangado
    quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 – 19:45 hs

    Dilma é uma governante despreparada, fraca, e o PT não tem quadros confiáveis, só aloprados e maracutistas.

    Foi-se 12/48 avos de governo e pouco se fez; a grande marca foram sete ministros chutados fora e a fila ainda está andando …

    Das duas uma, ou Dilma sabia ou não sabia – nas duas hipóteses está se mostrando incompetente.

  2. CAÇADOR DE PETISTAS
    quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 – 10:21 hs

    Este incomptente HADAD que disputar algum cargo político no Estado de São Paulo?
    Que vergonha, acordem Paulistanos para esta farça chamada PT. Não elejam ninguem da MENSALARIA PETISTA.

    PT, O CÂNCER DO BRASIL.

  3. Deutsch
    quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 – 22:31 hs

    Por falar em xadrez, quando é que vão prender o lula por ser o chefe do mensalão e chefe da quadrilha dos ladrões do pt?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*