Prefeito de Campo Magro é cassado | Fábio Campana

Prefeito de Campo Magro é cassado

Denise Mello, Jadson André e Antonio Nascimento da Band B

Depois de 10h30 de sessão, os vereadores de Campo Magro, região metropolitana de Curitiba, cassaram neste domingo (4), o mandato do prefeito José Antonio Pase (PMN), acusado de uma série de irregularidades no comando da prefeitura. Pontualmente às 20 horas, o presidente da Câmara, Odair de Paula Cordeiro (PMDB), leu a sentença: “Por decisão da maioria dos vereadores desta Casa, está extinto o mandato do prefeito José Antonio Pase”, decretou. O vice-prefeito, Carlos Alberto de Oliveira Werneck (PSDB), compareceu à Câmara logo depois do anúncio da cassação e já tomou posse como prefeito de Campo Magro.

Houve grande festa com foguetório na cidade que passou o domingo na expectativa sobre o futuro do município. Ao todo, foram votados oito quesitos para embasar o pedido de cassação. Cada quesito apresentava denúncias de irregularidades que envolviam como contratações irregulares, locação de veículos e superfaturamento. Para a cassação, era necessário um terço dos votos dos nove vereadores e como os seis vereadores da oposição votaram pelo afastamento, Pase perdeu o mandato.

Ausência

Pase foi aguardado por meia hora no início da sessão, mas não compareceu, assim como seus advogados de defesa. Mesmo assim, como determina o regimento, o presidente da Câmara, deu prosseguimento à sessão convocando advogados presentes em plenário. Três defensores se apresentaram e o caso foi repassado para Valdemar Reinert, com auxílio de Sara Gil Coutinho e Cleberson Machado.

A sessão foi interrompida por 40 minutos para que os advogados tomassem conhecimento do processo. O vereador Arlei Bueno de Lara (DEM), que é de situação, fez um pedido de que a sessão fosse interrompida por 24 horas, para que os defensores tivessem mais tempo. Neste momento, o advogado Reinert disse que já conhecia o caso e que o intervalo estipulado pelo presidente seria suficiente para a definição da estratégia de defesa.

No início da tarde o relator leu o parecer com o pedido de cassação. Entre as denúncias está o superfaturamento na locação de veículos: três Unos no valor de R$ 2.766,00 mensais cada. Também foi questionado o superfaturamento no pagamento de funcionários: um motorista, por exemplo, que deveria ganhar R$ 800,00, estava recebendo R$ 2.900,00, segundo a denúncia. A falta de prestação de contas à Câmara em 2009 também está no relatório.

Pase pode recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça do Paraná.


Um comentário

  1. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 5 de setembro de 2011 – 11:00 hs

    Os vereadores cassadores do prefeito de Campo Magro deram eco às vozes da grande maioria da população dum município que tem todas as condições para desenvolver projetos na área do meio ambiente, do turismo, do artesanato, da agricultura orgânica, da indústria branca.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*