Audiência pública debate concessões de pedágio no Paraná | Fábio Campana

Audiência pública debate concessões de pedágio no Paraná

De João Pedro Schonarth da Gazeta do Povo

A notícia de que novas praças de pedágio devem ser instaladas no Paraná mobilizou entidades da sociedade civil, que estiveram reunidas nesta segunda-feira (21) na Assembleia Legislativa em um audiência pública sobre concessões de rodovias, proposta pelo deputado Professor Lemos (PT). Cerca de 50 pessoas estiveram presentes no Plenarinho da Casa, ouvindo as palestras de deputados e representantes do setor.

Entre as propostas debatidas na audiência estão a redução dos valores de pedágio cobrados no Paraná, para que o preço pago pelos motoristas se adeque aos investimentos nas rodovias – segundo as entidades presentes na Assembleia, as concessionárias de pedágio teriam suprimido obras de infraestrutura nas estradas, como duplicação e construção de viadutos. “A taxa de retorno do pedágio do Paraná é uma das mais altas, conferindo lucros para poucos e prejudicando a economia paranaense. Queremos chamar a atenção da sociedade para esses contratos abusivos e é importante que a população venha para a Casa para pedir a redução dos pedágios”, salienta o deputado Professor Lemos.

O advogado do Fórum Nacional Contra o Pedágio, Simon de Quadros, ressalta que as concessionários estariam discutindo com o governo a postergação dos contratos para que as obras, previstas em acordos iniciais, saíssem de fato do papel. “Nenhuma grande obra prevista em contrato foi executada no estado e elas não podem agora ser negociadas como se fossem novas, porque não são. A sociedade precisa estar atenta a esses pontos”, pondera.

Levantamento

Outro deputado que palestrou no Plenarinho foi Cleiton Kielse (PMDB), que apresentou dados sobre as concessionárias paranaenses. Pelo levantamento do parlamentar, as empresas teriam arrecadado R$ 7,7 bilhões e investido apenas R$ 816 milhões em obras no Paraná, entre 1998 e 2008.

Entretanto, de acordo com dados da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ACBR), citados por Kielse na Assembleia, a receita no período teria sido de R$ 5,6 bilhões e o investimento, R$ 3,8 bilhões. “Várias obras que poderiam ter evitado a perda de vidas e aumento a competitividade do produtor paranaense não foram feitas. Isso impede o desenvolvimento do nosso estado”, ressalta.

Entre os presentes estavam outros parlamentares, dirigentes de sindicatos representantes do setor e lideranças religiosas do estado.


9 comentários

  1. Lucas
    segunda-feira, 21 de novembro de 2011 – 20:33 hs

    Se adequar aos investimentos??? Só se a concessionária está investindo na bolsa de valores, porque as estradas continuam um LIXO!!!!

  2. povo inteligente de ctba.
    segunda-feira, 21 de novembro de 2011 – 20:36 hs

    Quem paga e os impresarios. como. pequenas igrejas, grandes negocios.
    os grandes impresarios, podem investir nisso.
    Em epocas de eleiçoes distribuim o dinheiro com quem eles querem que
    ganhe. sepre um pouco com o adiversaio. vamos que vensa?
    quando o povão, briga e se mata por esse ou aquele candidato?
    eles toma uma servegina nos restaurante cheques?
    porque que eu não posso vender meu voto, se os impresarios compram os politicos?
    Ganha quem tem mais dineiro? ou não e isso que acontesse?
    O povão se mata por esse ou aquele partido?
    A imprensa mostra isso, bate num ate que ganha um comercial lindo, logico, faz de graça?
    Mas não bate mais e fala bem, coitadino. A culpa e do povo que votou?

  3. Revoltado
    segunda-feira, 21 de novembro de 2011 – 20:58 hs

    É uma falta de respeito com o povo do paraná o que o atual governo quer fazer ( implantar mais pedágios e esticar os contratos atuais).
    O pedágio poderia ser metade deste valor e mesmo assim as concessionárias poderiam duplicar 100% das rodovias e ainda teriam um lucro alto.

  4. Vigilante do Portão
    terça-feira, 22 de novembro de 2011 – 4:00 hs

    Gostaria de ver o mesmo empenho do PT em CARRIAR RECURSOS do Orçamento da União para melhorar as Estradas Federais e trazer dinheiro da CIDE para que o Estado faça obras nas Estradas Estaduais.

    Aliás, são contra o Pedágio e entregaram a BR 116 e a BR 101 para a iniciativa privada?

  5. VLemainski -Cascavel-PR
    terça-feira, 22 de novembro de 2011 – 10:00 hs

    Essa “ação entre amigos” durará ate que um dia o poder judiciário (para mim suspeito) se acorde em benefício do interesse público. No Rio Grande do Sul a concessão vence em 2013, portanto, selvo engano, 10 anos antes do Paraná, e as concessionárias já propuseram ao governo do estado a prorrogação do prazo com descontos de 42% nas taxas atualmente cobradas e diversos investimentos nas rodovias… E as concessões foram feitas no mesmo período que no PR, no governo Brito.
    Se lá pode, por que aqui não?…..

  6. terça-feira, 22 de novembro de 2011 – 10:53 hs

    Meu Nobre Governador não foi isso q vc pregou na canpanha passada O povo não vai mais acreditar em vc fazer mais pedagio no parana isso é brincadeira vc não vai fazer isso vc ta abuzando com o povo ano q vem tem eleicão di novo hem e ai como q vai fica vou morre c/ 100 anos e não vou ve tudo kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. altemir
    terça-feira, 22 de novembro de 2011 – 13:15 hs

    QUA QUA QUA…..VAI POVO VOTA….MAIS VOTA COM GOSTO..QUI ELES GOSTAM DISSO….HA HA HA HA HA
    TOMA…POVO…

  8. Fórum Nacional Contra O Pedági
    terça-feira, 22 de novembro de 2011 – 13:51 hs

    Pena que o Jornalista da Gazeta o sr joão Pedro Schanarth
    tenha se enganado no nº de presentes, lá estavam 80 entidades
    representativas do Estado, não sita os estado da Bahia e Rio Grande do Sul, O fórum vai divulgar a carta que foi aprovada na audiência talvez ele possa corrigir o equívoco.Talvez também ele possa ter chego perto do final da audiência que teve inicio às 9 horas e termino às 14 horas. Não teve a oportunidade de ver os debates e saber a representatividade de cada entidade que participou.

    Atenciosamente.

  9. Liziane
    quinta-feira, 1 de dezembro de 2011 – 9:30 hs

    Além da pagar todos os dias um pedágio que considero inconstitucional (São Miguel do Iguaçu – Santa Terezinha de Itaipu). Para minha surpresa e após essa audiência pública, hoje pela manhã passamos a pagar R$ 10,30, ou seja houve um pequeno AJUSTE de 0,50. É ABSURDO!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*